'Riverdale': Leia uma resenha crítica sobre a quarta temporada
Menu & Busca
‘Riverdale’: Leia uma resenha crítica sobre a quarta temporada

‘Riverdale’: Leia uma resenha crítica sobre a quarta temporada

Home > Entretenimento > Cinema e Séries > ‘Riverdale’: Leia uma resenha crítica sobre a quarta temporada

 Apesar da considerável demora para ser adicionada ao cardápio variado da Netflix, a quarta temporada de Riverdale atinge um excelente número de visualizações na plataforma, estando, em praticamente todos os dias desde a sua chegada ao streaming mundial, no TOP 10 dos mais assistidos no Brasil.

Riverdale
Na imagem, os protagonistas, da direita para a esquerda, Veronica Lodge, Jughead Jones, Betty Cooper, Archie Andrews e Cheryl Blossom e o coadjuvante Kevin Keller. | Foto: Reprodução.

Quarta temporada de Riverdale

Com 19 episódios recheados de tensão ao estilo Riverdale, a mais recente temporada não vem para dar início ou estabelecer novas tramas, com personagens totalmente novos e outras conjunturas.

Acertou quem esperava uma quarta temporada focada na continuação e nas consequências dos principais acontecimentos das épocas passadas que foram temas centrais, como o assassinato de Jason Blossom (que funciona como um ‘ponto de partida’ para a série e para os enormes imbróglios que viriam a cair sobre a pacata cidadezinha de Riverdade), na primeira temporada, o surgimento de um Serial Killer perturbador e amedrontador autodenominado ‘Gorro Negro’, na segunda, e o aparecimento de um seita, nos arredores da cidade, especializada em lobotomia e tráfico de órgãos, intitulada de ‘Fazenda’, na terceira e última temporada até então.

Apesar de ter ficado em evidência boa parte da season 3, o amaldiçoado jogo de tabuleiro ‘Grifos e Gárgulas’, mediado por um doentio e vingativo ‘Rei Gárgula’ e gatilho para muitas mortes e sequelas nos personagens, sequer foi mencionado em qualquer episódio da atual temporada, o que deixa implícito que os protagonistas e os habitantes de Riverdale em geral já superaram esse pesadelo perdurado por 2 gerações, uma vez que os pais dos principais personagens da trama jogaram o perigoso, porém tentador, G&G (e se arrependeram amargamente).

Trama

Archie e Fred Andrews

A nova temporada começa com Archie Andrews, enquanto lanchava na tradicional Choco-loja do Pop’s, recebendo um telefonema avassalador revelando que o seu pai, Fred Andrews, faleceu vítima de um acidente de trânsito em Cherry Creek (próxima à Riverdale). Em um episódio lento e melancólico, Veronica Lodge, Betty Cooper e Jughead Jones, amigos íntimos de Archie e cada vez mais inseparáveis desde o início da primeira temporada, tentam acolher o filho que acabara de perder o pai de uma forma tão dramática e precoce.

O que emociona ainda mais os fãs é o fato de que todo esse contexto não foi por acaso. Antes de iniciar as gravações, Luke Perry, ator que interpretou Fred na série por três temporadas, morreu vítima de um acidente vascular cerebral em 4 de março de 2019. Uma linda homenagem do elenco e direção, que dedicaram o episódio exclusivamente a Luke.

Cheryl Blossom

O que chama bastante atenção logo no início da temporada é a dificuldade de Cheryl Blossom em superar e aceitar a morte do seu irmão Jason – já relatada aqui anteriormente – que ocorreu no primeiro episódio da primeira temporada. Cheryl tinha uma relação forte e extremamente amorosa com Jason e a morte do rapaz (principal mistério da primeira temporada) foi considerado o estopim para uma desestabilização emocional e social de Cheryl, que, no decorrer da série, sofre com uma bipolaridade ardente e flutuações perceptíveis de humor.

Um tanto quanto macabro e sombrio, Cheryl esconde, em uma espécie de capela em um pequeno quartinho nos fundos da casa que habita com sua namorada, Toni Topaz, o corpo bem preservado do seu finado irmão como uma forma de tê-lo ao seu lado mesmo após sua morte.

