Rock para bebês - Conheça o projeto da Biquíni Cavadão
Menu & Busca
Rock para bebês – Conheça o projeto da Biquíni Cavadão

Rock para bebês – Conheça o projeto da Biquíni Cavadão

Home > Música > Rock para bebês – Conheça o projeto da Biquíni Cavadão

Uma das coisas mais fascinantes que a música pode nos proporcionar é a união. Seja em um mega show quando você está cantando o mais alto que consegue, extravasando e percebe que a pessoa ao seu lado, em muitos casos até um estranho, faz o mesmo e, então, de imediato, vocês passam a cantar um para o outro, ou em um momento mais íntimo quando se olha para a roda de amigos e uma música específica jamais pareceu se adequar tão bem a alguém.

Igualmente belo é quando a experiência de escutar uma canção vai muito mais além do ouvir e passa para o sentir. Às vezes, temos a sensação de que uma certa banda fez uma letra em particular só para um momento específico de nossas vidas, como se o que vivêssemos naquele instante tivesse servido de molde, fazendo parecer até que quem escreveu sabia perfeitamente o que queríamos ouvir ou falar. 

Quantos de vocês não tiveram alguma etapa da vida cantada por grandes bandas de rock’n roll, como Legião Urbana e Paralamas do Sucesso? Quantos não sentiram um tédio quase que sem solução com Biquíni Cavadão ou uma atração de dar água na boca por alguém tal como aconteceu com a Rita Lee?

Publicidade

Ainda melhor do que sentir isso, sem dúvidas, é poder passar essas músicas, álbuns ou bandas para que outros tenham a oportunidade de vivenciar experiências semelhantes. Entretanto, o que fazer quando se tem um desejo de partilhar essas canções com alguém, mas existe uma diferença enorme entre o seu mundo e o dela? Como proceder quando se trata de compartilhar essas composições com um bebê?

Logomarca Rock Your Babies.
Logomarca Rock Your Babies. | Foto: Reprodução.

Pensando nos papais roqueiros que desejavam apresentar aos seus filhos algo diferente e que também tenha sido bastante significativo em suas vidas, Bruno Gouveia e Carlos Coelho, respectivamente vocalista e guitarrista da banda Biquíni Cavadão, desenvolveram, em 2013, um projeto que modificava grandes sucessos do rock brasileiro para arranjos melódicos infantis, o Rock Your Babies.

Tudo começou quando Bruno Gouveia e Carlos Coelho encontraram uma série importada de CDs para bebês com o melhor que o rock internacional poderia oferecer, arranjos que simulavam caixinhas de músicas. Unidos ao empresário da banda, Julio Quattrucci, aos músicos arranjadores Geovanni Andrade e Dudu Trentin, ao designer Ricardo Leite e ao animador Adolfo Castro, deram início ao trabalho. 

Publicidade

Três coletâneas foram lançadas, exibindo sucessos de Pato Fu, Leoni, Charlie Brown JR, Plebe Rude, Blitz, Leo Jaime, CPM22, Capital inicial, Mamonas Assassinas, Fresno, Lobão, Pitty, Ira!, Raul Seixas, Inimigos do Rei, Lulu Santos, Nenhum de Nós, Ultraje a Rigor, Os Mutantes, Raimundos, Detonautas, O Rappa, RPM e NX Zero. 

Capa das três coletâneas lançadas pela Rock Your Babies.
Capa das três coletâneas lançadas pela Rock Your Babies. | Foto: Reprodução.

Ao todo, foram publicados nove CDs que compreendiam grandes sucessos transcritos do universo do rock para o infantil, realizações das bandas Barão Vermelho, Titãs, Engenheiros do Hawaii,Skank, Paralamas do Sucesso, Jota Quest, Rita Lee, Biquíni Cavadão e Legião Urbana.

Cada um desses CDs apresenta elementos que fazem referência a itens de grande significado para cada grupo. As letras foram transformadas em karaokê, possibilitando o envolvimento de crianças mais velhas. Loops animados foram incluídos, na tentativa de aprimorar a experiência dos pequenos e, como foi dito em um vídeo lançado em uma das redes sociais da Biquíni Cavadão sobre o assunto, um dos desejos da equipe responsável pela realização do projeto é fazer com que essa experiência se torne um momento único, permitindo que o rock continue unindo gerações.

Capa dos nove CDs lançados pela Rock Your Babies.
Capa dos nove CDs lançados pela Rock Your Babies. | Foto: Reprodução.

________________________________________
Por Heloisa Vasconcelos – Fala! UFPE

Tags mais acessadas