É possível fazer tatuagem na quarentena?
Menu & Busca
É possível fazer tatuagem na quarentena?

É possível fazer tatuagem na quarentena?

Home > Lifestyle > É possível fazer tatuagem na quarentena?

Durante a quarentena, muita coisa mudou. Atividades foram suspensas e as pessoas tiveram que mudar suas rotinas. Entretanto, algo manteve-se igual: o uso da tatuagem como reflexo de quem se é. Na verdade, esse mercado sofreu algumas alterações devido às medidas de isolamento, como a quarentena SP. Neste post da Don’t Touch, você vai descobrir quais foram essas mudanças e saberá como está a situação da tatuagem na quarentena. Continue a leitura! 

tatuagem na quarentena
“Pode fazer tatuagem na quarentena?” é uma dúvida bastante comum. | Foto: Freepik.

Quarentena e mudança de hábitos

A quarentena imposta pela Covid-19 trouxe mudanças para a vida de todos nós, a começar pelos hábitos de higiene. Além das alterações mais evidentes, como o uso de máscaras e álcool em gel, os comportamentos individuais também foram afetados. Segundo um estudo da Fiocruz, o isolamento social favoreceu o consumo de álcool, a ansiedade e a depressão.

Se por um lado a pandemia gerou muitos resultados negativos, por outro, ela também trouxe a incorporação de alguns hábitos positivos. Com o tempo ocioso, as pessoas começaram a questionar-se o que fazer na quarentena. Algumas resolveram adotar hábitos mais saudáveis, outras usaram o tempo extra para perder medos, como o de tatuagens. A última mudança agrada principalmente ao setor de tatuagens, que será abordado em seguida.

Covid-19 e tatuagem na quarentena

Felizmente, o período pandêmico não trouxe apenas consequências negativas. Algumas mudanças no modo de pensar e de enxergar a si mesmo favoreceram um ramo específico de serviços, o dos tatuadores. Embora o isolamento social tenha impedido o funcionamento dos estúdios de tatuagem por algum tempo, os profissionais da área perceberam uma mudança positiva entre os clientes quando voltaram a funcionar, com o aumento da demanda.

Apesar da pandemia, cresceu o número de interessados em eternizar momentos, pessoas amadas e outras lembranças. Uma das razões apontadas é a de que, com o home office, os fãs de tatuagem têm conseguido economizar dinheiro para realizar a tão sonhada tattoo. Além disso, os desenhos também estão sendo usados para homenagear vidas interrompidas pelo vírus.

O cenário descrito pelos tatuadores acontece depois da divulgação dos dados do SEBRAE, que mostram que o mercado de tatuagens cresce 25% ao ano no Brasil, onde 38% da população é tatuada. Esse estudo foi divulgado em abril de 2020 e, portanto, não considerou os dados do ano vigente até então. De acordo com a mesma análise, as campeãs da procura por tattoos são as mulheres.

Posso tatuar na quarentena?

Diante dessas informações sobre a alta da demanda por tatuagens, você provavelmente já está fazendo planos para o seu próximo ou primeiro desenho. No entanto, algumas dúvidas como: “posso tatuar na quarentena?” e se seguro fazer tatuagem nesse período são muito corriqueiras. 

Os questionamentos são perfeitamente normais, dado o tempo que estamos atravessando. Se você está ansioso pela próxima tattoo, então pode se animar. Sim, é possível e seguro fazer tatuagens na quarentena, basta que você e o estúdio de tatuagem escolhido sigam as regras de prevenção à Covid-19 estipuladas pelos governos locais. 

Se você não sabe quais são as recomendações das autoridades de saúde da sua região, ligue ou acesse o site da prefeitura da sua cidade. Apesar das especificidades locais, há algumas recomendações gerais que devem sempre ser seguidas. Por isso, vamos apresentá-las abaixo.

Procedimentos para tatuar em segurança

Fazer uma tatuagem na quarentena requer preocupações que vão além daquelas mais comuns. Algumas delas são baseadas em como cuidar da cicatrização da tatuagem. Nesse momento, é importante manter seu tatuador e todos ao seu redor em segurança. Por isso, siga as seguintes instruções:

  • Evite aglomerações nos dias que antecedem a tatuagem;
  • Use máscara durante toda sessão;
  • Higienize as mãos;
  • Não leve acompanhantes;
  • Não passeie pelo estúdio durante os intervalos da sessão;
  • Não saia do estúdio antes da finalização da tattoo.

Além dessas atitudes que você deve tomar, o estúdio de tatuagem também deve estar adaptado para o momento. Assim, tenha certeza de de que o local onde você fará a tatuagem cumpre as seguintes regras: 

  • Disponibilizar álcool em gel ou pia e sabão para que você lave as mãos;
  • Higienizar o estúdio e os equipamentos antes da sessão;
  • Tatuadores com máscaras e luvas;
  • Impossibilidade do tatuador sair do estúdio antes do fim da sessão;
  • Tintas não podem ser reutilizadas.

Fonte de renda na pandemia

Mesmo com um mercado em alta, o período em que os estúdios de tatuagem ficaram fechados afetaram o orçamento dos profissionais. Para tentar fugir da crise, os tatuadores tiveram que repensar os seus negócios. Esse é o caso de um tatuador de Presidente Prudente que, diante do fechamento do estúdio, começou a vender suas pinturas e criou um sistema de descontos para os clientes que pagam adiantado por uma tatuagem, que será feita após o fim da pandemia.

O tatuador de Presidente Prudente não é um caso isolado. Outro profissional encarou a pandemia atendendo apenas poucos clientes em domicílio. Em ambos os casos as redes sociais dos estúdios estão servindo para manter contato com o cliente.

Visite a Don’t Touch

Agora que você já sabe que pode fazer tatuagem na quarentena, marque a sua sessão na Don’t Touch. Com dois estúdios em Moema e um na Oscar Freire, a empresa ajuda os clientes a expressarem suas verdadeiras personalidades por meio das tattoos e dos piercings, com segurança e todos os protocolos sobre como cuidar da tatuagem. Neste momento de pandemia, os cuidados com a segurança dos clientes e dos colaboradores é uma prioridade da Don’t Touch. Portanto, com um estúdio de confiança e seguindo todas as medidas necessárias, você não precisa ter medo de fazer uma tatuagem na quarentena.

_________________________________
Por Rosamaria Santos – Fala! UFRJ 

Tags mais acessadas