Confira quais são os 10 melhores filmes baseados em histórias reais
Menu & Busca
Confira quais são os 10 melhores filmes baseados em histórias reais

Confira quais são os 10 melhores filmes baseados em histórias reais

Home > Entretenimento > Cinema e Séries > Confira quais são os 10 melhores filmes baseados em histórias reais

A vida real pode ser tão impressionante e imprevisível que nos entrega verdadeiros roteiros de cinema. Já dizia o famoso ditado “a vida imita a arte”, mas há vezes em que se pensa o contrário.

Veja aqui os 10 melhores filmes baseados em fatos reais e as histórias por trás deles

1 – Prenda-me Se For Capaz (2002)

Em Prenda-me Se For Capaz, de Steven Spielberg, Leonardo DiCaprio é Frank Abagnale Jr., um vigarista que, antes dos 17 anos, já era um dos ladrões mais sucedidos dos Estados Unidos. Mas, em seu encalço, está o agente do FBI, Carl Hanratty (Tom Hanks), que se utiliza de todos os meios para deter o criminoso. 

Além de passar cheques sem fundo, Frank também passou-se por médico, piloto de avião, advogado e várias outras profissões. Foi preso na França, em 1969, e depois foi extraditado para a Suécia, onde ficou em detenção por um ano pelo crime de falsidade ideológica. Mais tarde, um juiz revogou o passaporte de Abagnale, e ele foi obrigado a voltar para os Estados Unidos. Lá, foi sentenciado a doze anos de prisão. 

frank abagnale jr
Frank Abagnale Jr., o vigarista interpretado por DiCaprio no filme Prenda-me Se For Capaz. | Foto: Reprodução.

Porém, Frank Abagnale Jr. foi libertado no ano de 1974, sob a condição de que trabalhasse para o FBI, identificando fraudes monetárias. Anos depois, fundou a empresa Abagnale & Associates, na qual adverte o mundo dos negócios sobre fraudes. 

Baseado no livro Catch Me If You Can, escrito por Frank e co-escrito por Stan Redding, o filme foi indicado ao Oscar de ‘Melhor Ator Coadjuvante’, pela atuação de Christopher Walken como Frank Abagnale (pai do protagonista), e ‘Melhor Trilha Sonora Original’, para John Williams. 

2 – 12 Anos de Escravidão (2013)

A obra de Steve McQueen é baseada no livro de memórias de Solomon Northup (no filme, Chiwetel Eljiofor), um homem negro livre que é sequestrado e vendido como escravo, passando por pessoas que exploram seus serviços.

Escravizado por doze anos, foi formalmente liberto em 1853, ano em que escreveu Twelve Years a Slave. Northup foi um forte aliado do combate à escravidão nos Estados Unidos até a sua morte, em 1863.

Solomon Northup
Solomon Northup em gravura presente na sua autobiografia Twelve Years a Slave.| Foto: Reprodução.

12 Anos de Escravidão foi indicado a nove prêmios da Academia e venceu três, incluindo Melhor Filme.

3 – Touro Indomável (1980)

Estrelado por Robert De Niro, Touro Indomável é um filme dirigido por Martin Scorsese, que conta a história de Jake LaMotta, um boxeador peso-médio que, incapaz de demonstrar sentimentos, tem a sua vida profissional desestabilizada. É baseado na autobiografia Raging Bull, escrita em 1970. 

Com 83 vitórias, LaMotta ficou conhecido por derrotar o então invicto Sugar Ray Robinson (interpretado por Johnny Barnes), criando uma rivalidade que rendeu seis lutas históricas. 

Jake foi suspenso por suspeita de fraude em uma derrota para Billy Fox e, posteriormente, admitiu tê-lo feito para ganhar prestígio da máfia. Além disso, era conhecido por sua agressividade, ferindo a sua esposa Vikki (no filme, revivida por Cathy Moriaty) diversas vezes. 

jake lamotta
Boxeador Jake LaMotta, no qual Martin Scorsese se baseou para o filme Touro Indomável.| Foto: Reprodução.

Após se aposentar, LaMotta comprou bares, além de virar ator e comediante. Foi preso por autorizar a entrada de uma menor de idade em seu bar, além de introduzi-la a um homem mais velho. 

O clássico foi indicado a oito indicações ao Oscar na edição de 1981, vencendo dois: ‘Melhor Ator’, para De Niro, e ‘Melhor Edição’, para Thelma Schoonmaker. Jake LaMotta faleceu em 2017, aos 95 anos. 

4 – O Lobo de Wall Street (2013)

Nesse outro filme de Martin Scorsese, Leonardo DiCaprio faz o papel de Jordan Belfort, um ambicioso corretor da bolsa de valores de Nova York que cresce rápida e ilegalmente. Assim, seus métodos chamam a atenção da polícia.

