NFL Draft: conheça a estrela Najee Harris, RB1
Menu & Busca
NFL Draft: conheça a estrela Najee Harris, RB1

NFL Draft: conheça a estrela Najee Harris, RB1

Home > Notícias > Esporte > NFL Draft: conheça a estrela Najee Harris, RB1

Conheça Najee Harris, Running Back de Alabama, que já entrará para a NFL com status de ‘estrela’

Najee Harris
Najee Harris, Running Back de Alabama. | Foto: FanSided.

Nascido em 9 de março de 1998, na pequena cidade de Martínez, no estado americano da Califórnia, Najee Jerome Harris é considerado o melhor Running Back saindo do College Football dos últimos anos, e tem tudo para explodir na NFL desde seu primeiro Snap, sendo capaz de transformar o ataque da equipe que o selecionar, seja ela qual for.

As características que tornam Najee Harris tão especial 

Com 1,88 m e 104 kg de pura força física, Najee Harris faz jus ao apelido de ‘aberração da natureza’ ou ‘um Derrick Henry mais compacto’ a cada tentativa de corrida. Apesar de todo seu tamanho, Harris é um corredor extremamente explosivo, que mesmo não tendo uma velocidade acima da média, como seu companheiro de classe de Draft, Travis Etienne, consegue mudar de direção com muita facilidade e agilidade.

Evidentemente, é quase impossível parar Najee no primeiro contato, por conta da força física que o Running Back possui, mas não apenas por isso. Harris consegue ser um corredor extremamente escorregadio, com uma visão acima da média, capaz de atacar qualquer espaço criado por sua linha ofensiva, mesmo sendo, muitas vezes, uma janela mínima. 

Além de sua habilidade correndo com a bola, Najee ainda é muito bom bloqueando para o passe e possui excelentes mãos, sendo muito útil no jogo aéreo, conseguindo correr boas rotas e tendo poucos drops, sendo uma peça que qualquer Quarterback gostaria de ter ao seu lado no backfield. Um combo de força, explosão, agilidade e proficiência no jogo aéreo são algumas das características que tornam Najee Harris um protótipo de Running Back raro e extremamente valioso.

Onde tudo começou: High School Football 

Desde o início de sua carreira no futebol americano, voltando aos tempos de ensino médio, Najee Harris se acostumou a passar por cima de seus adversários. Em seu primeiro ano, retornando para o já longínquo ano de 2013, não recebeu tantas oportunidades, e participou de apenas cinco jogos pela sua escola, a Antioch High School, na cidade de Antioch, Califórnia. Registrou apenas 165 jardas corridas e um único touchdown.

Porém, a partir de 2014, começou a dar sinais de que era um jogador diferenciado, apesar da pouca idade. Foram 2263 jardas e 23 touchdowns em onze jogos disputados. Em 2015, 2744 jardas e absurdos 36 touchdowns, em 12 jogos. Em 2016, no seu último ano jogando pelo High School, foram 34 TDs e 2776 jardas terrestres, estabelecendo-se como o melhor Running Back de todo o país no ensino médio.

futebol americano
Najee Harris (de branco) durante partida no High School. | Foto: San Francisco Chronicle.

Para a Scout.ESPN, Harris era o melhor corredor da classe de 2017 que iria para a universidade, e terceiro melhor atleta de modo geral. A 247 Sports o tinha ranqueado como número dois geral, e a Rivals o tinha como o melhor jogador do país, envolvendo todas as posições do futebol americano. Em todos os rankings, foi considerado um Recruta 5 Estrelas, sendo esta a avaliação mais alta que um atleta saindo do colégio pode receber.

Najee Harris atraiu a atenção dos maiores programas de futebol americano do país, e recebeu ofertas de universidades como Michigan, Ohio State, Alabama, Notre Dame e USC (University of South California). Dentre tantas possibilidades, optou por ingressar na Universidade do Alabama, e tornar-se um jogador do Crimson Tide. Comprometeu-se com a universidade em 2015, um ano antes de encerrar sua passagem pelo ensino médio.

Najee foi e ainda é considerado um dos Running Backs que geraram maior expectativa saindo do High School, e para muitos especialistas, a sua principal comparação era com nada mais, nada menos que Adrian Peterson, um dos maiores corredores da história do futebol americano. Por coincidência ou não, Harris recentemente afirmou no podcast do jornalista americano, Adam Schefter, que o seu grande ídolo no esporte é justamente Adrian Peterson.

