Entenda por que o isolamento social parece estar diminuindo no Brasil
Menu & Busca
Entenda por que o isolamento social parece estar diminuindo no Brasil

Entenda por que o isolamento social parece estar diminuindo no Brasil

Home > Lifestyle > Saúde > Entenda por que o isolamento social parece estar diminuindo no Brasil

“Quem tem fome, tem pressa”. A frase do sociólogo Betinho pode facilmente ser aplicada à situação do Brasil em tempos de isolamento social. Replicada inúmeras vezes, o recorte de classe pode ser um dos pilares para entender por que a quarentena está sendo tão difícil de se aplicar no país. Mas esse não é o único motivo, já que classes mais altas também têm duvidado do contágio – e até mesmo da existência – do novo coronavírus

pessoas rompem isolamento social
Mesmo em casos não urgentes, pessoas insistem em sair de casa – usando máscara ou não. | Foto: Reprodução/Portal Eder Luiz.

Com mais de 44 mil casos confirmados apenas no Brasil, o Ministério da Saúde vem reiterando a importância de permanecer em casa. Afinal, a Organização Mundial da Saúde (OMS) já destacou, diversas vezes, a importância e os efeitos de se manter dentro de casa – especialmente para o grupo de risco, como pessoas com doenças crônicas e idosos.

Em documento assinado por membros do Ministério, incluindo o até então ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, alguns especialistas se reuniram para reforçar o isolamento em prol do combate à Covid-19, além de divulgar um panorama sobre o futuro do vírus no país. 

Vários modelos matemáticos mostraram que o vírus estará circulando potencialmente até meados de setembro, com um pico importante de casos em abril e maio. (…) O isolamento social é uma medida que deve ser sugerida precocemente, a fim de achatar a curva epidemiológica com o menos impacto econômico possível. 

Reitera o documento

Porém, por que mesmo com a mídia, a internet e diversas personalidades públicas falando sobre o momento de quarentena a porcentagem de pessoas seguindo, de fato, parece estar diminuindo? Uma das palavras-chave seria, de fato, economia

Desemprego e informalidade

Atingindo 11,9 milhões de brasileiros e estabelecendo uma porcentagem de 11,2% no mês de janeiro, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o desemprego no país não poderia prever o que aconteceria nos próximos três meses. O novo coronavírus, que ainda era um fantasma assombrando a China, não dava sinais de pousar em solo brasileiro, mas atingiu em cheio as famílias mais pobres no mês de março. 

Vale lembrar que a relação entre desemprego e a busca pela informalidade – como comércio ambulante e abrir uma pequena empresa – é praticamente direta. Ao mesmo tempo, outras opções, como serviços de aplicativo – Uber, iFood, entre outros -, parecia ser a melhor ideia de “trabalhar no próprio horário” e ainda colocar comida na mesa. 

trabalho informal na quarentena
Empregos que beiram a informalidade têm sido a única opção de classes que não podem seguir o isolamento. | Foto: Renato S. Cerqueira/Futura Press/Folhapress.

Mas como se manter em casa quando seu único sustento se baseia no movimento das ruas, na circulação de dinheiro – e, principalmente, de pessoas? Em conversa com o portal Exame, o fundador da organização social Gerando Falcões, Edu Lyra, questionou sobre o assunto. 

Como a gente consegue vencer a Covid-19 sem permitir que as pessoas morram de fome na favela?

Ao mesmo tempo, classes mais pobres já foram apontadas como as que mais sofrerão impactos diretos e indiretos da pandemia. Isso porque, além das dificuldades básicas de de prevenir do novo vírus – como saneamento básico, por exemplo – famílias com renda entre 0 a 2 salários mínimos ainda deve ter a renda 20% mais afetada que  a média do restante das famílias. O dado foi apontado pelo Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional, da Universidade Federal de Minas Gerais.

