Laís Vilela, ex-colaboradora do Fala! Universidades, lança seu primeiro livro
Menu & Busca
Laís Vilela, ex-colaboradora do Fala! Universidades, lança seu primeiro livro

Laís Vilela, ex-colaboradora do Fala! Universidades, lança seu primeiro livro

Home > Notícias > Urbano > Laís Vilela, ex-colaboradora do Fala! Universidades, lança seu primeiro livro

Ex-colaboradora do Fala! Universidades e publicitária formada em 2014, Laís Vilela Pinese lançou seu primeiro livro, Pasta de couro com folhas sem linhas, em 2020. Apesar dos anos de faculdade terem a incentivado à escrita, os desejos de ser escritora surgiram quando Laís ainda era criança e fazia Kumon de português.

No Mackenzie, onde se formou em Publicidade e Propaganda, teve sua primeira coluna literária, no blog de seu amigo. Com isso, no Amigo Colorido, Laís recebeu livros de algumas editoras, como a Companhia das Letras e a Planeta, para fazer resenhas. Isso, por sua vez, também estimulou a vontade de produzir seu próprio livro.  

Agora, em entrevista exclusiva, a publicitária conta como foi o processo de criação do livro. Além disso, revela suas tramas e explica alguns temas que são abordados em Pasta de couro com folhas sem linhas. Confira a seguir.

Pasta de couro com folhas sem linhas, de Laís Vilela

Processo de criação do livro

Apesar de ser lançado em dezembro de 2020, o processo de criação do livro nasceu muito antes disso. Laís tinha alguns esboços focados em diálogos, feitos quando tinha 17 anos – uma década depois, os fragmentos foram recuperados e utilizados em Pasta de couro com folhas sem linhas. Dessa forma, dentre a seleção, Vilela recuperou cerca de 10 páginas para compor a narrativa do livro.

Eu tinha escrito alguns esboços de histórias antigas mais focadas em diálogos quando tinha 17 anos. Deixei isso solto e, com o passar dos anos, fui me distanciando. Quando esse desejo de escrever ficou extremamente latente, dez anos depois, fui em busca desses fragmentos, mas já estava certa da história que gostaria de escrever dessa vez.  

Revelou.

Já com relação à rotina de escrita, o processo ficou longe da facilidade. Afinal, a publicitária trabalhava e não tinha como se dedicar integralmente ao livro.

Para desenvolver, eu sabia que precisa me dedicar a isso. Procurei organizar uma rotina de escrita, depois do trabalho, de noite. Escrevo muito de madrugada, não é bom para a rotina, que fica meio bagunçada, mas parece que é o momento que sinto mais produtiva como escritora.

Trama de Pasta de couro com folhas sem linhas

De acordo com a autora, o livro conta a trajetória de uma publicitária recém-formada, inserida no mercado de trabalho. Na narrativa, toda a motivação da personagem é posta em xeque por situações corriqueiras, tanto no âmbito profissional quanto pessoal.

Sendo assim, “a história é contada pela consciência da personagem principal, buscando entender o que aconteceu e como pode se ajudar, já que está em um limbo existencial”. 

Por outro lado, a trama não deixa de conter episódios divertidos e diálogos acolhedores. Apesar de um enredo marcado pelo drama, Pasta de couro com folhas sem linhas também revela as prioridades do mundo contemporâneo.

Outro ponto relevante na história é a saúde mental. Dessa maneira, Laís discorre sobre a terapia e como ela pode amenizar ou ressignificar dores e anseios.

Somos uma geração de ansiosos. O meu livro conta justamente sobre isso, como momentos de desmotivação, angústias e tristeza podem ser, às vezes, um divisor de águas para buscarmos nossa voz interior e nos preocuparmos mais conosco, nossa sanidade, o que realmente importa e vencermos as barreiras que nos cercam em busca de uma vida com propósito dentro da nossa realidade. 

