A gastronomia como identidade cultural de um povo
Menu & Busca
A gastronomia como identidade cultural de um povo

A gastronomia como identidade cultural de um povo

Home > Entretenimento > Cultura > A gastronomia como identidade cultural de um povo

Às vezes não é só um prato de comida que é servido à mesa, ele também pode ser parte de uma história. Através de um prato de comida é possível observar os costumes de um povo, ali estão representados a cultura, a história e a identidade de um povo. Sendo assim, é possível conhecer mais de um povo por sua gastronomia, do que por outros aspectos de sua cultura. 

Pensando nisso, a seguir, mostraremos como a gastronomia marca a identidade cultural dos negros no Brasil.

Entenda como a gastronomia faz parte da identidade cultural de um povo.
Entenda como a gastronomia faz parte da identidade cultural de um povo. | Foto: Reprodução.

Como a cultura se une a gastronomia para moldar um povo

No dia 20 de novembro é comemorado o dia da Consciência Negra, e também nesse dia, podemos relembrar que alguns dos pratos queridos dos brasileiros vem da cultura negra e que foram se modificando ao longo dos anos.  Da cultura africana veio o acarajé, muito vendido na Bahia, que começou a ser comercializado por escravas alforriadas que usam suas roupas típicas do candomblé para vender.

Outro prato típico brasileiro, que carrega a identidade cultural de um povo, é a feijoada, que sua origem acontece através das senzalas, onde os escravos aproveitavam o que era jogado fora por seus senhores, então com esses pedaços de pé, rabo, orelha e feijão preto surge um dos pratos mais amados até hoje no país.  

Durante a escravidão no Brasil, ter contato com objetos e comidas que lembravam seus países de origem era proibido, por isso resgatar essas comidas com valor afetivo é de extrema importância por algo que lhes foi negado.

Com diversos contextos históricos, outros pratos no Brasil e no mundo carregam identidade e significados, experimentar esses pratos é ter um gostinho dessa história muitas vezes rica em cultura mas também de sofrimento.

________________________________________________

Por Leticia Rodrigues – Fala! Anhembi

Tags mais acessadas