Opinião: Como o cristianismo influenciou a moda através dos séculos?
Menu & Busca
Opinião: Como o cristianismo influenciou a moda através dos séculos?

Opinião: Como o cristianismo influenciou a moda através dos séculos?

Home > Entretenimento > Cultura > Opinião: Como o cristianismo influenciou a moda através dos séculos?

O mercado da moda — que envolve vestuário, maquiagem, acessórios e semelhantes — é um dos mais lucrativos que existem e um dos mais polêmicos também. O que torna este mercado tão interessante e atrativo? O desejo e a necessidade de sentir-se belo(a), é o querer ser ou se parecer com aquela pessoa a quem admiramos e o poder de seduzir que a moda oferece. Esse é o poder e o segredo por trás do mercado da beleza.

​O novo belo

O padrão de beleza evoluiu com o passar dos séculos? A resposta é sim!

O “belo” de hoje não é o “belo” de séculos atrás. Eu me lembro de uma aula de História e de Artes em que a professora comentou sobre isso. No livro didático, havia a foto de uma modelo no século XX e uma imagem de barro de uma mulher, provavelmente dos primeiros séculos. A diferença entre as duas era gritante. 

Na primeira imagem, uma mulher magra, bem vestida e cheia de maquiagem. Já a outra imagem, era uma espécie de mulher feita de barro e de grandes proporções. Todas as duas imagens representavam o ideal de beleza da sociedade de sua época. Evidentemente, nós escolhemos o padrão do século XX.

A beleza da mulher dos primeiros séculos era valorizada não por seu corpo escultural, mas por sua capacidade reprodutora. A mulher mais bela era aquela com os quadris mais avantajados e os seios maiores devido ao número de filhos, que a levavam a ter um corpo mais “cheio”. Já nos últimos séculos, o padrão de belo é baseado em mulheres mais magras e bem vestidas, influenciadas pela cultura europeia.

O padrão de beleza, portanto, muda conforme a sociedade muda. Grande parte devido à forte influência das religiões, do clima e das culturas características de cada país (e regiões). No Brasil, que é um país continental, por exemplo, você tem diferentes tipos de moda. Em Manaus, onde eu moro, jamais me vestiria como um gaúcho. No entanto, quando eu visitei a Serra Gaúcha em 2019, fui forçado a me vestir seguindo os padrões do local. Da mesma forma, quando um paulista vem para Manaus, a primeira coisa que ele faz é pensar: “Eu deveria ter trazido uma bermuda”. Chega a ser engraçado, mas é assim que as coisas funcionam.

A formosura é uma ilusão, e a beleza acaba, mas a mulher que teme o Senhor Deus será elogiada.

Provérbios 31:30.

O princípio básico de toda roupa é: cobrir a nudez e proteger do frio ou do calor. Os demais usos são acessórios a este e têm relação com o mercado da moda, que é um dos mercados que mais cresce. Com o tempo, o assunto tornou-se muito mais abrangente. Quando se fala em moda, estamos falando da relação com a cultura, a religião, os fatores climáticos e outros tantos.

O mercado da moda transcende os limites pessoais e está diretamente ligado aos valores culturais, religiosos e familiares.

moda
Saiba como o cristianismo influenciou a moda através dos séculos. | Foto: Reprodução.

​O cristianismo e a moda

A religião influencia na moda e, da mesma forma, a moda influencia na religião. 

A religião cristã, que professa Jesus Cristo como Senhor e Salvador, é uma das mais influentes quando se trata do assunto. Diferentemente de religiões mais tradicionais, como as religiões árabes, por exemplo, o cristianismo abraçou os valores da moda de forma mais efetiva. A revolução não foi imediata, mas foi mais rapidamente absorvida. 

Na metade do século XX ainda imperava o pensamento de que não era permitido para as mulheres usar calça jeans. Com as revoluções feministas e a luta pela igualdade de direitos o uso tornou-se quase que obrigatório. Na luta por direitos iguais, o mercado da moda foi igualmente afetado.

A grande luta das religiões não é com a moda. Veja bem, não há perigo em querer se vestir bem para agradar a si mesmo ou outras pessoas, ou usar acessórios e brincos para chamar atenção e valorizar as partes mais belas do rosto e do corpo. O problema não é este. A raiz do problema tem a ver com os sentimentos e desejos que a moda transmite.

Nas religiões árabes tradicionais, a moda serve para proteger do frio e do calor e não expor além do permitido, criando desejos e tentações. O cristianismo tem a mesma visão, porém menos tradicional em relação à vestimenta destes povos. 

