Cachos danificados? Saiba como recuperá-los e a causa dos danos
Menu & Busca
Cachos danificados? Saiba como recuperá-los e a causa dos danos

Cachos danificados? Saiba como recuperá-los e a causa dos danos

Home > Lifestyle > Saúde > Cachos danificados? Saiba como recuperá-los e a causa dos danos

Pensar em cabelo cacheado é pensar em flexibilidade. Você pode tê-lo tanto com os cachos naturais como alisado. Mas será que ter possibilidades só tem lado bom? É sobre isso que vamos falar agora.

Mudar o visual é quase um vício feminino, ainda mais quando é para algum evento ou uma ocasião especial. Em um dia, usa e abusa do volumão, no outro, faz aquele penteado super elaborado, mas quando é para inovar mesmo, o famoso secador e chapinha entram em cena.

Claro, usar esses aparelhos esporadicamente não tem problema, ainda que necessite de cuidados antes e depois do uso. A complicação está quando os fios são submetidos ao calor frequentemente, o que pode gerar danos irreversíveis.

cachos
Saiba como cuidar de cachos e deixá-los definidos e saudáveis. | Foto: Reprodução.

A alta temperatura, em contato direto com os fios, pode causar ressecamento, pontas duplas, quebras e até o temido frizz. Além dos danos mais comuns, pode ocorrer a perda da memória capilar. Mas o que é isso?

Memória capilar

A memória capilar é o que dá forma ao cabelo. Está relacionada ao quanto as mechas são estimuladas. O cabelo memoriza a curvatura e a definição, logo, quanto mais você o ativa amassando, com fitagem ou texturização mais ele se comporta automaticamente daquela maneira. O caso é: isso também acontece com estímulos de alisamento, então, se você fizer chapinha constantemente, seus cachos perderão a memória cacheada para se adaptar ao novo método.

Para além disso, o calor agride tanto a estrutura dos fios que acredita-se que pode afetar as pontes de hidrogênio, que têm a responsabilidade de dar o formato espiral dos cachos, deixando-os com aparência esticada e sem definição.

Porém, nos casos mais leves, os danos podem ser reversíveis. Então, lá vão algumas dicas para manter as madeixas saudáveis e os cachos definidos.

Cuidados com os cachos

Em primeiro lugar, a rotina de cuidados deve ser fixa. É recomendável que o cronograma capilar esteja em dia, mas, caso não tenha tempo ou ainda não tenha pegado o jeito de cuidar dos seus fios, faça hidratação pelo menos uma vez na semana.

Quando for usar os aparelhos, dê aquele trato especial e use preferencialmente um creme de tratamento potente.

Essa dica é bem clichê, mas não custa reforçar. Use protetor térmico antes de alisar. E um bom óleo reparador na finalização é muito bem-vindo.

Para o processo de recuperação, aposte em uma umectação (tratamento com óleos vegetais que hidrata e dá força, além de repor a oleosidade natural dos fios ressecados) da noite para o dia, isto é, durma com o óleo na cabeça e cubra com uma touca para não sujar o travesseiro.

Na manhã seguinte, quando for lavar, use um creme de tratamento reconstrutor para ajudar na reparação. Deixe agir por uns 30 minutos.

Na hora de finalizar, opte por um ativador de cachos e use o seu método preferido. Usar o difusor também é legal, já que ele distribui o ar de forma uniforme e auxilia na definição, mas nada de ar muito quente, de médio a frio.

Agora, uma dica bônus. Abaixo estão alguns óleos ótimos e suas funções. Claro, não se atenham apenas a esses, existe uma diversidade deles, recomendo pesquisar e ser feliz!

Óleos recomendados para os cabelos cacheados:

Óleo de Coco: ajuda as proteínas capilares e, assim, evita danos e quebra, além de diminuir o aspecto opaco. Possui propriedades antifúngicas e antibacterianas, o que melhora a saúde do couro cabeludo. Hidrata profundamente e fortalece os fios.

Óleo de Rícino: acelera a circulação sanguínea no couro cabeludo, auxiliando no crescimento. Ajuda com a caspa e fortalece as raízes capilares com seus nutrientes essenciais.

Óleo de Argan: fecha as cutículas dos fios e, assim, minimiza o frizz. Dá brilho e maciez. Rico em ácidos graxos essenciais e vitamina E. 

________________________________
Por Eliabe Figueiredo – Fala! UFRJ

Tags mais acessadas