Home / Colunas / Comportamento / Eleições: As principais alianças entre partidos para o segundo turno

Eleições: As principais alianças entre partidos para o segundo turno

Enquanto alguns partidos mantêm rivalidades extremas, outros se alinham num curso de apoio que pode definir votos de seus eleitores. Confira aqui as coerências e contrariedades das coligações formadas por partidos dos candidatos que disputaram o primeiro turno das eleições.

Álvaro Dias – Partido PODEMOS

Álvaro Dias – Foto: George Gianni / PSDB.

Dá apoio: Em nota, o partido informou que  continuará neutro neste segundo turno. A sigla ainda autorizou a militância para escolherem individualmente seus candidatos.

“Nossa luta passa por ouvir as demandas das ruas e representar o desejo da população (…) Por isso, a Executiva Nacional do Podemos vem, por meio de nota, informar: o posicionamento institucional de neutralidade no segundo turno das eleições; a liberação da militância, líderes políticos e representantes para apoio aos presidenciáves.” Declara o partido.

 

Cabo Daciolo – PATRIOTA

Cabo Daciolo – Foto: WIkimedia

Cabo Daciolo, prezando a neutralidade de favoritismo no segundo turno das eleições, declarou que sua única aliança é com Jesus”, excluindo os dois candidatos que concorrem atualmente.

 

Ciro Gomes –  PDT

foto: reprodução

Em “defesa da democracia e contra o fascismo”, e com o objetivo de “evitar a vitória das forças mais reacionárias e atrasadas do Brasil”, a declaração do PDT foi de apoio ao candidato do Partido dos Trabalhadores, Haddad.

 

Geraldo Alckmin – PSDB

Geraldo Alckmin – Foto: Adriana Spaca /Brasil Press Photo / LatinContent/Getty Images

Após uma reunião em Brasília da Executiva Nacional do PSDB, a resolução foi anunciada pelo ex-candidato a presidente:

“O PSDB decidiu liberar seus militantes e seus líderes. Não apoiaremos nem o PT nem o candidato Bolsonaro”

 

Guilherme Boulos – PSOL

Foto: Mauro Pimentel/ VEJA

A decisão de aliança, tomada pela Executiva Nacional, foi anunciada nesta segunda (8), e, mesmo assumindo as diferenças entre os dois partidos, o partido afirma:

“O PSOL apoiará, a partir de agora, a candidatura de Haddad e Manuela, mesmo mantendo diferenças políticas e preservando nossa independência.”

 

João Amoêdo Partido NOVO

João Dionisio Amoêdo, engenheiro e administrador, conselheiro do banco Itaú-BBA e da João Fortes Engenharia, presidente do Partido Novo.

Nesta terça-feira (9), o partido NOVO lançou nota referente à sua aliança neste segundo turno, e revelou que não vai apoiar nem Bolsonaro nem Haddad:

“O Novo não apoiará nenhum dos candidatos à Presidência, mas somos absolutamente contrários ao PT, que tem ideias e práticas contrárias às nossas.”

Goulart Filho – PPL

Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

Goulart Filho expôs em comunicado que seu apoio e do PPL transcende qualquer divergência política com os petistas e que

“jamais serão maiores que o risco de uma nova ditadura, nem maiores que a liberdade de nosso povo”.

 

José Maria Eymael – PSDC

Foto: reprodução

Assumindo uma posição essencialmente neutra para este segundo turno, a sigla do ex-candidato Eymael menciona que

“No segundo turno da eleição 2018 para presidente da República, ficam todos os filiados à Democracia Cristã (DC), no Brasil e exterior, liberados para votar conforme seu entendimento, tendo como objetivo o fortalecimento da democracia no Brasil”

 

Marina Silva – Rede Sustentabilidade

Marina Silva – FOTO: Marcos Michael/VEJA

O partido de Marina Silva, PS, dispensou qualquer responsabilidade de votos pelos seus filiados e simpatizantes e se diz apoiador de “nenhum voto” ao candidato do PSL, Jair Bolsonaro, mas, como ressalva, também não se declarou apoiador de Fernando Haddad, do PT.

 

Vera Lúcia – PSTU

À partir de uma nota lançada pela sigla, não foi declarado nenhum apoio à uma eventual vitória de Jair Bolsonaro para presidência. No entanto, o partido de Vera Lúcia não se vê como apoiador do candidato do PT, Fernando Haddad, para o segundo turno.

Para o PSTU, Jair Bolsonaro

“Ameaça colocar os militares nas ruas e impor uma ditadura que impeça o trabalhador de lutar”

 

Confira também

Consciência Negra, muito além do dia 20 de novembro

Por João Guilherme Lima Melo – Fala!PUC   Projeto de lei número 10.639, dia 9 ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *