Coronavírus: Como o amor tem sido afetado durante a pandemia?
Menu & Busca
Coronavírus: Como o amor tem sido afetado durante a pandemia?

Coronavírus: Como o amor tem sido afetado durante a pandemia?

Home > Lifestyle > Saúde > Coronavírus: Como o amor tem sido afetado durante a pandemia?

O isolamento social obrigou as pessoas a reduzirem seus gestos de afetos físicos, trocando-os por ligações ou videochamadas. É notável o quanto as pessoas não conseguem ficar longe de quem ama, sem o contato físico, os carinhos, os beijos e, principalmente, os abraços.

coronavírus distanciamento social
Como o amor tem sido afetado com a pandemia de coronavírus?

No filme A Cinco Passos de Você, a personagem Stella fala sobre a importância do toque de quem amamos, tanto quanto o ar que respiramos, algo que é contraditório com as recomendações atuais de saúde para a prevenção da Covid-19.

E, com isso, entendemos a necessidade desse toque e sabemos que a maior demonstração de amor, agora, é manter-se longe para prevenir e cuidar de quem amamos.

filme a cinco passos de você
Cena do filme A Cinco Passos de Você. | Foto: Reprodução.

A demonstração de amor está sendo variada. Os feriados com a família não estão mais tendo a tradição de todos juntos, para prevenir a saúde de cada um. As datas especiais e os aniversários estão sendo comemorados isoladamente, cada um na sua casa, desejando as felicidades da sua janela, com a esperança de poder se ver em breve.

Esse tempo de quarentena fez com que as pessoas repensassem sobre o significado da palavra saudade, que talvez não esteve ligada ao tempo – no qual as pessoas estão sem ver as outras -, mas sim, à vontade de estar perto de quem ama, até nos momentos difíceis.

“Há apenas um remédio para o amor, que é amar mais”. Frase dita por um escritor norte-americano, Henry David Thoreau, na qual, por vezes o amor pode causar dor, isso é certo. Mas, quando isso acontece, o melhor remédio é não desistir do amor.

Fique em casa para garantir as dezenas de abraços que vamos dar quando tudo isso passar.

_______________________________
Por Camilli Moreira – Fala! UFPE

Tags mais acessadas