Cadastre-se e tenha acesso a conteúdos exclusivos!
Quero me cadastrar!
Menu & Busca
As Filhas de Eva e seu legado na História

As Filhas de Eva e seu legado na História

A importância do feminismo para a história e a sociedade.

“E à mulher disse: Multiplicarei grandemente a tua dor, e a tua conceição; com dor darás à luz filhos; e o teu desejo será para o teu marido, e ele te dominará.”

FEMINISMO EM PAUTA E NO CORPO

É assim que se inicia o sofrimento da mulher, com uma frase que se encontra no começo do livro mais lido no mundo, a Bíblia. A mulher é a culpada pelo pecado original, culpada pela saída do homem do Éden, culpada por existir.

É com o apoio da religião que a história da mulher é marcada por momentos de violência e injustiça, é devido a essa frase que durante anos foi inferiorizada e subordinada pelos homens que acreditavam que dominavam a mulher.

Em um mundo que se moldou a imagem deste livro, não é surpresa a mulher ser oprimida, mas a roda se quebra, a mulher se cansa e a mudança se inicia

Liberté, Égalité, Féminisme

A mudança na forma de vida da mulher se inicia no século XIX, após a Revolução Francesa, movimento que buscou liberdade do povo francês contra a tirania exercida pelo governo monárquico, época em que a desigualdade era visível na França, a população com apoio da burguesia, que surgia e ganhava força aos poucos nas cidades, lutaram contra a opressão em busca da famigerada “Liberté, Egalité, Fraternité”.

OPINIÃO: FEMINISMO, A REVOLUÇÃO

Inspiradas pelo movimento francês e por alterações socias que estavam ocorrendo, o movimento feminista surge, com mulheres que passaram a perceber a desigualdade que viviam pelo fato de serem mulheres. A partir desse momento de reflexão a chamada Primeira Onda do Feminismo ganha força pela Europa e nos Estados Unidos.

Movimento Sufragista no século XX

Durante a primeira onda, movimentos de mulheres surgem em diversos cantos da Europa, a luta que se destacou durante esse período, início do século XX, foi a sufragista, movimento que reivindicou o direito de voto da mulher.

Ele ganhou força na Inglaterra e na França, após a conquista do voto às europeias, movimentos sufragistas surgiram em outros países, como Estados Unidos. A Primeira Onda tinha como eixo a reivindicação por direitos iguais da cidadania, como o direito ao estudo, ao voto, propriedades e posses, melhores condições de trabalho, etc

Essa onda que surge na Europa com um pano de fundo de revoluções e mudanças políticas se estende durante as décadas seguintes, e o movimento feminista ganha força e mais duas grandes ondas.

FEMINISMO: UMA JORNADA DE EVOLUÇÃO?

A Segunda Guerra e a Segunda Onda

O espectro do feminismo rondava a Europa durante o século XX, ele se expandia para outras partes do mundo, colocando uma leve sombra na imagem dos homens.

O que sucede a Segunda Onda Feminista são duas grandes guerras, que põem o homem nos fronts e deixa as cidades vazias. Após a Primeira Guerra Mundial era possível ver uma diferença na sociedade europeia, muitos homens aviam morrido em combate nas trincheiras e foi necessário substituir parte de sua mão de obra por mulheres.

Rosie the Riveter – A propaganda feita na década de 40 para recrutar mulheres para trabalhar durante a 2ª Guerra Mundial se tornou um dos símbolos do movimento feminista

Em pouco tempo a Europa seria palco de outra Grande Guerra, que definiria de uma vez por todas o papel da mulher na sociedade, e colocaria em xeque o mito do homem como o grande denominador.

A Segunda Guerra se tornou grande, seus campos de batalha se espalhavam pela Europa, cidades eram destruídas, populações se encontravam em risco nos grandes centros urbanos e os homens eram convocados aos montes para reforçar os fronts.

As cidades ficaram vazias, algo nunca visto antes, porem as fabricas precisavam produzir armas e munições, produtos tinham de ser transportados e mensagens tinham de ser enviadas.

Nesse momento a mão de obra feminina é recrutada novamente, de maneira maior que da primeira vez, as mulheres eram convocadas até mesmo para ocupar papeis nas cenas de guerra, faltavam homens, mas não mulheres. Pela primeira vez a mulher se tornou um grupo essencial na sociedade entre guerras.

DEPUTADA DO PSL TUÍTA CONTRA GORDAS E FEMINISTAS E REVOLTA INTERNET

Mulheres passaram a trabalhar em fabricas, produzindo munição, assumiram o comando dos transportes, dos correios e trabalhando em repartições públicas. A campanha “We Can Do It!”, em tradução literal, nós podemos, foi lançada durante esse período convocando as mulheres para s serviços.

sso possibilitou um inicio da mulher dentro do mercado de trabalho europeu, e até mesmo americano, que necessitou do trabalho das mulheres também.

Após o fim da guerra, os homens retornaram para seus lares, o trabalho feminino foi substituído pelo masculino, apenas algumas mulheres continuaram em seus postos de trabalho, porem esse período possibilitou que algumas leis fossem alteradas, e a mulher passou a ter o direito de trabalhar sem necessitar da permissão do marido em território europeu

Esse momento foi o que deu início a Segunda Onda Feminista, que se inicio na década de 60, 20 anos após o fim da guerra. A mulher agora entendia a importância e possuía a necessidade de participar ativamente da sociedade em que vivia. Essa ânsia de reconhecimento social é o que leva a segunda onda a popularizar o feminismo no mundo todo. 