Uma roupa não deve ser usada com o intuito de “defraudar” um irmão. As roupas servem para proteção e bem-estar. Existem vários tipos de roupa e precisamos usar conforme o ambiente pede. Em um evento mais casual, uma roupa mais e uma maquiagem mais leves, já para eventos como festas de casamento, os cuidados com a aparência precisam ser redobrados.

O problema da moda é a vulgarização e o sensualismo existente. Não há problemas em usar uma roupa mais curta desde que esta não ultrapasse os limites. E como sabemos se está sendo vulgar? É uma pergunta difícil e não existe uma resposta correta. Por isso que muitas denominações cristãs adotaram um certo legalismo para o tema. Assim há o surgimento da cultura das “saias compridas”, das abayas (vestidos longos) e hijabs (lenços). Dessa forma, elimina-se o problema. Porém, cria-se um novo.

A mulher de provérbios 31

A bíblia relata que a beleza de uma mulher não deve estar centralizada em sua beleza exterior, mas naquilo que está dentro dela. Da mesma forma, os homens não devem se preocupar com sua aparência demasiadamente. A beleza deles está em um coração que busca agradar ao Senhor.

A mulher de Provérbios 31 é a mulher dos sonhos. Nos poucos versículos da bíblia, entendemos que a beleza desta mulher estava em seus feitos e no cuidado para com a sua família. A beleza é enganosa e a formosura acaba. O que permanece é aquilo que se conquista, com o coração, com o cuidado. 

A rainha Ester foi escolhida em um concurso de beleza. Ester era miss. Mas, ainda assim, a escolha do rei Xerxes foi o exterior, mas Deus escolheu Ester pelo seu interior, porque sabia que ela poderia cumprir com uma missão especial: evitar a destruição do povo e ajudar na reconstrução dos muros de Jerusalém da época de Neemias (não se sabe se era ela a rainha que estava ao lado do rei em Neemias 2:6, mas presume-se que sim).

Ester não foi escolhida por Deus por ser a mais bela, mas por ser a mulher de Provérbios 31.

Quais são as marcas desta mulher? 

  • Trabalhadora
  • Forte
  • Cuidadora dos filhos, do marido e do lar
  • Preocupada em agradar ao seu marido e cuidar dos filhos
  • Empreendedora
  • Valorizada pelo que faz e o que é

​O que importa é o que está dentro

Quando Samuel foi ungir Davi como rei de Israel, ele ficou impressionado com a aparência e a beleza dos irmãos de Davi. Eram homens fortes e valentes e belos. Aliás, Saul foi escolhido pela sua beleza e força física e não pelo seu caráter. Entretanto, Deus rejeitou cada um deles. E disse a Samuel: não se impressione com a beleza deles, mais importa o interior. 

Deus não usa o exterior como critério de escolha. O próprio Jesus era “feio”. O profeta Isaías nos fala que Jesus era uma pessoa comum e não havia nada de extraordinário em seu físico. 

Quem escolhe por beleza, terá de aturar o caráter. Não quero dizer que quem é mais belo tem problemas de caráter. Mas, infelizmente, ainda existem casos de moças lindíssimas que não possuem caráter, que valorizaram a construção do exterior deixando de lado o interior. Conheci muitas assim em minha vida. 

Para fechar, conta-se a história de uma garotinha de 7 anos. Vamos chamá-la de Ana. Ana tinha 2 irmãs que tinham olhos azuis. Ana, porém, nasceu com olhos castanhos. Certo dia, ela aprendeu que poderia orar e Deus atenderia aos seus desejos. Ela orou e pediu a Deus para ter olhos azuis como os das suas irmãs. Deus não atendeu aquela oração. Ana se frustrou com Deus, mas decidiu aceitar a oração não atendida. Quando Ana estava com 25 anos de idade foi servir em uma missão evangelística em um país estrangeiro. Ela e seus amigos estavam sendo perseguidos e precisaram se esconder e disfarçar. Ao fim da missão, já no retorno para casa, uma de suas amigas olhou para ela e disse: — Ainda bem que você não tem olhos azuis como as suas irmãs. Caso contrário, poderíamos ter sido descobertas. Naquele momento Ana entendeu que Deus faz tudo perfeito e que ela não precisava de olhos azuis para ser feliz. Sua beleza estava na forma como Deus a havia formado. 

Você é uma criação única de Deus. Não se esqueça disso.

_____________________________________
Por Paulo Machado – Fala! Universidade Federal do Amazonas

Tags mais acessadas