Cabelo ressecado? O que é, causas, como identificar e tratar
Menu & Busca
Cabelo ressecado? O que é, causas, como identificar e tratar

Cabelo ressecado? O que é, causas, como identificar e tratar

Home > Lifestyle > Cabelo ressecado? O que é, causas, como identificar e tratar

O ressecamento capilar é um problema muito comum, principalmente para quem tem fios longos. Para tentar solucionar o cabelo ressecado, muitas pessoas investem em diversos produtos caros. Mas não adianta comprar vários cosméticos e não comprar o certo, ou seja, aquele que atenda às necessidades dos seus fios.

O ressecamento é uma das formas do nosso cabelo se comunicar com a gente e avisar que está precisando de um reforço. Então continue por aqui, porque este é um guia completíssimo para você entender de uma vez por todas o que é um cabelo ressecado, como identificar, como tratar e por que o cabelo resseca.

Cabelo ressecado
Cabelo ressecado pode ser uma condição natural ou causada por agressões externas. | Foto: Reprodução/Pinterest.

A estrutura de um fio de cabelo

Antes de querer a solução, é preciso entender as causas. E, para isso, vamos explicar detalhadamente como funciona a estrutura de um fio de cabelo. Muita gente não sabe, mas o cabelo é um tecido morto. O que isso quer dizer? Isso significa que ele não se regenera como acontece com tecidos vivos.

A pele, por exemplo, é um tecido que se regenera. Se cortarmos, vamos sentir dor, ela vai cicatrizar e, dependendo do nível do ferimento, vai voltar a ser como antes. É por ser um tecido morto que não sentimos dor quando cortamos os fios. A única parte viva do cabelo é o folículo piloso, estrutura que fica dentro do bulbo capilar. Por isso, vamos entender a anatomia completa de um fio de cabelo.

A estrutura capilar é formada, basicamente, pelo folículo piloso e a haste capilar. Cada uma delas, é composta por estruturas menores, que têm suas peculiaridades.

Folículo Piloso

Como já falamos, o folículo piloso se localiza dentro do bulbo capilar, lugar por onde nascem os cabelos, também conhecido como raiz. Essa estrutura é viva e está em contato com nosso organismo, recebendo nutrientes, por exemplo. É por isso que, quando puxamos o cabelo próximo a raiz, sentimos dor.

O folículo piloso possui duas áreas importantes: a papila dérmica e o bulge de células-tronco.

  • Papila dérmica: é uma estrutura localizada abaixo do bulbo, por meio do qual nutrientes e hormônios que vêm da corrente sanguínea chegam ao bulbo capilar. Quando chegam lá, os hormônios se ligam a receptores. Esses receptores podem estar associados ao desenvolvimento da alopecia androgenética.
  • Bulge de células-tronco: é um reservatório de células localizado na região do folículo. Elas são responsáveis pela reposição dos fios que caem no ciclo capilar.

Haste Capilar

A haste capilar nada mais é do que a parte que fica para fora do folículo, são os fios, o comprimento do cabelo. Essa estrutura é composta por células mortas e é formada por lipídios, proteínas e água. É dividida ainda em mais três:

  • Medula: parte localizada nas camadas mais internas do fio. Nem todo mundo tem essa estrutura, costuma ser vista em cabelos mais grossos.
  • Córtex: camada intermediária responsável pela cor, força e textura do cabelo.
  • Cutícula: camada externa que protege as mais internas. Elas formam escamas que preservam o córtex contra agressões externas.

A composição do cabelo

O cabelo é composto por lipídios, proteínas e uma pequena quantidade de água. Cada um desses componentes tem funções importantes para manter o equilíbrio e saúde dos fios.

Os lipídios, por exemplo, são gorduras responsáveis por manter a lubrificação dos cabelos e servem como forma de “cola” para as cutículas. Sendo assim, um cabelo ressecado, que possui uma ausência adequada de óleos, além de ficar opaco, também fica mais exposto a danos, uma vez que as cutículas fechadas protegem o córtex.

Já as proteínas são responsáveis pela massa capilar, proporcionando densidade, força e resistência. Um cabelo com pouca proteínas é frágil, elástico e quebradiço. A principal fonte de proteína que compõe os cabelos é a queratina. A água é importante para trazer maciez e maleabilidade aos fios.

