Desfile da Mangueira traz releitura de Jesus e gera debates
Menu & Busca
Desfile da Mangueira traz releitura de Jesus e gera debates

Desfile da Mangueira traz releitura de Jesus e gera debates

Home > Universidades > Festas/Jogos > Desfile da Mangueira traz releitura de Jesus e gera debates

O desfile da Mangueira, terceiro grupo a se apresentar na Marquês de Sapucaí nesta madrugada (24), trouxe uma releitura de Jesus e gerou debates entre os espectadores.

Desfile da Mangueira traz releitura de Jesus e gera debates. | Foto: Reprodução.
Desfile da Mangueira traz releitura de Jesus e gera debates. | Foto: Reprodução.

Através de uma nova biografia em que Jesus Cristo surge como uma mulher negra, representado pela rainha da bateria Evelyn Bastos, o desfile ficou entre os assuntos mais comentados do Twitter.

Sendo assim, a temática abordada pela Mangueira foi alvo de debate antes mesmo que a apresentação fosse realizada.

Assim, o desfile de Leandro Vieira foi tido como uma blasfêmia e repercutiu, inclusive, na formatação de um abaixo-assinado para que o tema fosse proibido na Sapucaí.

Toffoli concede liminar ao filme do Porta dos Fundos e garante exibição pela Netflix

De acordo com Leandro, em entrevista dada ao O Globo, o enredo não contaria com a figura oficial de Jesus Cristo. Logo, não seria uma ofensa.

O enredo da Mangueira, inclusive, não se utiliza da figura oficial de Jesus Cristo da Igreja, do altar católico.

Leandro Vieira rebate críticas

No entanto, mesmo com essa situação – no mínimo tensa -, a Mangueira conseguiu desfilar normalmente no Rio de Janeiro.

Mulheres no Carnaval: 4 dicas para curtir com segurança

Entenda a polêmica

A Mangueira levou o enredo A verdade vos fará livre, uma releitura da biografia de Jesus Cristo.

Contudo, a nova apresentação contava com Jesus em uma versão feminina e negra. Além disso, a história do desfile complementava que Cristo era pobre e havia nascido na Vila Miséria, local mais alto do Morro da Mangueira.

Nesse sentido, lideranças religiosas e cristãos encararam o enredo como uma blasfêmia e uma falta de respeito, pedindo para que a temática fosse proibida na Marquês de Sapucaí.

____________________________
Por Isabela Cagliari – Redação Fala! Universidades

Tags mais acessadas