Cadastre-se e tenha acesso a conteúdos exclusivos!
Quero me cadastrar!
Menu & Busca
Resenha: Antes que Eu me Esqueça

Resenha: Antes que Eu me Esqueça

Por Vinicius Santos – Fala!Cásper


Desde a retomada do cinema brasileiro no final da década de 90, com o filme Carlota Joaquina, Princesa do Brazil, o cinema vem caminhando a passos curtos para ganhar a credibilidade devida, depois de anos de filmes de comédia e pornochancadas(produzidos durante a ditadura militar). Algumas produções relativamente recentes ajudaram para essa retomada (impossível não citar
Tropa de Elite, Cidade de Deus e Carandiru) mas, mesmo assim, ainda vieram uma enxurrada de filmes medíocres. Felizmente, o filme da vez, Antes que eu me esqueça, não é um deles.


A história gira em torno de Polidoro (
José de Abreu), um juiz aposentado que, aos 80 anos, decide tornar-se sócio de uma boate de strip-tease. Enquanto isso sua filha Bia (Letícia Isnard) entra com uma ação para interditá-lo, mas para que o juiz aprove essa ação, é preciso que Paulo (Danton Mello), filho de Polidoro, opine sobre o assunto. Paulo, entretanto, não se relaciona com o pai há anos, e então o juiz determina que ele deve realizar visitas semanais ao pai para que ele, enfim, consiga se posicionar sobre o assunto.

[read more=”Leia Mais” less=””]

A atuação de todo o elenco é muito boa, mesmo que a personagem Maria Pia (Mariana Lima) siga uma linha clichê: ela começa a história como uma promotora fria e travada que, conforme se relaciona com personagens mais liberais, começa a se soltar mais. Mesmo assim, a atriz consegue entregar uma interpretação competente, fazendo essa transformação não ser algo tão forçado quanto poderia ser. Mas o destaque do filme é, com certeza, a atuação de José de Abreu, que consegue entregar um personagem ao mesmo tempo decadente, visto que sua sanidade já não é mais tão boa, mas ainda sim orgulhoso. A evolução da relação entre Polidoro e Paulo é algo muito orgânico, graças as boas atuações de José e Danton, respectivamente.

Danton, mesmo sendo do núcleo principal do filme e conseguir entregar um bom personagem e algumas boas cenas (principalmente quando contracena com José), não surpreende muito, sendo apenas competente em algumas cenas.

O roteiro é relativamente simples: a proposta pode ser resumida em uma história sobre pais e filhos. Algo que o filme entrega de maneira competente,além de abordar alguns assuntos relativos a velhice, como solidão e algumas doenças, mas nada de maneira muito expositiva.

Dedé Santana, Guta Stresser, Augusto Madeira e Eucir de Souza também fazem parte do elenco. Os personagens de Dedé e Guta são os alívios cômicos do filme. Dedé aparece em poucos momentos mas possui seus momentos cômicos, alguns deles ligeiramente forçados. Já Guta entrega uma personagem que muitas vezes o público ria dela, e não com ela. A voz e os trejeitos exagerados da personagem contribuem para que isso ocorra.

Por fim, Antes que eu me esqueça não é um filme espetacular que irá revolucionar o cinema brasileiro, mas é uma boa adição ao mercado nacional, que carecia de boas produções capazes de contar uma história de maneira competente. O filme está em cartaz desde o dia 24/05/18 e é uma boa pedida para aqueles que gostam de boas produções nacionais.

[/read]

 

Confira também:

Resenha: Taurus, a queda de Lenin

 

0 Comentários

Tags mais acessadas