Menu & Busca
Ocupar e Resistir: estudantes ocupam prédio da PUC SP

Ocupar e Resistir: estudantes ocupam prédio da PUC SP

Por Bruna de Rezende Braz Carmagnani – Fala!PUC
Fotos: Reprodução Facebook


Alunos ocupam o espaço universitário contra o racismo institucional. PUC-SP mais uma vez mostra sua resistência histórica

Os alunos da PUC-SP (Pontifícia Universidade Católica de São Paulo) ocupam, desde o dia 21/05/2018, o espaço universitário no campus de Perdizes, após a reitoria afirmar que não contrataria a professora negra Marcia Eurico, substituta no curso de Serviço Social. A professora seria a primeira docente negra do curso em 80 anos de existência.

Os alunos do CASS (Centro Acadêmico do curso de Serviço Social) ocuparam na noite de segunda-feira, dia 21, o chamado prédio velho da universidade e, às 05h da manhã de quarta-feira, dia 23, emitiram uma nota que o prédio novo estava ocupado, confirmando a paralisação da PUC-SP no campus Perdizes.

“Entendemos a ação como uma resposta às agressões sofridas durante a ocupação, ameaçando a resistência, a segurança dos alunos e o atendimento das pautas exigidas” escrevem os alunos em nota oficial do CASS.

Fotos: Reprodução Facebook

A demanda pela contratação da professora substituta vai além de ser apenas uma admissão. É, na verdade, um confronto ao racismo institucional vigente na universidade – esta que, por sua vez, possui 430 professores e, desses, somente 5 são negros.

[read more=”Leia Mais” less=””]

A reitoria disse que não houve demissão de professor: “O que aconteceu foi que a professora em questão foi contratada para cobrir uma licença médica e o término da contratação se encerrou com o retorno da professora afastada”.

Em nota, a reitoria não se pronunciou sobre a contratação efetiva de mais professores negros para seu corpo docente, e sim sobre programas sociais já existentes com o quesito racial como, por exemplo, o programa “Inclusão social: cotas étnico-raciais”, para a concessão de bolsa de estudo na pós-graduação stricto sensu, existente desde o segundo semestre de 2017.

Nas primeiras horas de ocupação, o professor Luis Volpato, docente da FEA, ameaçou verbalmente e fisicamente uma das alunas que compõe a ocupação. Em nota, o CASS ressalta que a agressão física não ocorreu por culpa dos próprios alunos, que fizeram uma barreira humana pois temem a criminalização dos alunos que permanecem ocupando a universidade.

Demais cursos da PUC-SP emitiram notas em apoio a ocupação, como o C.A. 22 de Agosto de Direito, a Assembleia de estudantes de Psicologia, o C.A. Benevides Paixão de Jornalismo, entre outros.

Para dar rumo a ocupação, Assembleias Gerais estão sendo convocadas pelos Centros Acadêmicos 22 de Agosto e de Relações Internacionais na noite do dia 23/05/18.

[/read]

Quer se tornar um colaborar e escrever para o fala?
Saiba como

1 Comentário

  1. Edgar Delgadillo
    1 ano ago

    Se foi contratada para substituir, uma vez concluído o prazo é ético permitir que o titular reassuma a função.
    Sobre a contratação, não deve ser nada gratificante para um professor ainda mais universitário, ser contratado à margem da meritocracia.

Tags mais acessadas