Quais são os patrimônios da humanidade brasileiros?
Menu & Busca
Quais são os patrimônios da humanidade brasileiros?

Quais são os patrimônios da humanidade brasileiros?

Home > Entretenimento > Cultura > Quais são os patrimônios da humanidade brasileiros?

“Abençoado por Deus e bonito por natureza”. É assim que o cantor Jorge Ben Jor descreve o nosso país tropical, o Brasil. Conhecido mundialmente por suas belezas naturais, a terra do samba e do futebol é, certamente, um paraíso na Terra.

Não é por menos que o Brasil, com 22 sítios, é o segundo país da América Latina com mais Patrimônios da Humanidade reconhecidos pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco), ficando atrás apenas do México com 31.

Que tal conhecer alguns desses bens culturais e naturais brasileiros?

Patrimônios da Humanidade da brasileiros

Paisagem cultural do Rio de Janeiro

Rio de Janeiro
Rio de Janeiro. | Foto: Reprodução.

Bem cultural inscrito em 2012, a cidade do Rio de Janeiro é a 1 ª cidade eleita Patrimônio Cultural da Humanidade. A cidade maravilhosa, onde a paisagem urbana se mistura com a natureza, tem como famosos símbolos o Cristo Redentor, o Pão de Açúcar e a vista da Baía de Guanabara. “A paisagem carioca é a imagem mais explícita do que podemos chamar de civilização brasileira, com sua originalidade, desafios, contradições e possibilidades.” (Unesco/BPI).

Parque Nacional do Iguaçu

Parque Nacional do Iguaçu
Parque Nacional do Iguaçu. | Foto: Reprodução.

Esse bem natural localizado no Paraná foi inscrito em 1986. Assim como sua contraparte argentina de mesmo nome, o Parque Nacional do Iguaçu brasileiro possui uma das maiores e mais impressionantes cascadas do mundo, com uma largura de mais de 2.700 metros.

O parque é lar de diversas espécies de fauna e flora em extinção como a ariranha e o tamanduá-bandeira. “As nuvens de bruma das cascadas propiciam o desenvolvimento de uma vegetação exuberante.” (Unesco/BPI).

Centro Histórico de Olinda

Centro Histórico de Olinda
Centro Histórico de Olinda. | Foto: Reprodução.

O centro histórico de Olinda – cidade vizinha de Recife, capital de Pernambuco – é um bem cultural inscrito em 1982. Essa área histórica remete ao início da colonização portuguesa no Brasil, no século XVI, quando se oficializou como sede da Capitania de Pernambuco.

O conjunto arquitetônico, urbanístico e paisagístico foi tombado pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) em 1968. “A arquitetura equilibrada de seus edifícios e jardins, assim como a de seus vinte templos barrocos, conventos e numerosos “passos” (capelas), dá a esta cidade um encanto muito especial.” (Unesco/BPI).

Complexo de Conservação da Amazônia Central

patrimônios brasileiros
Complexo de Conservação da Amazônia Central. | Foto: Reprodução.

A área inscrita em 2000 e ampliada em 2003 possui mais de seis milhões de hectares e é uma das regiões mais ricas do planeta em biodiversidade. O complexo conta com inúmeros exemplos de ecossistemas de várzea, florestas de igapó, lagos e canais – onde vive a maior variedade de peixe elétrico do mundo.

Ele é formado pelo Parque Nacional do Jaú (inscrito em 2000), o Parque Nacional Anavilhanas (inscrito em 2003) e as reservas do Desenvolvimento Sustentável Mamirauá e Amanã, todos no Estado do Amazonas. 

Paraty e Ilha Grande 

Paraty
Paraty e Ilha Grande . | Foto: Reprodução.

O mais recente patrimônio brasileiro reconhecido, esse bem misto (cultural e natural) foi inscrito em 2019 e inclui o centro histórico de Paraty, uma das cidades costeiras mais bem preservadas do Brasil, além de quatro áreas naturais protegidas da Mata Atlântica brasileira.

Paraty abriga uma diversidade de espécies, algumas das quais estão ameaçadas, como a onça-pintada e o macaco-aranha, um primata endêmico da região. No final do século XVII, Paraty foi o ponto final do Caminho do Ouro. “O centro histórico de Paraty manteve seu plano do século XVIII e grande parte de sua arquitetura colonial que data do século XVIII e início do século XIX.” (Unesco/ERI).

_______________________________
Por Lucas Oliveira Leal – Fala! UFRJ

Tags mais acessadas