Protagonismo científico: 5 descobertas da ciência em 2020
Menu & Busca
Protagonismo científico: 5 descobertas da ciência em 2020

Protagonismo científico: 5 descobertas da ciência em 2020

Home > Notícias > Urbano > Protagonismo científico: 5 descobertas da ciência em 2020

Indiscutivelmente, o grande protagonista do ano de 2020 foi o Covid-19. Olhos por todos os cantos do planeta voltaram-se à Ciência e a esperança da descoberta da vacina. Entretanto, para além do contexto pandêmico, diversas descobertas científicas brilharam no ano que passou. Acompanhe a lista com 5 descobertas científicas de 2020 e engrandeça o papel da ciência para muito além da pandemia.

ciência
Confira 5 descobertas da ciência em 2020. | Foto: Reprodução.

Ciência: descobertas em 2020

1- Recife de coral mais alto do que o Empire State Building

Uma equipe de cientistas a bordo do navio de pesquisa Falkor do Schmidt Ocean Institute (SOI), grupo sem fins lucrativos com sede na Califórnia, deparou-se, em outubro de 2020, com um surpreendente recife de coral, mais alto do que o famoso arranha-céu nova-iorquino, Empire State Building, na Grande Barreira de Corais da Austrália.

A recém-descoberta, primeira desse tipo em mais de 120 anos, mede até 500 metros de altura e profundidade mínima de 40 metros. Pesquisadores utilizaram um robô subaquático para explorá-lo e mapeá-lo em 3D, com toda essa operação transmitida ao vivo no canal do YouTube do SOI.

2- Descoberta do mais antigo crânio de Homo erectus na África do Sul

Realizada em abril de 2020, uma expedição a noroeste de Joanesburgo, na África do Sul, resultou na descoberta de que a espécie Homo erectus é mais velha do que se imaginava.

Até então, a comunidade científica datava os Homo erectus em cerca de 2 milhões de anos, porém a análise de partes de um crânio extraídos de rochas no continente berço da humanidade levou os especialistas a crerem que a espécie viveu entre 100 mil e 200 mil anos antes.

Tudo isso representa mais um importante passo na caminhada de pesquisadores rumo à compreensão da árvore genealógica da espécie humana.

3- Primeiros fósseis de embriões de tiranossauros

Popularmente conhecidos, a espécie de dinossauros Tiranossauro caracteriza-se por animais topo de cadeia e de grande porte. Entretanto, pesquisadores em análise de ossadas de uma garra desenterrada no Canadá e um maxilar inferior nos Estados Unidos revelam que os bebês de tiranossauros eram extremamente pequenos quando comparados aos adultos.

Os vestígios datam cerca de 71 a 75 milhões de anos atrás e permitiram aos especialistas traçar perfis sobre os embriões de tiranossauros, como o tamanho de seus ovos e a alimentação dos famosos predadores nos primeiros anos de vida, até então, desconhecidos.

4- Bactérias que se alimentam de metal

Microbiologistas do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech) descobriram um tipo de bactéria que se alimenta e obtém suas calorias a partir de metal. O experimento que resultou nessa descoberta ocorreu de forma inusitada, acidentalmente. Doutor Jared Leadbetter, do Caltech,  em meio a outros estudos que realizava, descobriu microrganismos que haviam produzido manganês oxidado dentro de um frasco. 

Os estudos revelam que essas bactérias podem usar o manganês para converter dióxido de carbono em biomassa. Além disso, acredita-se que esses organismos recém-descobertos ajudarão a compreender o fenômeno dos nódulos de manganês, grandes bolas metálicas encontradas no fundo do mar, que contêm metais raros e pouco se sabe sobre. 

5- Pesquisadores desenvolvem teste capaz de identificar câncer antes dos sintomas

Na China, uma equipe de pesquisadores produziu um novo exame sanguíneo que pode detectar 5 tipos de câncer com até 4 anos de antecedência quando comparado aos métodos tradicionais.

Dentre os 5 tipos da doença que são detectáveis pela descoberta, os cientistas basearam-se nos que apresentam as mais altas taxas de incidência em Taizhou, cidade base da pesquisa. O exame realiza uma avaliação das modificações do DNA a partir da adição de um grupo metil ao código genético do tumor no corpo e vem apresentando eficácia de cerca de 95%.

__________________________________
Por Fernanda Aranha – Fala! Mack

Tags mais acessadas