'Missa da Meia-Noite': novo terror de Mike Flanagan critica o fanatismo religioso
Menu & Busca
‘Missa da Meia-Noite’: novo terror de Mike Flanagan critica o fanatismo religioso

‘Missa da Meia-Noite’: novo terror de Mike Flanagan critica o fanatismo religioso

Home > Entretenimento > ‘Missa da Meia-Noite’: novo terror de Mike Flanagan critica o fanatismo religioso

A nova minissérie de terror Missa da Meia-Noite (Midnight Mass) estreou na Netflix na sexta-feira (24). Mike Flanagan, criador de A Maldição da Residência Hill e A Maldição da Mansão Bly, é quem comanda a série original do streaming. Atualmente, com 49 avaliações, a produção já está com 94% de aprovação no Rotten Tomatoes, agregador de críticas de filmes e séries.

Todos os episódios da série tem em média 1 hora de duração. | Foto: Montagem/Reprodução.

Trama e elenco

Na trama, Riley está retornando para a Ilha de Crockett. Ele estava preso há anos após matar uma mulher em um acidente de carro porque estava embriagado. Porém, mesmo após cumprir a sentença, o jovem vive sendo atormentado todos os dias por uma imagem da vítima que surge como fantasma diante dele.

Paralelamente, o padre Paul chega a pacata região para substituir o monsenhor Pruitt, que ficou doente e se afastou do cargo. Assim, Riley começa a receber a ajuda do padre para recomeçar sua vida e lidar com seus vícios e medos.

No entanto, tudo muda quando eventos sobrenaturais atingem a pequena cidade. Esses fenômenos inesperados geram tormento na comunidade, que começa a questionar a fé e seus rituais religiosos.

O elenco conta com a participação de Kate Siegel (Maldição da Residência Hill), Zach Gilford (Uma Noite de Crime), Hamish Linklater (A Grande Aposta), Rahul Kohli (A Maldição da Mansão Bly) e Henry Thomas (Doutor Sono). Na direção, Mike Flanagan assume o comando e Dani Parker, James Flanagan e Elan Gale compõem a equipe de roteiristas.

Hamish Linklater, Kate Siegel e Zach Gilford protagonizam a minissérie. | Foto: Montagem/Reprodução.

O que esperar de Missa da Meia-Noite?

Mike Flanagan é um dos maiores cineastas do terror da atualidade. Em seu histórico, o diretor de 43 anos acumula títulos que marcaram o gênero. Ele foi responsável por Doutor Sono (2019), filme que é a sequência do clássico O Iluminado, Hush: A morte te ouve (2016) e a adaptação do livro de Stephen King, Gerald’s Game (2017). 

Porém, suas obras de maior sucesso foram produzidas em parceria com a Netflix. Flanagan foi o autor da série antológica Maldição, que recebeu duas partes: A Maldição da Residência Hill e Maldição da Mansão Bly. A antologia se tornou um sucesso de crítica por apresentar um roteiro envolvente que explorava o drama da vida dos personagens, e não apenas sequências de acontecimentos sobrenaturais. Por isso, Mike Flanagan se popularizou como um cineasta que foge das amarras do clichês do gênero e traz, além do horror, muita sensibilidade às suas narrativas. 

terror
Esposa de Mike Flanagan, Kate Siegel costuma colaborar nas produções do diretor. | Foto: Reprodução/Youtube.

Em Missa da Meia-Noite, o cineasta decidiu expressar mais sua visão sobre religião e o sentido da vida. Ao portal Thrillist, Mike Flanagan explicou que nunca produziu uma obra tão pessoal. Isso porque, em sua infância, ele cresceu como coroinha na Igreja Católica e precisou lutar contra o consumo excessivo de álcool durante 3 anos. Por isso, na nova minissérie, o mestre do terror expôs um pouco do seu passado no enredo, além de levantar questionamentos relevantes sobre a maldade humana e o uso nocivo da religião.

“Por que estamos aqui? Qual é o sentido de estarmos vivos? O que acontece quando morremos? Para onde vão as pessoas que amamos quando se vão?”, diz Flanagan sobre as perguntas que a série tenta responder. “Muitas das religiões mais antigas, quanto mais para trás na história você vai, mais sangrenta ela é e mais horrível. Acho que a razão pela qual precisamos do terror é a razão pela qual somos todos atraídos pela religião. Temos medo do mundo natural, e por isso, procuramos um escapa na religião. E dessa forma, sob influência de uma mecânica ideológica religiosa, homens e mulheres são manipulados para cometer atos terríveis”, argumenta.

Desse modo, o enredo retrata como o fanatismo religioso pode ser responsável por disseminar o ódio em uma comunidade e como a religião, quando usada por pessoas com interesses maléficos, se torna um instrumento de controle e opressão. Por isso, ao assistir Missa da Meia-Noite, você irá conferir uma produção que mistura horror, drama e muitas reflexões necessárias para o mundo atual.

Cada episódio da série é um título de um livro da Bíblia para trazer simbolismos. | Foto: Reprodução/Youtube.

Stephen King elogia o trabalho de Mike Flanagan em Missa da Meia-Noite

Antes de chegar à Netflix, Stephen King, a mente brilhante por trás de It e O Iluminado, já tinha assistido à minissérie. Sendo assim, ele publicou o que achou do trabalho de Mike Flanagan no Twitter. “Missa da Meia-Noite, na Netflix: Mike Flanagan criou um conto de terror denso e lindamente fotografado que atinge um nível alto de terror”, elogiou.

Missa da Meia-Noite
Em 7 episódios, Missa da Meia-Noite propõe reflexões sobre luto, vícios e religião. | Foto: Reprodução/Netflix.

Assista ao trailer oficial

Assim, se você já conhece as obras de Mike Flanagan, como a antologia Maldição, não deixe de conferir Missa da Meia-Noite, disponível na Netflix.

______________________________
Por Lucas Kelly – Redação Fala!

Tags mais acessadas