Cheryl ainda tem que lidar, ao longo da temporada, com a revelação feita pela sua avó, que também mora com ela, de que, ainda no útero, teria devorado seu irmão Julien. Cheryl fica visivelmente abatida e busca investigar toda essa situação, efetuando um exame com sua saliva para constatar se possui DNA duplo, o que, se positivo, significaria que, de fato, Cheryl devorou seu irmão. Para o seu alívio, o exame atesta que Cheryl não possui DNA duplo, tirando um peso de suas costas. Uma história bem padrão Riverdale, não é?

Jughead Jones

Talvez o maior dos mistérios dessa temporada tem Jughead Jones, exímio escritor e namorado de Betty Cooper, como alvo principal. Após aceitar continuar seus estudos em uma renomada escola que valoriza escritores jovens e promissores – a elitista Stonewall – Jones vai aos poucos descobrindo planos e segredos obscuros da instituição ao ganhar o prêmio de ‘Ghost Writer’ (escritor fantasma, traduzindo) de uma franquia de livros do romance policial Os Irmãos Baxter, uma das suas prediletas, e virar alvo de uma perseguição dos seus colegas de classe que não conseguiram adquirir o título vencido por ele (o vencedor do prêmio ‘Ghost Writer’ recebe o privilégio de escrever o próximo livro da franquia).

Jughead, apaixonado por investigações criminais, presencia, em plena sala de aula, o seu professor, Mr. Chipping, suicidar-se ao se jogar pela janela após o estudante ter conversado com o docente sobre uma polêmica envolvendo seu avô, Forsythe, com o diretor atual de Stonewall, Mr. Dupont, no que se refere à patente do Irmãos Baxter.

Ao longo dos episódios, a situação vai ganhando contornos dramáticos e apreensivos e o telespectador se surpreende com uma possível morte de Jughead – um impacto que traz uma dor terrível aos tantos fãs de Jones na série. Resumindo, ele descobre que há uma tradição nos bastidores da escola que exige a morte de um estudante novato e comumente vencedor do prêmio de Ghost Writer para que o senhor Dupont, que escrevera mais de 3 livros da mesma franquia, ceda o título de escritor ao estudante assassino. É revelado, na sequência da série, que Dupont e Chipping escreveram e publicaram livros justamente por terem cometido ou ajudado a cometer homicídios contra diversos estudantes em décadas passadas.

Após uma gigantesca articulação dos colegas a mando de Dupont, Jughead, em uma festa de Halloween da escola, é atraído para dentro da floresta e atingido com uma pedra por outra estudante e quase morre. Os alunos tentam incriminar Betty ao utilizarem um pó químico conhecido como ‘sopro do diabo’ e hipnotizá-la para que ela segure, paralisada e sem reação, a pedra ensanguentada ao lado do ‘corpo’ de Jughead.

O plano dos garotos de Stonewall dá terrivelmente errado ao descobrirem, após suspeitarem, que Jones não morreu e está escondido em um bunker abandonado na floresta. Aos poucos, o complô contra ele, encabeçado pelos alunos Donna e Bret, carrascos de Jughead desde a sua chegada em Stonewall, vai se decompondo após o casal perito Bughead (Betty + Jughead) articular e descobrir tudo por trás dessa tenebrosa história.

Jughead
Jughead ao lado de alguns colegas de classe na desafiadora Stonewall. | Foto: Reprodução.

Todo esse repertório só evidencia que, em Riverdale, tudo pode acontecer e nada mais surpreende. De fato, o desenrolar da história prende o telespectador e o faz não conseguir parar de assistir, querendo logo descobrir o que acontecerá com Jughead e que fim levarão os estudantes da quase seita de Stonewall.

Todavia, é evidente que algumas situações instauradas no enredo para levar a uma ‘vitória’ de Jones sobre os ambiciosos da escola parecem ligeiramente forçadas e contraintuitivas, como, por exemplo, ele conseguir sobreviver depois de uma forte pancada de uma pedra na cabeça alegando que o que amorteceu o impacto foi o seu inseparável gorro, fingir estar morto para uma cidade inteira com o auxílio de seus amigos mais próximos e da sua família, assim como se maquiar para parecer um cadáver na sala do necrotério a fim de tentar afastar as suspeitas de que ele estaria vivo e escondido.

