Copa do Mundo 2022: as Eliminatórias da Oceania
Menu & Busca
Copa do Mundo 2022: as Eliminatórias da Oceania

Copa do Mundo 2022: as Eliminatórias da Oceania

Home > Notícias > Esporte > Copa do Mundo 2022: as Eliminatórias da Oceania

Daqui a um pouco mais de oito meses, a Copa do Mundo de 2022 terá início no Catar, reunindo 32 seleções dos quatro cantos do planeta. No momento, 15 países (Alemanha, Argentina, Bélgica, Brasil, Catar, Coréia do Sul, Croácia, Dinamarca, Espanha, França, Holanda, Inglaterra, Irã, Sérvia e Suíça) já estão com a sua vaga garantida. As posições restantes serão definidas nos próximos meses, tendo ainda X equipes vivas na disputa. Saiba mais sobre as Eliminatórias da Oceania para a Copa do Mundo 2022.

Copa do Mundo 2022
Seleções disputam para ser representante da Oceania. | Foto: Reprodução

As Eliminatórias da Oceania para a Copa do Mundo 2022

Diferente de outros continentes, a Oceania será a única federação que irá disputar as Eliminatórias em uma sede única fora do continente. Isso irá ocorrer por conta das restrições de viagem que alguns países da região possuem por conta da pandemia da Covid-19. Essa razão, inclusive, fez com que Samoa e Samoa Americana abandonassem a disputa. Já Tonga, não irá participar por conta da erupção do vulcão Hunga Tonga–Hunga Haʻapai, que atingiu o país em janeiro deste ano.

A competição ocorrerá no Catar entre os dias 17 e 30 de março e contará com oito seleções: Fiji, Ilhas Cook, Ilhas Salomão, Nova Caledônia, Nova Zelândia, Papua Nova Guiné, Taiti e Vanuatu. O vencedor do torneio se classificará para a repescagem internacional, em que enfrentará o 4º colocado das Eliminatórias da CONCACAF, para aí sim competir por uma vaga na Copa do Mundo. Confira como cada país chega para o campeonato:

Fiji

Fiji
Fiji nunca disputou a Copa do Mundo. | Foto: Reprodução

Com o primeiro jogo realizado em 1951, a Seleção de Fiji é uma das equipes que pode surpreender nesta Eliminatórias. Treinada pelo dinamarquês Flemming Serritslev, que já teve uma boa passagem na Oceania treinando a Papua Nova Guiné (2015 à 2018), o time conta principalmente com o talento do atacante Roy Krishna para vencer o torneio. Com passagem pelo futebol neozelandês, ele é um dos únicos do elenco que atua fora do país (é jogador do ATK Mohun Bagan, da Índia). Além disso, Roy é o 2º maior artilheiro da história da seleção, com 21 gols, e está a uma partida de ser o atleta que mais vestiu as cores de Fiji em todos os tempos.

Historicamente, Fiji nunca disputou uma Copa do Mundo, sendo vice-campeão das Eliminatórias em três oportunidades (1994, 1998 e 2002). Além disso, o país nunca venceu a Copa das Nações da OFC, tendo o terceiro lugar como o seu melhor desempenho em 1998 e 2008.

Ilhas Cook

Por conta da desistência de Tonga, Ilhas Cook se classificou diretamente para a fase de grupos das Eliminatórias da Oceania, já que, em um primeiro momento, as equipes se enfrentariam por uma vaga. Até hoje, o país só disputou duas Copas das Nações da OFC e nunca passou nem perto da disputa de uma Copa do Mundo.

Dentre os atletas convocados, oito jogam na Nova Zelândia, quatro na Austrália e apenas um na Inglaterra. Os destaques são o zagueiro

Benjamin Mata, atleta do Wellington Olympic (time amador neozelandês), o atacante Maro Bonsu-Maro, jogador do Manukau City-NZE, e o meia

Taylor Saghabi, o maior artilheiro da história do país com seis gols marcados em 10 partidas.

Ilhas Salomão

A Seleção de Ilhas Salomão, muito presente em Copas do Mundo de Futsal e Futebol de Areia, nunca conseguiu se classificar para a competição no futebol. Seu melhor desempenho foi o vice-campeonato em 2006 e 2018, quando foi derrotada pela Nova Zelândia de goleada nas duas oportunidades.

