'Tratamento de Realeza’: Por que assistir o novo romance da Netflix?
Menu & Busca
‘Tratamento de Realeza’: Por que assistir o novo romance da Netflix?

‘Tratamento de Realeza’: Por que assistir o novo romance da Netflix?

Home > Entretenimento > Cinema e Séries > ‘Tratamento de Realeza’: Por que assistir o novo romance da Netflix?

Nesta quinta-feira (20), Tratamento de Realeza foi adicionado ao amado catálogo da Netflix com o protagonismo de Laura Marano e Mena Massoud, que interpretam o casal já reconhecido pelas histórias que envolvem a coroa e a plebe.

Se o Mena Massoud representou o personagem principal em Aladdin (2019), no live-action da Disney, que mostrava aquele jovem sonhador da periferia de Agrabah, agora a interpretação muda para um verdadeiro príncipe de Lavania, o Thomas, que pouco se dá conta da pobreza dos súditos. Apesar de ser um monarca promissor, que teria a capacidade de promover uma mudança verdadeira no território, Thomas se encontra encurralado no título de príncipe e precisa se casar com uma jovem rica, a qual tem grandes ideias de negócios para as bolsas de cachorro. Sim, bolsas de cachorro. 

Mena Massoud é o príncipe de novo filme da Netflix, "Tratamento de Realeza".
Mena Massoud é o príncipe de novo filme da Netflix, “Tratamento de Realeza”. | Foto: Reprodução.

Contudo, a verdadeira protagonista desse romance é interpretada pela Laura Marano, que você pode conhecer pela série Austin & Ally, mas também tem a marca da realeza na sua carreira, já que essa foi a personagem principal em O Natal de Cinderela (2019), da Netflix. A também conhecida como Izzy, é uma jovem cabeleireira de Nova Iorque, que ganha a chance de trabalhar no casamento real de Thomas e sua noiva Lauren (Phoenix Connolly), junto com suas amigas e companheiras de trabalho no salão de beleza Bellissime. Mesmo com a exploração do Doug , uma mãe receosa e o fim da sua renda para viajar ao mundo, Izzy ainda encontra motivos para continuar a ser gentil, atenciosa e uma ótima profissional.

Com toda a descrição, é possível perceber que o novo romance da Netflix consegue repetir as fórmulas que já deram certo. A velha história do príncipe que se apaixona pela plebeia, mas que não pode realizar seu desejo porque necessita do casamento para sustentar seu reino, somado a isso, o filme também mostra o interesse financeiro do rei (Paul Norell) de Lavania acima das vontades de seu filho, ou seja, um clichê de prato cheio! 

Dirigido por Rick Jacobson e roteirizado por Holly Hester, ‘Tratamento de Realeza’ peca em alguns pontos como a falta de aprofundamento do príncipe Thomas, além da pouca iniciativa do futuro monarca de Lavania com o próprio povo, somado a isso, outro ponto não tão explorado foi a “pincelada” pela família de origem italiana da protagonista Izzy.

Para quem indicar Tratamento e Realeza da Netflix?

Veja a nova produção da Netflix com Lara Marano.
Veja a nova produção da Netflix com Lara Marano. | Foto: Reprodução.

Toda obra tem um público-alvo e Tratamento de Realeza não seria  diferente. Apesar do filme não ter nenhuma surpresa e repetir clichês, a obra pode ser indicada para fãs de romance, principalmente aqueles que se acostumaram com o enredo em volta da realeza.

O filme tem classificação etária livre, conta também com cenas de alto-astral e tentativas de mudar o mundo. Aquele filmão da sessão da tarde para assistir com a família, sabe?  

Sinopse

Isabella tem o seu próprio salão de beleza, mas não tem papas na língua. Já o Príncipe Thomas tem o seu próprio país, mas não tem amor no matrimônio em que vai entrar por dever. Quando Izzy e as colegas recebem a oportunidade de uma vida para arranjar os cabelos para o casamento real, ela e o Príncipe Thomas descobrem que, para terem controle sobre os próprios destinos, têm de seguir o coração. 

Ficha técnica de Tratamento e Realeza

Título Original: The Royal Treatment
Duração: 1h37min
Lançamento: 20 de janeiro de 2022
Distribuidora: Netflix
Dirigido por: Rick Jacobson
Classificação: Livre
Gênero: Romance, Comédia
País de Origem: EUA

_____________________________________________

Por Amanda Marques – Fala! UFPE

Tags mais acessadas