Cadastre-se e tenha acesso a conteúdos exclusivos!
Quero me cadastrar!
Menu & Busca
Crítica: Anne With An “E”

Crítica: Anne With An “E”

Nathália Taise – Fala!MACK

 

Por que o mundo precisa conhecer a história de Anne Shirley?

“Anne With An E” (Anne com “e” em português) é umas das novas séries produzidas pela Netflix, que se origina do famoso livro Anne de Green Gables, escrito por L. M. Montgomery em 1908 e que foi um sucesso mundial mesmo em sua época.

A série conta a história dos irmãos Marílla (Geraldine James) e Mathew Cuthbert (R. H. Thomson) e da pequena Anne Shirley (Amybeth McNulty).

Tudo começa quando os irmãos Cuthbert decidem adotar um menino órfão para ajudar nos afazeres da fazenda, porém, os irmãos são surpreendidos quando, ao invés de um garoto, quem aparece é uma menininha de cabelos vermelhos, sardas e uma mente brilhante que depois de passar por tantos lares adotivos está maravilhada por finalmente ter uma casa. A pequena garota e sua imaginação irão transformar a pacata vida dos Cuthbert e da pequena cidade de Avonlea para sempre.

A história se passa na província de Ilha do Príncipe Eduardo, no Canadá, onde a série também é gravada e terra natal da escritora Lucy Montgomery, no início do século XX, o lugar é completamente rural, e tudo isso colabora para proporcionar aos telespectadores as mais lindas e gloriosas paisagens.

A obra também traz um belo trabalho de câmera que nos possibilita captar a essência da vida naquela época. Os episódios intercalam entre a vida presente de Anne e os habitantes de Avonlea e os flashbacks sobre o passado da ruivinha.

A história​ de Anne nos conquista desde os primeiros minutos em tela, nos apresentando os personagens, como Mathew com seu jeito tímido e humilde, Marílla com suas ordens e regras, Rachel, a vizinha que adora uma boa fofoca, e é claro a adorável Anne que ama falar, possui uma imaginação que vai além do nosso alcance e que apesar de todas as situações ruins pelas quais passou ela soube ver o lado bom da vida, e tantos outros personagens com os quais podemos nos identificar e nos conectar.

Podemos ver também o gosto de Anne pela leitura, a garota acha em livros, como Jane Eyre, um refúgio diante da realidade desgostosa que vivia e um incentivo a leitura para aqueles que assistem nunca é demais.

Para deixar a série ainda melhor são tratados temas seríssimos, como o racismo, feminismo, escravidão e ganância, mas principalmente a história ensina sobre compaixão, amor e para a pequena Anne a sensação de finalmente ter um lugar para chamar de lar e pessoas para chamar de família.

A série já possui duas temporadas disponíveis na Netflix e, como os livros uma vez já fizeram, tem tudo para conquistar o mundo. Além de ser um espetáculo para todas as idades, desde crianças à idosos.

Anne With An “E” é uma série singela que nos lembra que as simples coisas do mundo podem ser magníficas e que com imaginação e bondade, podemos passar por todas a situações da vida.

5 Comentários

  1. Miguel
    6 meses ago

    Uma série realmente comovente. Mesmo escrita há mais de século se faz atual e belíssima.

  2. Clarinda Ferreira Neto
    6 meses ago

    Assisti a duas séries e li três dos livros publicados. Estou aguardando a terceira série bem como a aquisição de mais alguns livros. História admirável, rica em detalhes e informações mexendo com nosso imaginário. Estava fazendo falta algo desse magnitude!

  3. ROSEMARY KAMINSKI
    6 meses ago

    Uma das histórias mais lindas q já vi em minha vida!!! Parabéns à todo elenco e produtores!!! Obrigada Netflix!!

  4. 6 meses ago

    Uma série fantástica, que fala da importância do respeito humano, da compaixão, e de tantas outras coisas que hoje estão caindo no esquecimento, o que é realmente lamentável! Uma pena não ter como assistir a terceira temporada, pq não sei se a Netflix irá continuar a exibir a série, que acho prudente que fosse exibida até o final, para evitar deixar desolados os telespectadores. A mesma desolação senti quando assisti WHEN CALLS THE HEARTS, que também não prossegue, e que também é uma das séries mais belas que já assisti. É com muita tristeza que digo que já prometi a mim mesma não dar início a nenhuma outra série na Netflix, apesar de gostar dos filmes, documentários, enfim, séries, só se eu puder assistir as que comecei.

  5. Raquel
    6 meses ago

    Simplesmente fantástica! Mas, o mais incrível pra mim, é que a série discute algo que parece não ter fim: o preconceito em todas as suas formas. Será que nunca teremos paz?!