O time treinado pelo espanhol Felipe Vega-Arango tem como um dos principais destaques o capitão Micah Lea’alafa. Com passagem pelo Auckland City, ele também atua na equipe de futsal do país. Outro nome para ficar de olho é o atacante Raphael Le’ai, de 18 anos de idade. Um fenômeno local, Raphael já passou pela base do Wellington Phoenix e também joga na seleção de futsal das Ilhas Salomão.

Nova Caledônia

Território ultramarino francês, a Nova Caledônia chega na competição com uma baixa importante. O jovem meia Jekob Jeno, jogador do Grenoble Foot, da França, não irá representar o país no torneio. Por outro lado, o experiente zagueiro Wesley Lautoa, ex-Lorient e Dijon, irá estrear na seleção aos 34 anos de idade e deve ser o grande líder do time. Outro nome que merece destaque é o do atacante Bertrand Kaï, ídolo máximo local e maior artilheiro da Nova Caledônia com 23 gols em 41 jogos.

Seu melhor desempenho na Copa das Nações da OFC foram dois vice-campeonatos, em 2008 e 2012.

Nova Zelândia é a favorita para tentar uma vaga na Copa do Mundo 2022

Nova Zelândia
A Nova Zelândia é a grande favorita nas Eliminatórias da Oceania. | Foto: Reprodução

A maior potência da Oceania, principalmente após a saída da Austrália para a Federação Asiática, a Nova Zelândia entra nas Eliminatórias como a grande favorita a vencer o torneio e se classificar para a repescagem internacional. Presentes em duas Copas do Mundo, o país domina o continente, sendo pentacampeão da Copa das Nações da OFC.

Comparado a outros países, a Nova Zelândia possui um elenco fortíssimo e com jogadores de qualidade em todas as posições. No gol, Stefan Marinovic, com passagens pelo futebol alemão, inglês e canadense, é uma peça de confiança defendendo a meta. A defesa é formada pelos experientes

Winston Reid e Tommy Smith e pelos jovens talentosos Dane Ingham e Liberato Cacace.

No meio, Kosta Barbarouses é o destaque, mas com atenção para os promissores Marko Stamenic, Matthew Garbett e Ben Old. O homem-gol Chris Wood, segundo maior artilheiro da história do país e jogador do Burnley, é o principal atleta neozelandês no momento. Ao lado dele,

Elijah Just e Callum McCowatt irão dar o suporte ofensivo necessário.

Papua Nova Guiné

Treinada pelo brasileiro Marcos Gusmão, a Seleção de Papua Nova Guiné tem como principal esperança a qualidade ofensiva do atacante David Browne, jogador do HJK, da Finlândia. Outro atleta que merece atenção é o ponta Tommy Semmy, que atua no futebol australiano.

Depois de apenas ser eliminada na fase de grupos da Copa das Nações da OFC, a Papua Nova Guiné conseguiu um feito histórico e foi vice-campeã do torneio em 2016, perdendo apenas para a Nova Zelândia na final nos pênaltis.

Taiti

Participante histórico da Copa das Confederações de 2013, o Taiti é o único país que já conseguiu superar a Nova Zelândia na Copa das Nações da OFC, após a saída da Austrália para a Ásia. Além disso, o país teve um representante no último Mundial de Clubes, o AS Pirae, que foi eliminado logo no primeiro jogo contra o Al-Jazira, dos Emirados Árabes Unidos.

O elenco do país conta com quatro remanescentes do time que disputou a Copa das Confederações: o zagueiro Alvin Tehau, os meias Heimano Bourebare e Yohann Tihoni e o atacante Teaonui Tehau. Fora eles, outro nome destaque é o atacante Raimana Li Fung Kuee, bola de bronze na Copa do Mundo de Futebol de Areia de 2013 e que volta à seleção de futebol aos 36 anos de idade.

Vanuatu

A Seleção de Vanuatu chega com apenas três atletas que atuam fora do país: os zagueiros Brian Kaltak, jogador do Auckland City, e Jared Clark, do Croydon Kings (Austrália), e o meia Mitch Cooper, atleta do Hume City, também da Austrália.

Sem muito sucesso no esporte, a sua melhor colocação em Copas das Nações da OFC foi o 4º lugar, que ocorreu nas edições de 1973, 2000, 2002 e 2008.

*Nós, do projeto Esporte em Pauta, estamos realizando uma parceria com o Fala!; Se quiser ter acesso a mais conteúdos sobre os mais variados esportes, procure nossa página no Instagram (@esporte_em_pauta) e no Twitter (@EsportePauta).

_______________________
Por Victor Fardin – Fala PUC! 

Tags mais acessadas