Crise de gripe aviária na Rússia: saiba tudo sobre os casos no país
Menu & Busca
Crise de gripe aviária na Rússia: saiba tudo sobre os casos no país

Crise de gripe aviária na Rússia: saiba tudo sobre os casos no país

Home > Lifestyle > Saúde > Crise de gripe aviária na Rússia: saiba tudo sobre os casos no país

Saiba o que é a gripe aviária, que tem atingido a Rússia

Em 2021, após o início de um caos social e sanitário causado pela Covid-19, toda a nossa sociedade começou a ver as questões virais de uma maneira diferente. Começamos a tratar os dados de variantes de vírus já conhecidos de uma maneira diferente que um dia tratamos.

Ao impacto causado pela Covid-19, nunca antes nesse século tivemos uma situação parecida; o mais próximo de nós ficou no começo do século passado, com o surto global da Gripe Espanhola. Vendo tudo isso, todos e quaisquer dados que chegam a nós – mesmo aqueles menos alarmistas – devem ser tratados de uma maneira mais séria e cautelosa, afinal, a história está aqui para nos ensinar.

O H5N8 é uma variante da influenza A, o vírus é extremamente letal para a aves, sejam elas domésticas ou não, porém, seguindo o padrão do vírus, não deveria ser correlacionado aos humanos em geral. Mas as variantes dos vírus estão a cada dia nos mostrando que seu potencial de letalidade e contaminação estão aumentando cada vez mais. Então, no ano de 2021, sete pessoas foram contaminadas por um vírus que até então contaminava apenas aves em geral.

gripe aviária
Crise de gripe aviária na Rússia assusta população. | Foto: Divulgação/ Sociedade de Pediatria de São Paulo.

O que é a gripe aviária e por que está ligada à forma que nos alimentamos?

Da mesma forma que o coronavírus está presente na nossa sociedade pela baixa taxa de cuidado sanitário com os alimentos, tantos outros vírus que são inicialmente apenas transmitidos entre os animais de uma mesma espécie, hoje são transmitidos entre humanos com a mesma taxa de contaminação que um dia foi transmitido apenas entre os animais.

A Covid-19, acredita-se que teve início no mercado molhado (nome dado ao mercado onde são realizados os comércios de animais vivos para abate instantâneo), na cidade Wuhan, na China; causado pelo consumo de carne contaminada pelo contato de morcegos com pangolins.

Em 2009, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou estado de pandemia causado pela H1N1 – conhecida como gripe suína, acredita-se que teve início em meados de março daquele mesmo ano, no México; havia casos de alerta no mundo perante a situação, no Brasil não era diferente, afinal, entre 1977 e 1978, houve um surto de H1N1 que ficou conhecido como “Gripe Russa”. Coincidência, não?

Haveria tantos outros surtos de gripes que poderiam ser citados e ligados ao consumo de carne animal de maneira desenfreada, má armazenamento e pouca fiscalização dos órgãos de saúde locais.

H5N8 na Rússia

Ao que tudo indica, os casos da gripe russa são letais para as aves que são contaminadas por ela e foi a primeira vez que foi encontrada a cepa do vírus em humanos, todos os sete casos confirmados foram de trabalhadores de uma granja no sul da Rússia, os contaminados tinham contato direto com as aves e nenhum deles desenvolveu qualquer sintoma – o que não tranquiliza muito a situação, afinal, o vírus pode ter sido transmitido para outros humanos não identificados – e os estudos confirmam que a gripe não é transmissível de humanos para humanos.

No início da terceira semana de fevereiro de 2021, as autoridades informaram à OMS que houve um surto do vírus entre as aves do local em dezembro de 2020, e os trabalhadores tiveram contato direto com esses animais.

“Todos os indivíduos contaminados com a variante aviária não causaram nenhuma prolongação do caso”, afirma Anna Popova, chefe do órgão sanitário. Mas casos como esses devem ser analisadas de uma maneira mais complexa, afinal, é a primeira vez que H5N8 foi encontrada em humanos.

Por sua vez, a situação era de se esperar. A variante H5N6, já tinha sido encontrada em humanos na China, no final dos anos 90. Existem casos de outras variantes, como a da H5N1, que a sua taxa de letalidade chega aos 60%, porém, não é algo comum entre os humanos, houve poucos casos (em escala global) das variantes em humanos.

Reiterando que não há (até hoje) a contaminação entre humanos, o vírus da gripe aviária dificilmente pode se transformar em uma situação global como a da Covid-19, o que “tranquiliza” os estudiosos da área. Contudo, de toda forma, os casos devem ser cuidados e monitorados para que não passemos por uma situação parecida com a que vivemos.

O estilo de vida, os alimentos, a quantidade de alimentos são situações que devem ser repensadas e colocadas em pauta nos próximos anos pela nossa sociedade. Existem pandemias em potencial que estão simplesmente aguardando o ambiente adequado para que entrem em ação.

________________________________
Por Luiz Eduardo Alcântara de Paula Souza – Fala! UFPR

Tags mais acessadas