O domínio de Najee Harris jogando em Alabama 

Em seu primeiro ano jogando pelo Crimson Tide, como de costume nas grandes universidades, Najee não recebeu tantas oportunidades e dividiu carregadas com Damien Harris e a antiga estrela do jogo corrido da universidade e atual titular do Las Vegas Raiders, Josh Jacobs. Foram 370 jardas em 61 carregadas, com uma média muito boa de 6,1 jardas por tentativa. 

Em seu segundo ano, com Josh Jacobs ainda comandando o ataque terrestre de Alabama, Harris voltou a receber poucas oportunidades, ainda sendo a terceira opção da posição. Mesmo assim, foram 783 jardas em 117 carregadas e quatro touchdowns. Seu grande jogo veio contra Arkansas State, no qual passou das 130 jardas em apenas 13 carregadas.

Com Josh Jacobs e Damien Harris a caminho da National Football League, a hora de Najee Harris havia finalmente chegado. Todas as expectativas criadas sobre um dos melhores prospectos da classe de 2017 começaram a ser demonstradas em campo, quando o camisa 22 passou a ser o Running Back titular de sua equipe.

Najee Harris alabama
Najee Harris com o uniforme de Alabama. | Foto: Alabama Crimson Tide.

Em 2019, passou das 1200 jardas, anotou 13 touchdowns corridos, e ainda recebeu 27 passes para 304 jardas e sete TDs. Mesmo sendo elegível para o Draft de 2020, Harris optou por voltar para Alabama e jogar sua última temporada no College. Foi na temporada 2020/21, que Najee Harris lembrou a todos do porquê foi considerado um dos melhores do país quando saiu do ensino médio.

Em partida contra Ole Miss, anotou impressionantes 206 jardas terrestres e cinco touchdowns. Porém, esse desempenho não se limitou a um jogo e, sim, se estendeu ao longo de toda a temporada. Najee fez parte de um fortíssimo time de Alabama em 2020, que acabou se sagrando campeão nacional, tendo em seu Running Back, uma das maiores estrelas da temporada no futebol americano universitário.

Na semifinal, Alabama enfrentou Notre Dame e venceu por 31 a 14. Najee terminou a partida com 125 jardas em 15 tentativas de corrida e uma absurda média de 8,3 jardas por carregada. Não anotou nenhum touchdown, mas proporcionou um dos maiores momentos da temporada do College Football, ao aplicar um hurdle (jogada na qual o jogador com a posse da bola, pula por cima de um defensor que esteja tentando o derrubar) sobre um defensor de Notre Dame.

NFL
O hurdle de Najee Harris contra Notre Dame. | Foto: CNN.

Na grande final, Najee Harris proporcionou um último show antes de deixar Alabama e ir para a NFL. Correndo com a bola, foram apenas 79 jardas, mas ainda anotou dois TDs. Porém, foi com suas habilidades como recebedor que Harris castigou a defesa de Ohio State. Foram mais 79 jardas, em 7 recepções e ainda marcou mais um touchdown, após belo passe de Mac Jones. Alabama se sagrou campeã após vencer Ohio State por 52 a 24 e Najee Harris terminou a temporada quebrando recordes de toda a história de Alabama Crimson Tide, tornando-se o novo líder de jardas corridas, jardas de scrimmage (terrestres e aéreas somadas) e touchdowns.

Nos últimos anos, tem sido cada vez mais incomum Running Backs serem escolhidos na primeira rodada do Draft. Porém, Najee Harris provou não ser um jogador comum e é praticamente certo que sairá no primeiro dia do Draft. Principais candidatos? Miami Dolphins com 18ª escolha e Pittsburgh Steelers com a 24ª. Apesar destas previsões, o Draft é extremamente incerto, absolutamente qualquer coisa pode acontecer, mas um fato já é mais do que certo: a equipe que tiver a sorte e a oportunidade de selecionar Najee Harris, estará adquirindo um candidatíssimo a se tornar um dos melhores Running Backs da liga.


*Nós, do projeto Esporte em Pauta, estamos realizando uma parceria com o Fala!; se quiser ter acesso a mais conteúdos sobre os mais variados esportes, procure nossa página no Instagram (@esporte_em_pauta) e no Twitter (@EsportePauta).

______________________________
Por Filipe Saochuk – Fala! PUC-SP

Tags mais acessadas