A personagem principal, por sua vez, possui “gostos e experiências de vidas particulares”, apesar de Caterina se assemelhar em muitos aspectos com a autora. Para Laís, “o tema principal é um drama que eu vivi (…). Eu me vejo muito nela, com questionamentos e reflexões parecidas, mas não idênticas”.

Por fim, Pasta de couro com folhas sem linhas também é um livro em que o amor próprio ganha seu protagonismo e mostra sua importância.

Não deixa de ser um romance entre uma pessoa que despertou de vez para o amor próprio e percebeu que estabelecer determinados limites é uma questão primordial.

Admite a autora.

Assim, para comprar o livro, clique aqui!

Inspirações de Laís Vilela

Por mais que não possua alguém específico que a inspirou no desenvolvimento da trama de Pasta de couro com folhas sem linhas, Laís alerta que alguns escritores a “aproximaram da visão mais materializada do que eu me identifico”. Dentre os favoritos da autora, destacam-se Agatha Christie, Marian Keyes e Sidney Sheldon.  

Aliás, outro ponto que Laís destaca é sua experiência como escritora e a consequente descoberta de novas narrativas. Além disso, como meta para 2021, ela reforça que quer ampliar sua leitura e priorizar escritores brasileiros.

O que posso afirmar é que me sentir mais próxima desse universo escrevendo, e não como leitora, me impactou diretamente em novas descobertas. Estou priorizando ler mais autores brasileiros, fiquei mais ativa no final do ano de 2020 e é um foco ainda maior para 2021. Quero expandir cada vez mais esse leque de leituras e seguir trocando experiências.

Finaliza.

Colaboração de Laís Vilela para o Fala! Universidades

laís vilela
Laís Vilela, ex-colaboradora do Fala! Universidades, lança livro. | Foto: Reprodução.

A respeito da sua colaboração para o Fala! Universidades, Laís conta sobre oportunidades e seu desenvolvimento, e relata como foi um ambiente estimulante para sua escrita.

Acho que além de ser encorajador, estimulante e de eu ter amado o tanto que essa experiência me proporcionou, posso afirmar que a liberdade de expressão e o senso democrático dentro do jornal Fala! Universidades eram impressionantes. 

Eu consegui entrevistar famosos, escrever matérias de capa, divulgar meus poemas, frequentar eventos, fazer um networking incrível e até mesmo conquistar espaço como colunista em outros veículos, ainda como universitária.

Projetos para o futuro

Para o futuro, Laís Vilela pretende continuar escrevendo. De acordo com a autora, já há alguns projetos em produção.

Estou com três projetos de histórias diferentes que estou desenvolvendo para serem novos livros. Um tema não tem nada a ver com o outro (…). Estou escrevendo contos, participando de concursos literários e escrevo para minhas colunas.

Além disso, ressalta que terá um lançamento em fevereiro, pela Lettre, e que um conto de suspense será divulgado em breve no seu Instagram, de maneira gratuita.

Tem lançamento em fevereiro também de uma antologia pela editora Lettre, na qual terei uma história publicada. Tem um outro conteúdo que produzi para um concurso, um conto de suspense que irei compartilhar gratuitamente para meus leitores.

No dia 26 de janeiro, às 19h, Laís fará uma live sobre a venda do livro físico em seu Instagram. Para isso, a publicitária contará com a presença de uma dona de assessoria tradicional de Ribeirão Preto. O tema, por sua vez, é saúde mental, além de trabalho – que reflete as tramas de Pasta de couro com folhas sem linhas.

Hoje, Vilela incentiva jovens autores. Assim como foi atrás de seus sonhos e recebeu apoio, a escritora alerta sobre possíveis burocracias, mas como tudo vale a pena no fim das contas.

Se você for um jovem autor, eu te encorajo! (…) Acho que o mercado é vasto, e quando se faz com amor, seja a história que for, sempre terá espaço. (…) Sim, tem determinadas burocracias, mas, sabe, tem coisas que só nós podemos fazer por nós mesmos. Precisamos acreditar na gente e nos validarmos como capazes.

_______________________________
Por Isabela Cagliari – Redação Fala!

Tags mais acessadas