Como as agências estão sobrevivendo ao tempo de quarentena?
Menu & Busca
Como as agências estão sobrevivendo ao tempo de quarentena?

Como as agências estão sobrevivendo ao tempo de quarentena?

Home > Lifestyle > Viagens > Como as agências estão sobrevivendo ao tempo de quarentena?

Em tempos de quarentena e isolamento, houve uma queda brusca nas emissões de passagens aéreas, reservas de hospedagens, locação de carros e outros serviços do ramo do turismo. Nos estudos realizados pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), é projetada uma perda de aproximadamente R$ 2,2 bilhões comparado ao ano anterior. 

Neste cenário tão assustador, como que as agências e outras empresas do campo estão sobrevivendo

turismo quarentena
Entenda como agências de turismo têm lidado com a crise do coronavírus. | Foto: Reprodução.

Em um primeiro momento, as companhias aéreas nacionais e internacionais modificaram as regras de remarcação, isentando algumas taxas e permitindo o crédito por um ano através de voucher associado ao localizador, pagando somente a diferença tarifária. Em casos de cancelamento, o reembolso integral foi feito apenas para voos cancelados pela própria companhia, caso contrário, era necessário realizar o pagamento da taxa solicitada.

Para uma segurança maior de caixa e evitar uma quebra financeira das empresas (principalmente pequenas e médias), o Governo Federal aprovou uma MP (Medida Provisória) no dia 19/03/2020, para que o reembolso do valor pago pelo cliente seja devolvido em até 12 meses, desde que ele tenha comprado a passagem ou o serviço para utilização até 31/12/2020. A informação pode ser lida também no site da Agência Nacional de Aviação Civil – ANAC.

Além do decreto, algumas empresas também adotaram a redução de jornada de trabalho e salário, imposta por outra MP (mais especificamente a MP 936) no dia 02/04/2020, para evitar a demissão em massa. A flexibilidade de algumas frentes, como a do agente de viagem, permite dar continuidade ao trabalho através de home office.

Desta forma, é possível dar um maior respaldo ao cliente, sem deixá-lo “na mão” sofrendo com a dificuldade de atendimento direto no serviço solicitado. É uma forma de fidelizá-lo e sair mais forte lá na frente, quando as atividades normalizarem.

Mesmo com a queda do faturamento, os empresários estão confiantes com um possível retorno para o segundo semestre. Já é grande a procura por pacotes disponíveis em OTAs.

Ademais, há uma campanha forte nas redes sociais com o seguinte emblema “Não cancele, remarque”, dando a possibilidade de garantir uma esperança em um tempo cheio de incertezas, principalmente para os funcionários desta seção.

_________________________________
Por Camile Alencar – Fala! USP

Tags mais acessadas