Masculinidade: importância de ressignificar o que é ser homem
Menu & Busca
Masculinidade: importância de ressignificar o que é ser homem

Masculinidade: importância de ressignificar o que é ser homem

Home > Lifestyle > Masculinidade: importância de ressignificar o que é ser homem

Em meio a uma sociedade que não aceita mais o machismo, muitos homens têm questionado qual o seu papel na sociedade contemporânea

Vivemos uma era de desconstrução de padrões de comportamentos que, por séculos, assombraram a história da humanidade. Com o  aumento da emancipação feminina, os homens se veem na necessidade de refletir sobre si mesmos e repensar os papéis na sociedade.

Segundo o Psicólogo Nilton Campos, que atua com a Teoria Cognitiva comportamental para o tratamento de ansiedade: “enquanto houver essa divisão entre masculino e feminino, o foco nunca vai estar no ser humano. Acho que toda sociedade precisa evoluir na questão de pensamentos, reconhecendo que todos nós merecemos os mesmos direitos e deveres.”. 

homem
Entenda a importância de ressignificar o que é ser homem. | Foto: Freepik.

O que é ser homem

Por muito tempo, em razão do machismo vigente, os homens eram impedidos de demonstrar aflições, o que acarretou em inúmeras gerações de homens confrontados ao terem que lidar com as emoções. Em  um levantamento do Ibope Conecta, constatou que a depressão e o suicídio ainda é um tabu para grande parte dos homens brasileiros.

De acordo com o Nilton Campos, existe uma regra presente no universo masculino de que “sentimentos devem ser evitados”, o que vai de contrapartida às recomendações clínicas, uma vez que o método mais eficaz para tratar transtornos psicológicos é através da fala.

Além disso, segundo a Organização Mundial da Saúde, a OMS, homens representam 76% do índice de suicídio no Brasil. O que evidencia o fato do machismo e da masculinidade tóxica não serem só prejudiciais às mulheres, mas também aos homens. Sobre isso, o psicólogo comenta: “Existe uma crença social de que o homem deve ser autossuficiente e isso faz a gente [homens] se afastar do pedido de ajuda.”.

Outro ponto a ser debatido, é como masculinidade tóxica afeta também a relação dos homens com outros homens. Uma pesquisa realizada pela ONU Mulheres e o portal PapodeHomem constatou que 56,6% dos homens gostaria de ter uma relação mais próxima com os amigos, expressando mais afeto. Campos explica que, em parte, isso se deve a uma questão cultural, já que desde a infância os homens são ensinados a serem mais racionais. 

Homens não precisam ser fortes o tempo todo, nem provar nada. Eles podem, sim, chorar e demonstrar sentimentos. Repensar a masculinidade tóxica é uma transformação necessária para evoluirmos como sociedade. Questionar os papéis de gênero vigentes não é uma tentativa de extinguir a masculinidade, mas sim, garantir que todos os homens a experimentem de forma saudável. 

______________________________
Por Juan Lisboa – Fala! UFU

Tags mais acessadas