'Hubie Halloween'- Confira a crítica do novo filme da Netflix
Menu & Busca
‘Hubie Halloween’- Confira a crítica do novo filme da Netflix

‘Hubie Halloween’- Confira a crítica do novo filme da Netflix

Home > Entretenimento > Cinema e Séries > ‘Hubie Halloween’- Confira a crítica do novo filme da Netflix

Pouco depois da lista de indicados ao Oscar 2020 ser divulgada, Adam Sandler, que apresentou uma das melhores atuações de sua carreira em Joias Brutas, dos Irmãos Safdie, mas não foi indicado ao prêmio, prometeu que seu próximo filme seria o pior da história. Não foi isso que ele entregou em Hubie Halloween. Dirigido por Steven Brill, que já colaborou com Sandler em The Do-Over (2016), Sandy Wexler (2017) e no interessante Little Nicky (2002), o filme é mais um da parceria entre a Netflix e a Happy Madison, produtora do comediante. 

Aqui, Adam Sandler volta ao seu estilo de humor mais tradicional. Depois de abordar tramas de conspiração governamental, mistério de assassinato e faroeste, volta às origens, com um filme que envolve um mistério, mas abordado de uma maneira muito mais leve.

Hubie Halloween
Hubie Halloween, novo filme da Netflix. | Foto: Reprodução.

Hubie Halloween – Leia a crítica

No longa, acompanhamos Hubie (Sandler), intitulado o “Guardião do Halloween”, em suas desventuras enquanto tenta proteger a cidade durante o Halloween, seu feriado favorito. Por mais que ele esteja preocupado com a cidade e querendo preservar a data como um momento leve e divertido, ele é hostilizado e levado como piada por todos da cidade, inclusive pelas crianças, aquelas que ele mais quer “proteger”. 

Encontramos, aqui, um personagem clássico de Sandler. O sujeito comum, com algum dote ou característica especial, mas que é marginalizado e hostilizado por outros, pois é visto como o diferente, Hubie é exatamente assim. Percebido como uma piada pela população local, não mede esforços para proteger aqueles que o hostilizam, quase um “super-herói” suburbano.

Por mais que seja uma comédia, o filme flerta com elementos do terror. Referências não faltam por aqui, indo desde de Halloween (1978) até American Werewolf in London (1981), enquanto passar por territórios onde brinca com slashers e filmes de assombração, mas o uso da linguagem do horror não se limita apenas a breves referências. Com algumas cenas com uma boa construção de tensão, vide a cena em que o protagonista investiga um casa suspeita, o filme consegue transitar bem por esse gênero, mas sem esquecer da comédia, seu ponto principal.

Os filmes do Adam Sandler sempre foram conhecidos pelo seu humor “besta”, que, de certa forma, se tornou quase uma autoparódia em seus últimos trabalhos. No entanto, com a atual conjectura dos EUA, cada vez mais o “absurdo sandleriano” deixa de ser algo vindo de uma comédia como essas, e passa a se tornar a norma. O tom absurdo de seus outros filmes se tornou algo “normal” no mundo atual, exemplo disso seria a cena onde aparecem diversas pessoas fantasiadas da personagem Arlequina, do universo do Batman

Por mais que o humor seja mais “palatável”, o filme ainda aposta nas piadas mais piradas e que funcionam muito bem, conversando com toda unidade estilística proposta, brincando tanto com estereótipos dos filmes de humor, tanto quanto os de terror. 

Os atores, aqui, são os de sempre nas produções da Happy Madison, ou seja, os amigos do Adam Sandler. Aqui, temos Steve Buscemi, Kevin James, Maya Rudolph, China Anne McClain, Rob Schneider, além de Noah Schnapp, que mostra seu ótimo timing cômico. Na verdade, todo o elenco está bem, como são quase todos amigos, a química é visível, e os atores parecem se divertir em cena, o que torna todo a experiência muito mais agradável.  

Em um filme que está longe de ser o pior já feito (não chega nem perto de ser o pior de sua carreira), Sandler entrega uma comédia honesta, um bom filme que, por mais que não traga nada de novo, acaba fazendo bem tudo que propõe, se tornando uma boa pedida para quem quer ver um filme no Halloween, mesmo não curtindo muito terror.

Hubie Halloween está disponível na Netflix.

____________________________
Por João Pedro Baricatti Nascimento – Fala! Cásper

Tags mais acessadas