Visconde do Uruguai, uma figura importante para a história brasileira
Menu & Busca
Visconde do Uruguai, uma figura importante para a história brasileira

Visconde do Uruguai, uma figura importante para a história brasileira

Home > Notícias > Política > Visconde do Uruguai, uma figura importante para a história brasileira

Nascido na França, em 1807, pai de Paulino de Sousa, grande nome da política brasileira, o Visconde do Uruguai foi uma figura decisiva para a história do Brasil. Sua carreira, contudo, é pouco conhecida pelos brasileiros e, muitas vezes, ignorada pelos livros de História. Por isso, a seguir, conheça o Visconde do Uruguai, sua trajetória política e seu papel decisivo dentro do País.

Conheça o Visconde do Uruguai, figura importante para a história e política brasileira.
Conheça o Visconde do Uruguai, figura importante para a história e política brasileira. | Foto: Reprodução.

Conheça o Visconde do Uruguai, uma personagem importante para a historia do Brasil

Paulino José Soares de Sousa (1807-1866) , o Visconde do Uruguai, representou  uma das figuras centrais na conjuntura da política Imperial Brasileira. Para muitos  estudiosos do pensamento social nacional, o autor supracitado pode ser considerado um dos grandes ideólogos do Partido Conservador e um dos maiores opositores intelectuais  dos liberais. 

Seus primeiros passos nos estudos foram realizados na província do Maranhão. Para melhor aperfeiçoar sua carreira intelectual, ingressou no curso de Direito de Coimbra, mas não conseguiu concluí-lo por motivos políticos, mesmas razões pelas quais foi preso. Ao sair do cárcere, retornou para o Brasil e finalizou os estudos na Faculdade de Direito de São Paulo. Atuou ativamente na magistratura, como juiz de fora  e ouvidor. Ademais, chegou a exercer o cargo de ministro do Supremo Tribunal de Justiça. Foi deputado no Rio de Janeiro, província na qual conseguiu ser nomeado como  presidente. 

Diante dos fatos supramencionados, percebe-se que o Visconde de Uruguai  foi uma figura eminente na política nacional do século XIX. Em vista disso, comenta Dorival Fagundes: 

Por todo este histórico, participou ativa e fundamentalmente em diversas decisões políticas do país, tais como: as negociações para o fim do tráfico de escravos no Brasil (ele era pessoalmente contra o tráfico, embora não defendesse o fim da escravidão) e as incursões das frotas britânicas em território nacional (…) Outra grande participação do Visconde, essa bem mais conhecida, se deu em um dos principais debates sobre as alternativas de estruturação administrativa, política e jurídica do Estado Brasileiro no Império, qual seja, a contenda entre o federalismo e a centralização (…) O maior expoente em defesa contundente da centralização do poder e da administração era o Visconde do Uruguai, tendo em Tavares Bastos o representante, por sua vez, da proposta liberal do federalismo, portanto, veemente contra o excesso de centralização que propunha o primeiro modelo. O Visconde considerava que a sociedade civil nacional da época não estava preparada para uma prática federalista aos moldes norte americanos, considerando, ainda, anárquico o modelo federalista praticado na América Hispânica.

Desse modo, é importante ressaltar o papel do Visconde do Uruguai nas oposições  e críticas às medidas liberais de descentralização político-administrativa, tomadas e  executadas durante o Período Regencial. Nesse sentido, Paulino José Soares de Sousa defendia o chamado “retorno à ordem”, disputando, assim, com inúmeros membros do Partido Liberal, sobretudo com Nicolau Pereira Vergueiro. Um dos argumentos  nevrálgicos de Uruguai consistia na chamada “adoção de modelos por derivação”, visto  que as ideias políticas a serem colocadas em prática devem levar em consideração as  particularidades e condições específicas de cada povo. Em seus anseios pelo federalismo,  os liberais, na perspectiva de Paulino, desconsideravam as nuances da realidade nacional e da conjuntura social. 

Dessa forma, lutavam por um “modelo político ideal”, o qual não  apresentava uma conexão com as necessidades da nação. Ademais, tamanho foi o perigo  das medidas liberais que, se não fosse pelo Regresso Conservador e pela atividade do  Imperador, o Brasil teria se dissolvido nas instabilidades e na desagregação oriundas das  revoltas regenciais e da falta de unidade. 

Em virtude da falha dos liberais, o Estado brasileiro foi incapaz de se impor como  autoridade, isto é, enquanto uma ordem jurídica soberana. Portanto, o governo não  conseguiu se estruturar como associação institucional de dominação, caracterizada pelo monopólio do uso da força (numa linguagem weberiana). Afinal, por que o tão  famigerado “modelo estadunidense do federalismo” apenas consolidaria a desordem?  

Uruguai era categórico na afirmação segundo a qual o povo brasileiro não possuía as  devidas condições e, sobretudo, maturidade para uma descentralização político administrativa aos moldes norte-americanos, visto que, além da ausência de um poder  político comprometido com a ordem pública, a realidade nacional era marcada pela  escravidão, pela inexistência do espírito comunal, pela pobreza do associativismo, pela  presença do analfabetismo, pela escassez do comunitarismo e, principalmente, pelo  déficit de educação política.  

Em suas tentativas de redução das atribuições do Estado, os liberais apenas  transfiguravam o poder derradeiro para os fazendeiros, isto é, para as elites agrárias,  ocasionando, assim, uma verdadeira “privatização do poder político”. Diante disso, o  Estado não assumiu seu poder devido e o povo ficou cativo dos interesses de grupos  privados. Em nome de uma suposta “liberdade”, os indivíduos se tornaram reféns do  poder particular. A superioridade do poder privado impossibilitou a supremacia do poder  público. Em vista disso, afirmou o próprio Uruguai:  

O que produziu todas as misérias da sociedade feudal na média idade, diz Tocqueville, foi estar o poder não somente de administrar, como também de governar, repartido entre mil mãos e fracionado por mil maneiras; a ausência de toda e qualquer centralização governamental impedia que as nações da Europa marchassem com energia para algum fim. (…) Somente do décimo século por diante, com a fusão dos elementos cristãos e germânico, começou o desenvolvimento da civilização moderna, cuja qualidade essencial é a unidade e a centralização. E por isso um dos maiores adversários da centralização na França, Bechard. De l’administration intérieure de la France, confessa que a centralização é o mais poderoso instrumento da civilização. É a mesma civilização, acrescenta ele.

Em virtude do que foi apresentado, o Visconde de Uruguai propôs um Estado  forte, centralizado e, sobretudo, com condições de impor a ordem e se consolidar como  autoridade soberana em prol do interesse público, já que a “democracia liberal  descentralizadora” apenas fomentou a influência dos fazendeiros e acarretou o atraso da  evolução do espaço público.

____________________________________________________

Por Leonardo Leite – Reaviva Mack – Universidade Presbiteriana Mackenzie

Tags mais acessadas