Cadastre-se e tenha acesso a conteúdos exclusivos!
Quero me cadastrar!
Menu & Busca
Entrevista com Andrea Facchini – Uma artista que você precisa conhecer

Entrevista com Andrea Facchini – Uma artista que você precisa conhecer

Por: Giulia Ragusa – Fala! PUC

 

A artista plástica Andrea Facchini nasceu em Minas Gerais, onde passou toda sua infância e parte da sua adolescência. Sua família italiana recém-chegada no Brasil estabelecia residência em Cataguases, um município pequeno e bem tradicional.

Andrea Facchini nos anos 80. Foto: arquivo pessoal
Andrea Facchini nos anos 80. Foto: arquivo pessoal

 

Seu interesse pelas cores e seu amor pelos tecidos, os quais ela bordava e via suas mães e tias bordando desde pequena, se tornaram inegáveis e, portanto, mudou-se para o Rio de Janeiro, decidida a cursar na Escola de Belas Artes na UFRJ.

Atualmente, trabalha na TV Arte, mas expõe suas obras em museus, centros culturais, mostras e exposições de arte contemporânea há mais de 20 anos. A SP Arte, realizada no Parque do Ibirapuera em São Paulo, teve o privilégio de expor as obras da artista nos dias 05 a 09 de abril deste ano, além de tê-la junto dos galeristas.

Obra exposta no Pavilhão Bienal do Ibirapuera I
Obra exposta no Pavilhão Bienal do Ibirapuera I

 

Para conhecermos um pouco mais sobre o seu universo, Andrea contou um pouco sobre sua trajetória no mundo das artes – confira:

FALA!: Alguma vez você já repensou sua carreira artística?

Andrea: Diversas vezes. O mundo das artes é muito elitizado e restrito no nosso país, mas além de repensar por conta das dificuldades, quando entrei na faculdade, a “arte” que aprendíamos era chata, clássica, tudo era muito geometricamente perfeito, calculado, cheio de regras. Não era essa arte que eu queria, mas infelizmente não ensinavam ainda arte moderna na faculdade. Mesmo assim, continuei a cursar e mais para a frente tudo se ajeitou.

Obra exposta no Pavilhão Bienal do Ibirapuera II
Obra exposta no Pavilhão Bienal do Ibirapuera II

 

FALA!: Suas obras têm destaque nas cores e muitas delas têm tecidos e a presença feminina. Qual o sentido disso tudo para você?

Andrea: Eu nasci e cresci em uma família muito tradicional da década de 60 aqui no Brasil e, por isso, bem machista. Eu ficava o dia inteiro brincando de bonecas enquanto minha mãe tecia e conversava com as minhas tias. Por isso há mulheres em grande parte das minhas telas, pela procura da identidade feminina, além de que as flores trazem a delicadeza, a fertilidade por si só. E quanto aos tecidos, sempre muito coloridos também, se traduzem em beleza e muitas histórias.

Obra da série Histórias da Carochinha
Obra da série Histórias da Carochinha

 

FALA!: Como foi o processo de descobrimento da forma, do estilo que você pinta e transmite?

Andrea: Acredito que foram aparecendo aos poucos, pois no começo tudo aquilo que eu pintava de “quadrado” na faculdade, eu estampava. Nunca esqueci de uma vez que eu tinha que retratar uma feira, mas todas as paredes, as roupas e as pessoas que nela estavam saíram estampadas, e meu professor, assim que viu, disse para eu tirar as estampas, pois elas não cabiam ali. Com o tempo eu fui entender que o que não cabia era a feira. As cores, os tecidos e todas as minhas ideias se manifestaram em forma de arte. Só depois que eu fui compreender de onde tudo aquilo vinha.

image1

FALA!: O que há de mais gratificante em ser artista?

Andrea: Saber que aquilo que você quis transmitir quando pintou uma tela, foi passado para quem viu – porque a manifestação daquilo que eu vivo, sinto, só vale se alguém consegue, além de achar bonito, compreender.

andrea fachini - perfil

Confira também:

– Mulheres que trabalham com arte em São Paulo

– O Grafite e a Cidade Linda

0 Comentários