A estratégia, muito utilizada pela direção da série, de mostrar clipes curtos do que está por vir nos episódios posteriores dá ao telespectador aquela ‘pulga atrás da orelha’ e impulsiona ainda mais o suspense típico de Riverdale, configurando-se como um super ponto positivo.

Veronica e Hiram Lodge

 A ferrenha disputa entre Veronica Lodge e seu pai, Hiram Lodge, parece esquentar ainda mais. No fim da terceira temporada, Hiram, homem ambicioso e poderoso em Riverdale, é preso por corrupção junto com a mãe de Veronica, Hermione. A garota, determinada e destemida, crava como seu principal objetivo naquele momento a soltura de sua mãe da cadeia e a permanência, pelo maior tempo possível, do seu pai na carceragem.

Veronica alcança sua meta, mas, como nem tudo são flores, Hiram também consegue sua liberdade com a ajuda da irmã até então desconhecida de Veronica, que desembarca em Riverdale vinda de Miami, Hermosa Lodge. A partir daí, inicia-se uma corrida pela hegemonia nos negócios de Riverdale. Veronica, desde a terceira temporada, possui um bar/pub nos fundos da Choco-loja do Pop’s, carinhosamente conhecido como ‘inferninho’, para ter uma fonte de renda e tornar-se independente do seu pai abusivo.

Logo após sair da prisão, Hiram anuncia, pessoalmente a Veronica, que será candidato a prefeito. Como não havia qualquer concorrente na disputa pela prefeitura, Hiram foi automaticamente, em poucos dias, empossado do cargo de prefeito. Percebendo que o pai ficara mais poderoso, Veronica parte para um novo negócio quando decide fabricar e vender Rum, mas logo é frustrada ao saber que a patente de rum pertence exclusivamente a Hiram, mesmo estando presente na família Lodge há várias gerações.

Veronica, então, tem a brilhante ideia de, junto a Cheryl e a consolidada fonte de xarope de bordo da família Blossom, formar uma junção entre rum e o xarope para que Hiram não pudesse processá-las utilizando a patente. A estratégia dá muito certo, o que faz com que Hiram fique preocupado. No meio da disputa, Hiram descobre que possui uma doença degenerativa que atrofia, aos poucos, os músculos do corpo e pede que toda a família una-se novamente. Como a temporada termina com muitas questões em aberto, o telespectador não sabe o que acontece com o negócio de Veronica e Cheryl e como Hiram lida com a doença.

O que pode-se observar dessa disputa é um empoderamento feminino. Cheryl e Veronica aparentam ser apenas duas adolescentes sem qualquer condição de administrar e gerenciar um negócio grandioso do ramo de bebidas. Entretanto, ao longo da trama, as duas se tornam um grande empecilho no caminho de Hiram que, embora poderoso e influente, apresenta claras dificuldades em lidar com as meninas.

Diretor Honey

Se não bastasse todos esses acontecimentos praticamente simultâneos envolvendo a maioria das personagens, os estudantes do último ano da Escola Riverdale ainda tiveram que encarar a fúria do diretor Honey, substituto do diretor Weatherbee, presente nas últimas três temporadas. O novo diretor dirige a escola de forma autoritária, o que desagrada os alunos.

Em três dos mais variados casos de desentendimento entre ele e os discentes, Honey não aprova a apresentação de Kevin em um show de talentos da escola, argumentando que o musical seria vulgar e inapropriado ao ambiente escolar, irrita Betty ao não publicar o anuário escolar do último ano, no qual ela passara noites em claro confeccionando-o, e inventa várias desculpas esfarrapadas para cancelar o baile de formatura.

Nos episódios finais, os estudantes planejam uma forte vingança contra o diretor, mas nada sai do papel. Porém, uma onda de reclamação dos pais, motivada pelas queixas dos filhos, fez com que o Mr. Honey deixasse o cargo de diretor.

jughead morto
Diretor Honey, frequentemente criticado pelos discentes de Riverdale. | Foto: Reprodução.

