segunda-feira, 17 junho, 24
HomeNotíciasBanco Credit Suisse pede alto empréstimo ao Banco Central da Suíça

Banco Credit Suisse pede alto empréstimo ao Banco Central da Suíça

O Credit Suisse é um famoso banco suíço, que possui ações em nomes de diversas figuras milionárias e também empresas e investidores.

Ontem, dia 15 de março de 2023, o principal investidor do Credit Suisse, que é inclusive outro banco, o Banco Nacional Saudita, informou que não iria realizar um novo aporte financeiro para a companhia suíça.

Dessa forma, as ações do Credit Suisse despencaram nas principais bolsas de valores do mundo: caíram em torno de 25%. O valor surpreende economistas e investidores, agora, receosos quanto ao rumo da economia bancária global.

Sabe-se que, em outros três dias, dois bancos norte-americanos também tiveram falência decretada. Com isso, o sentimento quanto aos bancos e seus investidores é de preocupação, em todas as partes do planeta.

Se você quer entender um pouco mais sobre essa notícia, então, não espere mais nem um segundo e confira abaixo o conteúdo sobre! Saiba tudo sobre o empréstimo pedido pelo Credit Suisse ao Banco Central da Suíça, o que está acontecendo no mercado global e mais! Siga em frente com a leitura!

A queda nas ações do Banco Credit Suisse o levou a tomar medidas de emergência
A queda nas ações do Banco Credit Suisse o levou a tomar medidas de emergência. | Foto: Adobe Stock.

O empréstimo e a situação do banco Credit Suisse

Na madrugada deste dia 15 para o 16, o banco Credit Suisse anunciou que iria necessitar de um empréstimo de pelo menos 54 bilhões de dólares.

O pedido feito ao Banco Central da Suíça foi aceito, mas a instituição não havia confirmado, até então, qual o montante de dinheiro que seria liberado ao banco.

A quantia solicitada ultrapassa 283 bilhões de reais na cotação atual, o que é um valor exorbitante visto de forma isolada.

Após algumas horas, o Banco Central da Suíça informou que iria injetar a bagatela de mais de 53 bilhões de dólares no banco, para ajudar em sua recuperação durante os tempos de crise.

E o que veio depois do anúncio de ajuda feito pelo Banco Central da Suíça?

Logo após a informação de que o Banco Central da Suíça iria auxiliar o Credit Suisse começar a circular, já foi possível perceber novas movimentações no setor de ações da instituição, sendo elas, desta vez, muito positivas.

As ações promissoras do Credit Suisse saltaram mais de 40%, e o banco pôde fechar o dia com uma alta de 18,68%.

Apesar do valor ser considerado ótimo por especialistas, ele ainda é 11% menor do que o valor do início da semana, pois, na segunda-feira (13), as ações valiam em média 2,26 francos suíços, contra os 2,00 atuais.

Como fica o Banco Central da Arábia Saudita nesse cenário?

Quando o Banco Nacional Saudita anunciou que não iria mais investir no banco suíço, a notícia rapidamente provocou alterações violentas na instituição financeira.

Ammar al-Khudairy, presidente do Banco Nacional Saudita, não mediu suas palavras e falou abertamente que o Banco Saudita já “não tinha absolutamente nenhuma intenção de continuar investindo no Credit Suisse”.

O debate que gira em torno dessa nova atualização é que o Banco Nacional Saudita possui apenas 10% de todo o capital do Credit Suisse. Mas, então, por qual motivo ele afetou tanto assim as ações do banco suíço?

Acredita-se que seja porque o Banco Saudita é influente na região do Oriente Médio, e, além disso, o sistema bancário mundial já se comporta de maneira receosa após a falência dos bancos norte-americanos mencionados anteriormente.

O impacto dessa história para outras bolsas de valores

Se engana quem pensa que apenas o Credit Suisse saiu “machucado” dessa história toda.

As bolsas de valores de Londres (Inglaterra), Frankfurt (Alemanha), Paris (França), Milão (Itália) e Madri (Espanha) igualmente sofreram os efeitos negativos em seus índices, tendo apresentado queda de mais de dois pontos percentuais.

Nos Estados Unidos, os indicadores de Wall Street operaram na linha vermelha também, assim como o Ibovespa do Brasil, atingido por uma queda maior do que 1%.

O que é essa “liquidez” que tanto se discute?

De acordo com a rede CNN Brasil, liquidez é um indicador amplamente utilizado para “avaliar a capacidade de pagamento de instituições financeiras em relação a suas obrigações”. 

Parafraseando as palavras do próprio Banco Central do Brasil, a liquidez pode ser vista como uma medida. E essa medida confere quanto de recurso se tem disponível para fazer uma compra ou quitar um pagamento. 

Por essa razão, falar em liquidez é falar em dinheiro, certo?

O único problema é que os recursos, quando não são bem administrados, acabam se perdendo em meio a um mar de reações negativas do mercado, e, assim, empresas, investidores, países e seus respectivos bancos e bancos centrais são prejudicados, como foi o caso do Credit Suisse.

Por que as bolsas de valores são importantes para o mercado? O que são elas, exatamente?

São vários termos utilizados no ramo da economia que causam confusão, e “Bolsa de Valores” é um deles. Muitas pessoas nem sabem o que ele significa. Porém, se você tiver dúvidas, preste atenção nesse resuminho para entender melhor o que quer dizer essa que é uma das expressões mais famosas da Economia.

As bolsas de valores são, basicamente, ambientes nos quais estão concentradas as negociações de valores mobiliários, incluindo ações, títulos de dívida, contratos futuros, commodities e outros produtos financeiros.

A Bolsa de Valores brasileira, por exemplo, conhecida como B3 (sigla para Brasil, Bolsa, Balcão) tem como função garantir que exista um ambiente em que possam ser feitos negócios transparentes com os valores mobiliários. Para isso, a B3 é regulamentada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e é estabelecido que os investidores devem utilizar corretoras na hora de vender ou comprar ações.

A existência de Bolsas de Valores é bastante importante por permitir que as empresas cresçam a partir da venda de uma parte de seu capital social, em vez de precisar contar sempre com empréstimos e financiamentos para suprir suas necessidades e cumprir com objetivos financeiros.

____________________________________
Por Maísa Siena – Fala! Universidade Cruzeiro do Sul

ARTIGOS RECOMENDADOS