A obra é baseada em dois livros do próprio Jordan Belfort, que contam a história por trás de um dos maiores escândalos financeiros dos Estados Unidos.

Jordan fundou a empresa Stratton Oakmont no final da década de 1980, onde obteve milhões de dólares vendendo penny stocks, ações com baixo valor de mercado, e depois passou a negociar IPOs (Ofertas públicas iniciais, processo pelo qual uma empresa se torna numa empresa de capital aberto) ilegalmente.

Em 1996, o esquema ilegal foi descoberto pelas autoridades. Como consequência, a Stratton Oakmont foi fechada e Belfort foi preso, acusado de fraudes imobiliárias e lavagem de dinheiro. Em 2003, consegui negociar uma pena de quatro anos com o FBI. Atualmente, Jordan escreve livros e é palestrante motivacional.

jordan belfort
Jordan Belfort, o Lobo de Wall Street.| Foto: Reprodução.

 A obra cinematográfica acumulou cinco indicações ao Oscar, mas saiu da cerimônia de 2014 de mãos vazias.

5 – A Rede Social (2010)

Vencedor de 3 indicações ao Oscar em 2011, o filme de David Fincher conta como o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg (Jesse Eisenberg), se tornou o mais jovem bilionário da história. Foi adaptado do livro The Accidental Billionaires, escrito por Ben Mezrich.

Estudante de Harvard, Zuckerberg sempre manteve o título de prodígio da programação, desenvolvendo diferentes programas (como o CourseMatch, que permitia que os usuários jogassem o clássico “Atari”). O principal deles foi o Facemash, um polêmico site que permitia que os usuários avaliassem garotas de Harvard.

Em 2004, em parceria com o brasileiro Eduardo Saverin (Andrew Garfield), lançou o Facebook, que virou febre entre os estudantes de universidades. Assim, Zuckerberg se mudou para o Vale do Silício e, a partir daí, uma série de polêmicas, devido à ejeção de Saverin do projeto começou.

Quatro anos depois, o Facebook já era uma das maiores redes sociais em atividade, e o seu dono entrou na lista da Forbes.

Mark Zuckerberg
Mark Zuckerberg, o criador do Facebook.| Foto: Reprodução.

Atualmente, Mark Zuckerberg possui um patrimônio líquido de 66,4 bilhões de dólares.

6 – A Lista de Schindler (1993)

 Em 1993, o diretor Steven Spielberg emocionou o mundo com uma obra que se transformaria em um dos grandes clássicos de cinema. A Lista de Schindler conta sobre como um membro do Partido Nazista se empenhou para salvar a vida de 1200 judeus durante o Holocausto.

Adaptado do livro Schindler’s Ark, do escritor australiano Thomas Keneally, o filme demonstra um dos maiores casos de amor à vida vistos. Com sua forte influência dentro do Partido Nazista, Schindler (interpretado por Liam Neeson) conseguiu abrir uma fábrica, na qual empregou mão de obra judia e evitou o envio de muitos para campos de concentração. 

Oskar Schindler
Oskar Schindler (1908-1974), o empresário que investiu dinheiro no salvamento de vidas.| Foto: Reprodução.

O filme foi reconhecido com sete estatuetas de ouro, entre elas a de ‘Melhor Filme’.

7 – Os Bons Companheiros (1990)

Em mais um filme de Martin Scorcese nessa lista, o ator Ray Liotta incorpora Henry Hill, um criminoso que praticamente cresceu na máfia. Gosta de de dinheiro e luxo, mas a ganância e as drogas tiram o rumo de sua vida.

Henry Hill e Ray Liotta
Henry Hill (à esquerda) e seu intérprete Ray Liotta.| Foto: Reprodução. 

Hill iniciou sua “vida gângster” ainda garoto, quando tentou roubar pneus de um posto de gasolina. Recusando-se a denunciar os colegas, ganhou respeito na família Lucchese, principalmente de James Burke (inspiração para a personagem Jimmy Conoway, interpretado por Robert De Niro).

Em 1963, Henry começou a desviar mercadorias e praticar roubos, entre eles o grande roubo da Lufthansa, maior dos Estados Unidos àquela época. 
Na década de 70, o mafioso começou a lidar com drogas e, apesar de ganhar muito dinheiro, passou a sofrer muito física e psicologicamente. 

Em abril de 1980, foi preso pela polícia. Paranoico com a possibilidade de ser assassinado por Burke, devido ao roubo do Lufthansa, Hill entregou todos os esquemas da máfia dos quais ele tinha conhecimento ao FBI. Então, foi enviado a um programa de proteção a testemunhas, recebeu uma nova identidade e foi morar no Nebraska.

