Inglês britânico ou americano: qual é o mais fácil para aprender?
Menu & Busca
Inglês britânico ou americano: qual é o mais fácil para aprender?

Inglês britânico ou americano: qual é o mais fácil para aprender?

Home > Cultura Inglesa > Inglês britânico ou americano: qual é o mais fácil para aprender?

A língua inglesa é uma das mais utilizadas no mundo e muito necessária para a comunicação, pois é essencial na maioria das relações externas de trabalho ou estudo. Viagens internacionais também requerem uma língua estrangeira, principalmente para fazer novas amizades e ter uma boa localização no local de destino.

Confira algumas diferenças entre o inglês americano e britânico | Fonte: unsplash.com
Confira algumas diferenças entre o inglês americano e britânico | Fonte: unsplash.com

Com isso, é muito importante conhecer quais as diferenças entre o inglês britânico e o americano, tanto para os experientes na língua, tanto para quem quer aprender o novo idioma. Existem diversas maneiras de identificar as características próprias de cada um, como aprender inglês sozinho com séries e filmes, ou nos shows que a Cultura Inglesa oferece quase todo ano com artistas britânicos e de outras nacionalidades.

Confira, a seguir, as diferenças entre os dois sotaques e algumas curiosidades!

3 diferenças entre inglês americano e britânico

Ortografia

Um exemplo a ser destacado na ortografia é o uso da terminação OUR no final de algumas palavras britânicas. Já nos Estados Unidos, a letra U se perde. Exemplo: Colour, favourite, humour (britânico) / color, favorite, humor (americano)  / cor, favorito, humor (tradução).

Outro fator é a troca S para Z em terminações ISE. Exemplo: organise, realise (britânico) / organize, realize (americano) / organizar, perceber (tradução).

Em alguns casos, no inglês americano não aparece aquela consoante duplicada que normalmente aparece no britânico. Exemplo: cancelled, travelled (britânico) / canceled, traveled (americano) / cancelado, viajado (tradução).

Vocabulário

Entre um país e outro, muitas palavras também são diferentes no vocabulário, apesar de apresentarem o mesmo significado. Confira alguns exemplos (US para forma americana e UK para forma britânica): 

Calças: pants (US) e trousers (UK) 

Loja: store (US) e shop (UK) 

Tênis: sneakers (US) e trainers (UK) 

Batata Frita: french fries (US) e chips (UK) 

Apartamento: apartment (US) e flat (UK)

Cinema: movie theater (US) e cinema (UK)

Lixeira: garbage can (US) e dustin (UK)

Refrigerante: soda (US) e fizzy drink (UK)

Borracha: eraser (US) e rubber (UK)

Outono: fall (US) e autumn (UK)

Farmácia: drugstore (US) e pharmacy (UK). 

Pronúncia

A diferença mais perceptível entre uma pronúncia e outra é na hora de falar inglês, pois cada sotaque é formado por algumas particularidades. A parte mais acentuada da fala está no som do R, que é muito valorizado nos Estados Unidos, enquanto no inglês britânico, só é pronunciado normalmente se estiver na frente da palavra ou antes de uma vogal (ring, bedroom). Caso contrário, sua pronúncia soa mais como /ah/ e /oh/. Exemplos: over, ever, learn, heart, born, e outros. 

Outra forte mudança na fonética é com a letra T, que é pronunciada de maneira muito “limpa” no inglês britânico. Já no americano, pode soar rapidamente como um D ou R. Exemplos: better, bottle, water, notice.

Qual é o melhor?

A importância de estar aprendendo inglês, seja o britânico ou o americano, é indiscutível: uma nova língua sempre acrescenta ao currículo. Entretanto, o idioma já é obrigatório na maioria dos lugares e das opções de emprego oferecidas. 

Na Cultura Inglesa, os alunos estão aprendendo inglês da maneira mais globalizada possível, para que entendam diferentes sotaques pelo mundo: britânico, americano, australiano, canadense, entre outros. A escola oferece diferentes opções para aprender sozinho, em atividades extraclasses, ou com a ajuda de um profissional qualificado durante todo o período de quarentena. Cursos de férias, intensivos, focados em conversação ou em certificados internacionais são algumas opções. 

___________________________________
Por Niara Viana de Brito – Fala! PUC

Tags mais acessadas