Cadastre-se e tenha acesso a conteúdos exclusivos!
Quero me cadastrar!
Menu & Busca
Cantando na Chuva – confira nossa resenha sobre o musical

Cantando na Chuva – confira nossa resenha sobre o musical

Por: Isabella von Haydin – Fala! Cásper

 

Com orquestra ao vivo, como em todo musical de respeito, Cantando na Chuva é de apaixonar. A produção surpreende com o talento dos atores, chuva de verdade e figurino clássico dos anos 20.

Em cartaz no teatro Santander, desde o dia 12 de agosto, a história retrata com muito bom humor a transição do cinema mudo para o falado. Com um elenco de peso, as coreografias de sapateado fazem brilhar os olhos e as músicas encontraram um perfeito tom nas vozes escolhidas.

Foto: Divulgação

 

Cantando na Chuva é um clássico do cinema que estreou há 65 anos atrás. Todavia, a peça não deixou a desejar no quesito fidelidade. A trama foi contada tim tim por tim tim, e as músicas, mesmo traduzidas, não perderam seu charme. É uma daquelas produções que fazem você sair cantarolando tudo o que ouviu, e querendo se matricular o mais rápido possível em uma aula de sapateado!

Foto: Divulgação.

 

As caracterizações são a cara da época, e perfeitas das perucas aos sapatos. Impossível não ficar hipnotizado vendo os figurinos brilhantes da Cláudia Raia. E falando na atriz, a mesma surpreendeu o público com uma voz engraçadíssima e uma performance um tanto peculiar. Afinal, sua personagem Lina Lamont rouba a cena com uma personalidade mimada e típica de estrelinha. Mesmo com uma dança um pouco travada, a artista conseguiu fazer jus ao seu nome.

Foto: Divulgação

 

Uma das cenas mais clássicas do cinema foi adaptada com perfeição e pasmem – realmente chove.

Usando aproximadamente oito mil litros de água (reutilizados, não se preocupem), a cena em que Don Lockwood, representado por Jarbas Homem de Mello, canta e sapateia na chuva é de suspirar. Provocou aplausos no meio da performance.

Um charme à parte, foi a interação com o maestro que estava conduzindo de capa e guarda-chuva.

Foto: Marcos Mesquita/Divulgação

 

E não vá pensando que somente os atores mais famosos conquistaram o público. Bruna Guerin encantou a audiência com sua voz ao representar Kathy Selden, sem falar da sincronia entre Cosmo (Reiner Tenente) e Don, que é totalmente fiel ao filme!

Depois de 430 horas de ensaio, os resultados não poderiam ser diferentes. É um daqueles programas que agradam das crianças aos mais velhos.

O espetáculo fica em cartaz até o dia 06 de dezembro, com sessões de quintas e sextas-feiras, às 21h, sábados às 17h ou 21h, e nos domingos às 16h ou 20h.

A duração é de 2h30min, e os preços variam entre R$50,00 a R$260,00.

 

Confira também:

– O Filme da Minha Vida – confira a resenha

– É preciso ler Chimamanda Ngozi Adichie

Você também pode curtir

0 Comentários