Saiba tudo sobre a Guiana Francesa: história, problemas e turismo
Menu & Busca
Saiba tudo sobre a Guiana Francesa: história, problemas e turismo

Saiba tudo sobre a Guiana Francesa: história, problemas e turismo

Home > Lifestyle > Viagens > Saiba tudo sobre a Guiana Francesa: história, problemas e turismo

E se eu te falasse que o Brasil faz fronteira com a França?! Você provavelmente não aceitaria essa afirmação de primeira. Mas não é fake news, pois o Brasil tem como vizinha a Guyane Française (Guiana Francesa). Esse pequeno território coberto de floresta equatorial ao norte de nosso país pertence à República Francesa. Mas, apesar da proximidade, a maioria de nós sabe bem pouco sobre os nossos vizinhos.

Localização da Guiana Francesa
Localização da Guiana Francesa na América do Sul. | Foto: Wikimedia.

Ils sont français

Isso aí, eles são franceses. O território da Guiana Francesa já era habitada por colonos franceses desde 1644, tendo (durante o período anterior e posterior a esta data) sido invadida por outras potências europeias e até anexada ao então Reino Unido de Brasil, Portugal e Algarves. Muitas das incursões europeias na região se davam pela crença da existência de ouro, o mito do El-Dorado.

Rivière de La Comté, um dos afluentes do rio Mahury. | Foto: Wikimedia.

Até dois anos antes de ser incorporada ao território francês (perdendo assim o status de colônia) em 1947, a região foi utilizada como uma prisão para criminosos comuns e políticos pelo governo da metrópole.

Os avanços sociais oriundos da Revolução Francesa não atingiram a colônia, que teve a escravidão como prática legal até 1848 (oscilando com alguns períodos de proibição, mas apenas em 1848 foi definitivamente abolida).

Floresta equatorial
Floresta equatorial perto de Cacao. | Foto: Wikimedia.

Atualmente, a Guiana Francesa é um departamento ultramarino francês, devidamente incorporado ao território da nação europeia. Ou seja, os guianenses têm direito à cidadania francesa, representação na Assembleia Nacional da França (2 deputados) e no Senado Francês (2 senadores), além de poderem votar na eleição presidencial francesa e nas eleições para o Parlamento Europeu.

Principais Informações

Mapa da Guiana Francesa
Mapa da Guiana Francesa, mostrando as principais do departamento francês. | Foto: Wikimedia.

A capital da Guiana Francesa é Cayenne (Caiena), que também é a maior cidade e o ponto de chegada da maioria dos turistas. O clima da região é o equatorial, já a vegetação é a Floresta Amazônica (floresta equatorial compartilhada com o Brasil e outros países da América do Sul).

Cayenne Guiana Francesa
Fachada do Conseil Général de Cayenne. | Foto: Wikimedia.

Em termos de população, maior parte dos guianenses é católica e crioula (população de ascendência europeia e africana). A língua oficial é o francês, embora muitas pessoas utilizem no dia a dia o crioulo da Guiana Francesa (língua baseada no francês, inglês, português, espanhol, além de dialetos africanos e indígenas).

Como a região faz parte da França, por consequência é também parte integrante da União Europeia. Por isso, usa o euro como moeda oficial.

Uma história marcada pela imigração

Um aspecto interessante da história da Guiana Francesa é o fato de grande parte da população da região ser descendente de imigrantes. Além dos franceses (colonos europeus) e dos africanos (trazidos como escravos), outros povos vieram em ondas migratórias para o departamento francês.

Entre as décadas de 1970 e 1980, vários refugiados da etnia Hmong oriundos do Laos migraram para a Guiana Francesa, no contexto da Guerra do Vietnã. Já no final da década de 1980, cerca de 10 mil refugiados surinamenses, fugindo da Guerra Civil do Suriname, imigraram para o país.

Cacao Guiana Francesa
Mercado na cidade de Cacao, onde maior parte da população é de origem Hmong. | Foto: Wikimedia.

Mais recentemente, a imigração por motivos econômicos têm se intensificado, já que a região é uma parte da União Europeia. Nos últimos anos, um número expressivo de haitianos migraram para a região (devido à familiaridade com o idioma, o francês também é o idioma oficial do Haiti). Mas brasileiros também estão cruzando a fronteira, a maioria garimpeiros à procura de ouro.

Problemas sociais

Apesar de fazer parte do território de um país rico e pertencente à UE, a Guiana Francesa enfrenta problemas muito parecidos com os seus vizinhos fronteiriços. O departamento apresenta taxas de criminalidade e pobreza mais altas que a França metropolitana e que outros territórios ultramarinos do país.

ilha do Diabo
Île du Diable (ilha do Diabo), usada como prisão pelo governo francês até 1945. | Foto: Wikimedia.

A região também enfrenta grandes problemas com imigração ilegal, já que muitos nacionais de países vizinhos adentram as fronteiras cobertas de florestas da região e, assim, têm acesso a um pedaço da UE.

Fora o número gritante de garimpeiros, em maioria brasileiros, que cruzam a fronteira para explorar ilegalmente ouro, o que gera um enorme problema ambiental para o departamento francês.

Lugares que valem a pena conhecer

Cayenne

Cayenne
Avenue du Général Charles de Gaule, uma avenida em Cayenne. | Foto: Wikimedia.

A maior cidade e também capital do departamento francês é o ponto de entrada para os turistas vindos de avião. Apesar de ser a maior cidade da região, não espere vivenciar engarrafamentos, grandes aglomerações ou coisas do tipo, Cayenne tem uma vibe muito mais tranquila.

Na capital, existe uma série de lugares que você, com certeza, gostaria de conhecer: a Place des Palmiste (a principal praça da cidade), o Musée Départemental (museu de história natural, arqueológica e etnográfica local), o Fort Cépérou (forte que remonta o período colonial de Cayenne) e a Catedral de Saint-Sauveur.

Îles du Salut

Îles du Salut
Île Royale, uma das que constituem o arquipélago das Îles du Salut (Ilhas da Salvação). | Foto: Wikimedia.

Uma arquipélago formado por três ilhas: Île Royale (Ilha Real), Île du Diable (Ilha do Diabo) e Île Saint-Joseph (Ilha de São José). É um dos pontos turísticos mais procurado da Guiana Francesa. As três ilhas, que ficam a apenas 14 km de Kouru e fazem parte da comuna de Cayenne, apresentam um cenário maravilhoso para férias de verão.

Cacao

Cacao
Rua na vila de Cacao, percebe-se a influência Hmong na arquitetura da cidade. | Foto: Wikimedia.

É uma vila ao sul de Cayenne, majoritariamente povoada por descendentes dos imigrantes Hmong. Devido à composição étnica da população, a vila mantém características arquitetônicas e culturais muito próximas do país de origem dos imigrantes.

A vila cercada pela floresta equatorial é a oportunidade de vivenciar um pouco do Oriente na América do Sul, sendo o mercado de Cacao uma boa opção de passeio. Cabe ressaltar que por ser uma vila muito pequena (em 2007 a população local era de 750), o destino é ótimo para quem busca se desligar um pouco do ritmo agitado que vivemos.

___________________________________
Por Jefferson Ricardo – Fala! UFPE

Tags mais acessadas