Cocaína: efeitos, sensações, tempo de duração e abstinência
Menu & Busca
Cocaína: efeitos, sensações, tempo de duração e abstinência

Cocaína: efeitos, sensações, tempo de duração e abstinência

Home > Colunas > Cocaína: efeitos, sensações, tempo de duração e abstinência


Que a cocaína deixa toda a sua timidez do lado de fora e deixa você mais expansivo na balada, não é algo surpreendente
, no entanto, poucos sabem quais são os efeitos da droga no corpo.

Conhecida por pó, coca, farinha, albino, entre outros nomes, a cocaína é uma droga alcalóide derivada das folhas de coca. A droga pode ser encontrada em diversos estados, pasta, merla, crack e, a mais popular, o pó, o cloridrato de cocaína. Seus efeitos são de euforia e excitabilidade, contudo, se usada excessivamente, a cocaína causa paranóia, crises de pânico e depressão.

Dito isso, confira a real descrição das sensações causadas pela cocaína, além de seus efeitos e consequências no nosso organismo.

Cocaína (pó, coca, farinha, albino, brilho, ratatá)

Cocaína (pó, coca, farinha, albino, brilho, ratatá) causa efeitos como euforia e excitabilidade.
Cocaína (pó, coca, farinha, albino, brilho, ratatá) causa efeitos como euforia e excitabilidade. | Foto: Reprodução.

Forma ingestão: nasal

Duração dos efeitos da cocaína no corpo: 4 horas

Risco de dependência psicológica da cocaína: alto

Risco de dependência física da cocaína: alto

Efeitos da Cocaína

Em curto prazo e em quantidades médias, a cocaína possui efeitos como sensação de auto confiança e vigor intenso. Já em maiores quantidades, causa irritabilidade e depressão. Em longo prazo pode causar danos no septo nasal, nos vasos sanguíneos, problemas de dentição, falta de nutrientes, perda de capacidade analítica e pode causar psicose.

Além disso, usuários de pó podem desenvolver problemas cardíacos como pressão alta permanente, taquicardia e arritmia. Dores intensas no peito são comuns em usuários da droga.

Efeitos da Cocaína no Corpo

Quando aspirada, a cocaína age no sistema nervoso periférico, inibindo a reabsorção, pelos nervos, da norepinefrina  (algo semelhante a adrenalina). Desta forma, ela potencializa o estímulo dos nervos. Ela também estimula o sistema nervoso central, agindo de forma similar à anfetamina.

Cocaína efeitos, duração e abstinência
Cocaína: efeitos, duração e abstinência.

Quanto Tempo Dura o Efeito do Pó

O efeito do pó dura, em média, de 30 a 40 minutos. Essa estimativa, no entanto, pode sofrer alterações dependendo da quantidade, de como foi consumida e da frequência que a cocaína foi utilizada. Além disso, o organismo de cada pessoa reage de maneira distinta à droga, ajudando com seu efeito.

Outro detalhe que deve ser considerado é que o efeito do pó pode ser cortado ao utilizar outras substâncias, como por exemplo maconha e drogas calmantes. Há estudos que indicam que o consumo excessivo de café também pode cortar os efeitos da cocaína.

Para que a droga saia por completo do organismo, contudo, é necessário uma pausa de mais de 90 dias de seu consumo. Exames toxicológicos indicam que a cocaína pode constar em exames de sangue até 48 horas após seu consumo, enquanto testes de urina indicam sua presença até 4 dias após o consumo e testes com cabelo em até 90 dias após o uso.

Sintomas de Abstinência de Cocaína

A abstinência de cocaína ocorre em três etapas, com efeitos distintos: o crash, a síndrome disfórica tardia e a extinção. Na primeira fase, o usuário passa por alterações de humor, ficando instável em suas relações e, em alguns casos, tornando-se agressivo. A segunda fase é marcada por um período de letargia e tristeza, com duração de até 10 semanas. A terceira, e última fase, é quando os sintomas físicos e mentais de abstinência passam e a pessoa está completamente limpa.

Entre os sintomas principais estão o cansaço, aumento do apetite, irritabilidade, ansiedade, depressão, perda da capacidade de sentir prazer, distúrbios do sono, retardamento psicomotor e, às vezes, ideação suicida e “fissura” pela droga

Componentes da Cocaína

A cocaína é feita a base da folha de coca (Erythroxylon coca), uma planta nativa da Bolívia e do Peru. Seu processo, no entanto, vai além de macerar ou enrolar as folhas como é feito com a maconha, pois é necessário a produção de uma pasta, que servirá de base para o pó, para a merla (um tipo de pasta) e para o crack.

Além da coca, a cocaína em pó conta com outras substâncias como talco, lactose, sacarose, glicose, manitol, inositol, cafeína, procaína, fenciclidina, fenitoína, levamisol, lidocaína, estricnina, anfetamina ou mesmo heroína. Outros ingredientes usados para a formação do pó são os sais de sulfato e o nitrato, dissolvidos em substâncias solúveis.

Curiosidades sobre a Cocaína

A folha de coca já era consumida por povos nativos da América do Sul há mais de 5 mil anos, para suportar a fome, a sede e o cansaço. Com a chegada dos espanhóis, a coca acabou sendo usada para fins medicinais, como a cura de resfriados, feridas e para suportar a dor de ossos quebrados. Mais tarde, a cocaína se popularizou como tratamento para toxicodependência de morfina.

A coca é uma planta originária do Peru e da Bolívia.
A coca é uma planta originária do Peru e da Bolívia. | Foto: Reprodução.

Foi em 1859, contudo, que o químico Albert Niemann sintetizou a cocaína pela primeira vez, mas sem saber dos efeitos danosos que a substância poderia apresentar ao organismo.

Em 1900, o pó se espalhou pelos Estados Unidos e um número crescente de mortes ocorreu na mesma época, as causas eram danos nasais e pulmonares, causados pela substância. Seu uso foi proibido, contudo, a alta classe americana continuou usando e popularizou a droga novamente na década de 70.

Atualmente, a cocaína é a segunda droga ilícita mais combatida no mundo, perdendo apenas para a maconha.

Além da cocaína, você pode ler sobre os efeitos de outros tipos de drogas, como o da bala, do álcool, do cigarro, da maconha, do lança perfume, da heroína e do LSD.

Leia também o que acontece no corpo quando misturamos drogas.

E há ainda as drogas que são legalizadas – embora letais.

E veja ainda os famosos antes e depois das drogas.

0 Comentários

Tags mais acessadas