Fake news 

Por outro lado, o brasileiro tem enfrentado um vírus tão letal quanto a Covid-19: as fake news. Protagonistas do cotidiano do país desde o período eleitoral em 2018, as notícias falsas vêm mudando o formato, a disseminação, mas nunca a veracidade.

Dessa vez, a taxa de letalidade e até mesmo a existência do coronavírus são questionadas – desde a sua epidemia em Wuhan, na China, até uma teoria conspiratória de que a doença seria uma arma biológica que saiu do controle. 

O fato é: não existe isolamento para essas pessoas quando sequer um vírus existe – ou mata. E isso não é um argumento específico de determinada classe social – muito pelo contrário – atinge todas as camadas sem dó e preocupação dos danos que causa.

manifestações contra o isolamento social
No mês de março, o protesto do dia 15 foi convocado pelo próprio Presidente; o coronavírus já possuía casos no Brasil. | Foto: Reprodução/Redes sociais.

Bolsonaro x Ministério da Saúde 

E já que se fala em presidente da República, a relação conturbada entre ele e o até então ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, contribuíram para uma instabilidade nos dados sobre o isolamento social no Brasil. Antes da exoneração de Mandetta do cargo, não só os depoimentos das figuras públicas eram divergentes, como também as atitudes.

Enquanto o Minstério da Saúde se mostrava incisivo na importância de seguir o isolamento social e, principalmente, evitar aglomerações, Jair Bolsonaro comparecia a manifestações, eventos e até mesmo ia para locais públicos, onde reunia grupo de fãs e apoiadores.

O conflito entre os dois representantes de órgãos públicos se deu, principalmente, após uma entrevista de Mandetta concedida ao Fantástico, exibido pela Globo. Na conversa, inclusive, o então ministro falou sobre as projeções do coronavírus nos próximos meses, mas também sofre a dificuldade em estabelecer, majoritariamente, o isolamento social no Brasil. 

Nós não experimentamos no Brasil até agora o lockdown, o fechamento total. Nós estamos com diminuição social, importante, chegamos a ter uma diminuição expressiva, relaxamos, estamos em torno de 50%, 55%. Chegamos a ter 70%.

Disse Mandetta ao Fantástico

Questionado sobre o afrouxamento da quarentena, Luiz Henrique Mandetta citou as fake news, a problemática que envolve a economia atual e as divergências no governo. 

Acho que é um conjunto, somatória, acho que tem muita gente que gosta da internet, que vê na internet alguma fake news dizendo que isso é uma invenção de países para ganharem vantagem econômica. (…) Quando você vê as pessoas entrando em padaria, entrando em supermercado, fazendo filas (…), encostadas, grudadas (…), isso é claramente uma coisa equivocada.

demissões do governo bolsonaro
Jair Bolsonaro e Luiz Henrique Mandetta tratavam o coronavírus de maneiras diferentes. | Foto:Sergio Lima/Poder 360.

Eu espero que essa validação dos diferentes modelos de enfrentamento dessa situação possa ser comum e que a gente possa ter uma fala única, unificada. Porque isso leva o brasileiro à uma dubiedade: ele não sabe se escuta o ministro da Saúde, se ele escuta o presidente, quem é que ele escuta.

Complementa Mandetta

No mundo, mais de 196 mil pessoas já foram vítimas do novo coronavírus. Países europeus como a Itália, que subestimaram a letalidade do vírus, rapidamente se tornaram o epicentro da doença – atualmente concentrado nos Estados Unidos, com 923 mil casos. 

Enquanto isso, o número de infectados já passou dos 2,79 milhões. No Brasil, 26 mil pessoas já se recuperaram da Covid-19, enquanto mais de 3 mil foram vítimas do novo vírus. Vale lembrar que, no último dia 24 de abril, o país quebrou o infeliz recorde de 357 novas mortes em apenas 24 horas. 

_____________________________________
Por Samantha Oliveira – Fala! UFPE

Tags mais acessadas