A segunda onda contou com a participação de novos grupos, como as mulheres negras que buscavam espaço e reconhecimento na sociedade, buscavam uma voz.

Marcha das mulheres pela igualdade – Nova York, 1970

As mulheres negras levaram para o movimento feminista a ideia de discriminação racial e socio econômica, dando ao movimento um novo eixo, agora sua luta era pela igualdade social e de direitos, que englobavam todas as mulheres. Durante esse período surge a ideia de coletividade, da força e união das mulheres.

O pano de fundo da segunda onda era de uma sociedade americana infeliz com seu governo, em busca de liberdade e direitos. O lugar ideal para uma ideia como o feminismo se fortalecer e dominar de uma vez por todas as mentes de todas as mulheres que se reconheceram como oprimidas de alguma maneira.

MACHISMO E ASSÉDIO NAS FACULDADES

Me Too! A Terceira Onda Feminista

Após a década de 60, o feminismo se tornou um movimento social com visibilidade mundial. Era possível notar que aquele pensamento de luta dominava a cabeça das mulheres, elas agora sentiam a necessidade de ser donas de si mesma, poder escolher cada aspecto de suas vidas sem a interferência de um homem ou de um Estado.

A partir da década de 90, a mulher passou a ter uma nova visão de feminismo. Seu eixo agora é a interseccionalidade, usado para se referir às diversas formas de opressão que uma mesma mulher pode sofrer, em função de sua raça, classe, comportamento ou orientação sexual.

Essa nova onda possibilitou a compreensão de que todas as formas de opressão são resultadas de construções sociais, é necessário descontruir esses estigmas da sociedade para alcançar sua liberdade.

Além disso ela surge em um período onde a tecnologia ganha força, a internet é uma novidade e pode ser usada como uma arma para a divulgação e entendimento da causa feminista.


O movimento #MeToo nasceu nos Estados Unidos e dominou o mundo

No século XXI, o feminismo ganha força online, ele começa a ser debatido em fóruns online e em redes socias, a divulgação do movimento é alta e com a dominância na internet a mídia abre espaço para esse pensamento. A internet torna o feminismo grande novamente.

A internet como meio possibilita a abrangência fácil de ideias, e é assim que surge o movimento online #MeToo. Ele ocorre após denunciarem Harvey Weinstein, um dos maiores produtores de Hollywood.

Ele foi acusado de abuso sexual e assedio sexual por uma atriz americana, Ashley Judd. Após a divulgação da notícia, várias atrizes se pronunciaram o Twitter, relatando seus casos de abuso e assedio e no fim colocavam a #MeToo. O movimento tomou conta de Hollywood e questões feministas foram abordadas durante o período do movimento.

O MIMIMI DO FEMINISMO

Com essa nova causa na internet, debates a respeito da importância do feminismo na vida das mulheres foram abertos e o movimento estava em foco na mídia, mostrando toda a sua luta e todas as suas questões.

A terceira onda, na era tecnológica é a certeza da continuidade do movimento feminista e a prova de que ele é forte e que ainda está presente na sociedade, buscando igualdade para as mulheres, o futuro do feminismo se mostra promissor com esse movimento.

A importância do Feminismo: Conclusão e outros detalhes

O movimento feminista é uma força de mudança comprovada, vários direitos para a mulher foram assegurados a partir dessa luta incessante e incansável de mulheres de várias gerações.

O poder de transformação social do movimento influencia não só nos aspectos da mulher, mas no da sociedade como um todo, nos últimos tempos o foco foi para além da mulher, ele foi para uma sociedade que está vivendo um momento delicado, uma sociedade que está se tornando precária.

Um exemplo do poder do movimento feminista em questões sociais e políticas ocorreu no Brasil, durante as campanhas para presidência. O movimento #EleNão, teve início dentro do feminismo, mulheres que enxergavam além de sua condição, que viam toda uma sociedade sendo ameaçada por um dos candidatos à presidência.

O movimento ganhou força, algo que começou na internet ganhou proporções nacionais e em poucas semanas parte do Brasil aderiu ao movimento. Algo que começou como uma ideia feminista dominou toda a sociedade que também compreendia os riscos de tal eleição.

O movimento ganhou repercussão internacional, e foi nos últimos tempos um dos maiores que já tomaram as ruas do país. Essa foi a prova de que o movimento atualmente serve como mobilizador social e adquiriu uma nova importância.

O feminismo é m movimento que durante séculos lutou para desmistificar uma imagem errônea criada da mulher, uma imagem que começou a muito tempo atrás, que foi transcrita na Bíblia, que foi consumida durante séculos e que se enraizou na mente do mundo.

A desconstrução das filhas de Eva é o verdadeiro objetivo do movimento, mostrar que a mulher não é o pecado original, não é objeto, não é propriedade de ninguém. Não vivemos uma eterna maldição de Deus, mas sim a eterna ignorância do homem perante nossa imagem

Atualmente, o feminismo é a melhor arma da mulher, não para vingança, mas para reparação. Ao longo das décadas o movimento busca reparar os danos que os homens cometeram as mulheres.

Prever o futuro é algo que se encontra no campo místico, a ciência ainda não pode vê-lo, porem uma coisa é certa a respeito dele: o feminismo continuara existindo em todos os futuros possíveis, pois é um movimento que cresce a cada dia, e passou a reparar não só as injustiças contra as mulheres, mas sim contra uma sociedade de injustiçados.

Por Luiza Nascimento – Fala! PUC

0 Comentários

Tags mais acessadas