Assim, agora que você já sabe como é formada a estrutura capilar e que um cabelo com deficiência na composição fica ressecado, vamos entender como evitar que as madeixas percam os nutrientes e como doar os que faltam.

Quais as causas do cabelo ressecado e como evitar?

Na teoria, já vimos que o cabelo tem uma quantidade ideal de lipídios, proteínas e água. Mas, na prática, nem sempre isso acontece. É comum que as madeixas possuam deficiências de um ou mais nutrientes. Vários fatores podem causar isso.

Lavagem inadequada

Um dos fatores que pode provocar ressecamento é errar na hora da lavagem. É preciso tomar cuidado com o uso de shampoos que possuem muito sulfato de sódio, agente de limpeza agressivo. Um shampoo muito limpante rouba não o sebo do couro cabeludo, como o dos fios.

A oleosidade no comprimento é essencial para manter as madeixas lubrificadas. Por isso, é importante concentrar o shampoo no couro cabeludo. Para quem tem fios muito danificados, pode optar por produtos com uma limpeza mais gentil também.

No entanto, é importante tomar cuidado com os cabelos mistos. Ou seja, cabelos com o couro cabeludo oleoso e comprimento seco. Nesses casos, não se pode optar por limpezas muito suaves. É importante apostar em shampoos para cabelos mistos, que limpem bem o couro cabeludo e não danifiquem as pontas.

Exposição a altas temperaturas

Outro fator que causa ressecamento é a exposição ao calor. Sol, água quente e fontes de calor como secador e chapinha são extremamente prejudiciais à saúde do fio. Mas não precisa abandonar de vez essas práticas. Use produtos com proteção térmica e solar nos fios sempre que lavar os cabelos e troque água quente do banho pela morna.

Químicas

Estas também são umas das principais causa de ressecamento. As químicas podem danificar bastante os fios, principalmente as alisantes e as descolorações. Isso porque as químicas de transformações precisam mexer no córtex para alterar cor e textura dos fios. Para isso, danificam as cutículas, camadas mais externas responsáveis por proteger o córtex.

A dica para quem já faz ou quer fazer química é tomar cuidado com o profissional e escolher alguém qualificado. Além disso, é indicado não misturar químicas agressivas, como progressiva e descoloração. Por fim, é importante fazer tratamentos potentes e com frequência.

Predisposição genética

Apesar do ressecamento ser causado, muitas vezes, por agentes externos é muito comum que ele seja natural também. Algumas pessoas possuem fios mais ressecados naturalmente por não produzirem muito lipídio. Cabelos com curvaturas, como ondulados, cacheados e crespos costumam ser naturalmente mais secos.

Nesses casos, a oleosidade do couro cabeludo tem dificuldade de descer e chegar ao comprimento, devido ao caminho cheio de ‘voltas’ que a gordura precisa percorrer. Há ainda pessoas que produzem pouco sebo no couro cabeludo. Estas precisam apostar em shampoos bem suaves e hidratantes.

Tratamentos: como cuidar do cabelo ressecado?

O cabelo é um tecido morto e não se regenera, mas isso não significa que ele não pode receber nutrientes de outras formas. É importante ter em mente que a alimentação não vai deixar a haste capilar mais saudável, porque é um tecido morto que não tem mais contato direto com o corpo.

Mas uma boa alimentação, aliada ao consumo adequado de água, ajudam a melhorar a qualidade do fio que está dentro do folículo capilar. Isso acontece porque ele está em contato com a circulação sanguínea. Assim, comer bem e se hidratar é um passo para melhorar a saúde da futura haste capilar.

Para tratar a haste capilar do fio atual é necessário algo artificial, ou seja, uso de cosméticos. Pode parecer confuso o fato de um tecido morto precisar de nutrientes. Mas o que acontece é que quando o fio sai do folículo, ele morre e deixa de receber os nutrientes que vem direto do corpo.

Contudo, isso não significa que ele perdeu todos os nutrientes, ele só não ganha mais de forma natural. Assim, esse fio entra em oxidação e vai, aos poucos, perdendo a qualidade. Por isso, é comum que as pontas sejam muito mais secas que o cabelo da raiz, já que é um tecido mais velho, que ‘morreu’ há mais tempo.