 Um enorme ponto de interrogação persiste nesse caso, porque, embora sabemos que Honey saiu da escola Riverdale, ainda há uma dúvida de como se deu a sua saída, para onde foi e por quais motivos ele cancelou todos os bailes de formatura das escolas anteriores em que foi diretor, curiosidade dada por Betty após uma profunda investigação do histórico de Honey. Parece que ainda tem muito pano para manga nessa história, viu?

Em um novo mistério que parece assolar Riverdale, diversas fitas de vídeo cassete foram deixadas, várias vezes, na porta de muitas residências espalhadas pela cidade. A espécie de ‘gravador fantasma’ filmava a frente das casas escolhidas por horas e mais horas. Como de costume, os obcecados em desvendar mistérios Jughead e Betty mergulham, junto ao irmão de Betty, que trabalha no FBI, nesse caso para lá de esquisito. Eles descobrem que há uma locadora de vídeos repassadora de filmagens clandestinas que envolvem vídeos íntimos, sexuais e de assassinatos (como o de Jason, morto pelo pai, Clifford Blossom, e de Betty e Jughead tendo relações no dormitório da escola de Stonewall, filmado pelo perverso Bret na época em que Jones fazia parte do alunado).

Desfecho? Ainda não temos. O que se sabe é que Ethel Muggs, também envolvida anteriormente no jogo de tabuleiro ‘Grifos e Gárgulas’, aluga vídeos temáticos de terror por diversas vezes nessa loja e que, em alguns casos, as filmagens mostram atores interpretando os personagens com máscaras e ferramentas, como Betty Cooper atirando uma pedra na cabeça de Jughead, fazendo crer que ela tentou matar seu namorado no dia de Halloween da escola Stonewall.

Riverdale e a pandemia

Vale ressaltar que, a priori, a quarta temporada teria 22 episódios ao todo, porém, devido à pandemia do novo coronavírus, as gravações tiveram que acabar mais cedo, com apenas 19 episódios. O diretor principal da temporada, Ted Sullivan, anunciou que os outros 3 episódios serão incorporados à quinta temporada que, ao que tudo indica, terá 25 longas partes. Por isso que tantos casos terminaram a temporada quatro sem desfecho ou explicações.

Outras tantas situações rolaram concomitantemente aos citados acima, como a aparição, pela primeira vez, de Dodger, traficante recrutador de jovens e inimigo de Archie, o desentendimento de Kevin Keller com Terry, vendedor de vídeos cujos atores fazem cócegas uns nos outros, após Keller planejar abrir o seu próprio canal de vídeos do mesmo gênero e Terry não aceitar a ideia de ter concorrência, a volta surpreendente de Nick Sinclair (protagonista de uma tentativa de estupro contra Cheryl), o fim da ‘Fazenda’ com a morte do líder, Edgar Evernever, acompanhada da prisão do seu braço-direito, Evelyn Evernerver, e as expectativas dos estudantes do último ano para o ingresso no mundo universitário – Jughead foi aceito em Yale, mas passou a vaga para Betty após os problemas ocorridos em Stonewall (ela já havia tentado uma vaga em Yale, mas não foi aceita por ser filha do falecido Hal Cooper, nada mais nada menos que o ‘Gorro Negro’). Veronica consegue uma vaga em uma prestigiosa universidade de Nova York e Archie passa por uma análise da Faculdade Naval.

riverdale 4 temporada
Edgar, líder da seita, antes de ser morto por Alice Cooper, mãe de Betty. | Foto: Reprodução.

 A quarta temporada de Riverdale, mesmo com alguns defeitos isolados, conseguiu entregar um enredo envolvente e hipnotizante. Fica claro que tudo pode acontecer em Riverdale (que deixou de ser tranquila e ‘good vibes’ há um tempinho). O que, mesmo sem querer, deu um ar mais misterioso a essa temporada foi a postergação dos três últimos episódios para a temporada subsequente, abrindo espaço para teorias dos fãs e para a ansiedade que parecerá infinita até o lançamento da continuação. Esperemos!

_______________________________
Por Raul Holanda – Fala! UFPE

Tags mais acessadas