Hill foi preso novamente, por posse de drogas, em 2001. Divorciado e desempregado, passou a ganhar dinheiro dando entrevistas e assistência a escritores, além de participar de filmes. Entre os filmes, Os Bons Companheiros, indicado a seis categorias do Oscar e vencedor de um (‘Melhor Ator Coadjuvante’, para Joe Pesci). Henry Hill faleceu no dia 12 de junho de 2012.

8 – Titanic (1997)

O filme do diretor James Cameron reconta, a partir de uma perspectiva romântica, a história do naufrágio do RMS Titanic, supostamente “inafundável”. Na obra, Jack (Leonardo Di Caprio) é um artista pobre que ganha uma passagem para o Titanic.

Lá, ele encontra Rose (Kate Winslet), uma jovem de uma família rica, casada com Cal (Billy Zane), filho de um metalúrgico. Quando o navio começa a afundar, Jack e Rose desafiam os perigos para permanecerem juntos.

titanic de verdade
O RMS Titanic, que inspirou o clássico de James Cameron| Foto: Reprodução.

Esse clássico do cinema recebeu 13 indicações ao Oscar e conquistou 11 estatuetas, inclusive de ‘Melhor Filme’ e ‘Melhor Diretor’.

9 – O Pianista (2002)

Adrien Brody virou o mais jovem a ganhar o Oscar de ‘Melhor Ator’, interpretando Wladyslaw Szpilman, um músico judeu da Polônia, vendo o seu país mudar radicalmente com o início da Segunda Guerra Mundial.

Forçado a se mudar para o Gueto de Varsóvia, é separado de sua família durante a Operação Reinhardt, iniciada 1942 pelo Terceiro Reich, com o objetivo de exterminar alguns grupos do Governo da Polônia, ocupada pela Alemanha Nazista. A partir desse momento, Szpilman passa a se esconder em diversos locais, evitando ser capturado. 

Wladyslaw Szpilman
Wladyslaw Szpilman, músico polonês sobrevivente do Holocausto cuja história é contada no filme de Polanski.| Foto: Reprodução.

Em 1945, pouco depois da Guerra, Szpilman escreveu o livro de memórias Smierc Miasta, fortemente censurado pelas autoridades comunistas. As memórias só foram reimpressas em 1998, publicadas sob o título de O Pianista.

Dois anos depois, Wladyslaw Szpilman faleceu, mas suas memórias foram revividas para o cinema nesse filme de Roman Polanski, pelo qual o cineasta venceu o Oscar de ‘Melhor Diretor’. O filme também venceu na categoria de ‘Melhor Roteiro Adaptado’. 

10 – Spotlight – Segredos Revelados (2015)

Vencedor do Oscar de ‘Melhor Filme’ e de ‘Melhor Roteiro Original’, Spotlight, de Tom McCarthy, conta a história de um grupo de jornalistas que investiga abusos de crianças por padres católicos, ocultados pela Igreja. Através de investigações, reúnem evidências que provam os crimes cometidos e o envolvimento de líderes religiosos que ocultaram os casos. 

A investigação foi feita pela equipe Spotlight, do jornal Boston Globe, que ocorreu em 2001. Começou quando o diretor do jornal, Marty Baron (interpretado por Liev Schreiber no filme), decidiu aprofundar o tema em uma coluna de jornal, com a ajuda da Spotlight. 

Marty Baron Spotlight
Marty Baron, editor que liderou as investigações dos casos de abusos de crianças por padres da Igreja Católica. | Foto: Reprodução.

Os casos de assédio começaram com o do Padre John Geoghan, acusado, em 1996, de abusar dos três filhos de uma mulher. A partir disso, vários relatos começaram a surgir, e o número de casos chegou a 70.

No ano seguinte, Eileen McNamara (incorporada em Spotlight por Maureen Keiller) publicou textos sobre o assunto, conforme o aumento no número das denúncias. McNamara questionou a forma como o Cardeal Bernard Law (Len Cariou) lidou com a situação de Geoghan, apenas transferindo-o para outra igreja. Law ainda fez um anúncio oficial que negava a situação.

Phil Saviano (Neal Huff), abusado pelo padre David Holley, ajudou na apuração ao reunir mais evidências contra Holley. Ignorou acordos financeiros feitos pela Igreja para quebrar o silêncio, já que estava com AIDS e morreria brevemente.

 Posteriormente, os 20 casos estimados viraram 250, encontrados por meio de entrevistas com vítimas e advogados. A repercussão do caso foi tamanha, que o Boston Globe recebeu cerca de ligações reportando casos. Em 2003, o time Spotlight venceu o Prêmio Pulitzer.

_______________________________
Por Victor Livi – Fala! Cásper

Tags mais acessadas