Dessa forma, os tratamentos com cosméticos têm a função de retardar esse envelhecimento do fio. A partir do momento em que se dá mais nutrientes ao longo do tempo, é possível prolongar bastante a saúde das madeixas.

Alguns tratamentos podem ajudar  a conservar a saúde do fio e evitar o ressecamento. Confira os principais a seguir:

Nutrição

Os tratamentos de nutrição tem como função devolver a oleosidade da haste capilar. Para isso, utilizam-se máscaras de tratamento que tenham bastante óleo e manteigas na composição. Manter essa etapa em dia ajuda a selar as cutículas, protegendo o córtex e evitando danos. Além disso, doa-se brilho às madeixas, porque as cutículas quando estão abaixadas refletem muito mais luz. Por isso, cabelos ressecados costumam ser opacos.

Umectação

Outra forma de doar oleosidade aos fios é por meio da umectação. Nesse tratamento, utilizam-se óleos vegetais, como azeite de oliva, óleo de coco, óleo de argan, entre outros. Os óleos costumam ser aplicados puros nos cabelos sujos. O indicado é deixar agir pelo menos duas horas e muitas pessoas, inclusive, dormem com eles no cabelo. Depois, é só lavar o cabelo normalmente com shampoo. Mesmo lavando, o óleo trata o fio, o shampoo só retira o excesso.

Hidratação para cabelo ressecado

Outro tratamento importante é a hidratação. O principal objetivo é ajudar o cabelo a reter umidade, devolvendo maciez e maleabilidade. Para esse tratamento, utilizam-se máscaras capilares com essa função. Elas costumam ser ricas em ativos hidratantes, como glicerina, pantenol, babosa, entre outros.

Acidificação

Um tratamento pouco falado, mas muito eficaz, é a acidificação. Esse processo busca reequilibrar o pH dos fios. A nossa haste capilar tem um pH ideal para ficar com as cutículas seladas, que é levemente ácido, entre 4,2 e 5,8. No entanto, é comum que esse pH se eleve ficando alcalino. Isso pode acontecer pelo uso de químicas alcalinas, como descoloração e relaxamento. Além disso, também pode ser natural. Geralmente, cabelos ondulados, crespos e cacheados possuem o pH mais alcalino.

Um cabelo com pH desequilibrado fica com as cutículas abertas e são chamados de cabelos porosos. Esses fios costumam ser ásperos e mais opacos. Para melhorar o problema, pode-se usar produtos chamados de acidificantes, que são cremes com pH mais baixo, que buscam regular o pH da haste capilar. Esses não são tratamentos químicos, mas cosméticos capilares comuns. No entanto, ainda é uma classe de produtos que está se expandindo e não existem tantas opções no mercado.

Reconstrução

A reconstrução é uma forma de tratamento que busca devolver a massa do fio, a partir de proteínas como a queratina. Apesar desse tratamento não solucionar diretamente o ressecamento, já seu objetivo é doar força e resistência, pessoas com cabelos ressecados devem adotá-lo.

Como os fios ressecados costumam ter cutículas abertas, por conta da falta de lipídio, eles são muito mais suscetíveis a perder massa capilar. Esse tipo de madeixa fica com o córtex mais exposto, perdendo as proteínas com mais facilidade. Para fazer esse tratamento, é preciso apostar em máscaras ricas em proteínas.

Finalizadores para cabelo ressecado

Os cremes finalizadores também são importantes para manter a saúde dos fios ressecados. Esses produtos protegem os fios de agressões externas e ajudam a manter a hidratação e nutrição.  Os cremes sem enxágue comuns já ajudam bastante, mas é interessante apostar em finalizadores com proteção térmica e solar. Para quem tem cabelo ressecado, mas que pesa fácil, pode investir em óleos e séruns finalizadores.

É importante destacar que o cuidado precisa ser constante, principalmente para quem tem fios ressecados naturalmente. Nesses casos, a haste capilar nunca vai deixar de ser ressecada, visto que é uma condição natural. Assim, é importante que o controle do ressecamento seja frequente. Agora que você aprendeu tudo isso, já pode colocar as dicas em prática e fazer as pazes com o cabelo ressecado!

__________________________
Por Giovana Rodrigues – Redação Fala!

Tags mais acessadas