Opinião: Por que jornalistas não estão cobrindo coletivas no Alvorada?
Menu & Busca
Opinião: Por que jornalistas não estão cobrindo coletivas no Alvorada?

Opinião: Por que jornalistas não estão cobrindo coletivas no Alvorada?

Home > Notícias > Urbano > Opinião: Por que jornalistas não estão cobrindo coletivas no Alvorada?

Arrogância, palavrões, xingamentos gratuitos, ameaças… estas e outras formas de agressões constantes fazem com que jornalistas e veículos de comunicação deixem, com o passar do tempo, de fazer coberturas jornalísticas sobre declarações do presidente Jair Bolsonaro, direto do Palácio da Alvorada.

Figuramente, o Alvorada transformou em “alvo” jornalistas e veículos de imprensa que reportam situações constrangedoras e escandalosas do Governo Bolsonaro. Se não bastasse o próprio presidente, Bolsonaro ainda ganha o apoio de correlegionários que, em certos momentos, chegam a apresentar um comportamento de alinhenamento político contra repórteres que estão lá para ouvir o presidente, constrangendo e até chantageando os profissionais de imprensa.

Bolsonaro não tem boa relação com a imprensa
Bolsonaro não tem boa relação com a imprensa. | Foto: Reprodução.

A relação entre Bolsonaro e a imprensa

Jornalistas do jornal Folha de S. Paulo e dos veículos do Grupo Globo (TV Globo, GloboNews, rádio CBN, jornal O Globo e G1), são os mais atacados. Recentemente, a Folha e o Grupo Globo suspenderam suas coberturas na porta do Alvorada, alegando insegurança física de seus profissionais.

Mas não são apenas jornalistas da Globo e da Folha que são agredidos e ameaçados! Repórteres de outras empresas também são criticados pelo presidente e pelos apoiadores.

Quando Bolsonaro manda um repórter se calar, afomenta ainda mais o comportamento inadequado de correligionários que, além de vibrarem contra os jornalistas, replicam as atitudes grotescas contra os profissionais.

Quem tem que garantir a segurança dos jornalistas na porta do Palácio da Alvorada é o Gabinete de Segurança Institucional, o GSI, liderado pelo general Augusto Heleno, que afirmou, em nota, que o GSI garante a segurança física dos profissionais de imprensa, mas não consegue evitar os xingamentos.

Bolsonaro classifica a Folha de S. Paulo e a Rede Globo como inimigas e exige que os repórteres das demais empresas não sejam “importunadores” e “manipuladores” como os da Globo e da Folha. Mas Bolsonaro responde perguntas que o convém e ignora e, não raramente, ataca repórteres que realizam perguntas que o incomodam.

Num regime democrático, a imprensa livre é um pilar fundamental que deve ser preservado, o que não está acontecendo no Palácio da Alvorada, com repressão da mídia por parte de apoiadores e até do próprio presidente, o que é um agravante de peso nesta situação. Esperemos que tal ataque contra a imprensa na porta da residência oficial da presidência não seja o simbolismo de uma alvorada de censura maciça contra o jornalismo e nem contra a democracia.

Correlegionários do presidente atacam jornalistas em defesa do líder do Executivo
Correligionários do presidente atacam jornalistas em defesa do líder do Executivo. | Foto: Reprodução.

______________________________
Por Álvaro José – Fala! UFPE

Tags mais acessadas