BBB21: Fiuk revela sofrer de TDAH e fala sobre bullying na infância
Menu & Busca
BBB21: Fiuk revela sofrer de TDAH e fala sobre bullying na infância

BBB21: Fiuk revela sofrer de TDAH e fala sobre bullying na infância

Home > Entretenimento > Famosos e TV > BBB21: Fiuk revela sofrer de TDAH e fala sobre bullying na infância

O cantor e ator Fiuk, participante do BBB21, revelou para Projota que sofre de TDAH (Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade). Durante a conversa com rapper, o filho de Fábio Jr. afirmou que sofreu muito bullying por causa de seu problema.

Fiuk, participante do BBB21, revela ter TDAH.
Fiuk, participante do BBB21, revela ter TDAH. | Foto: Reprodução.

Fiuk afirmou que acreditava que sua mente era limitada por conta do TDAH e não sabia o que era a doença, que afeta de 3 a 5% das crianças no mundo. Ele relatou sua dificuldade nos estudos, em suas relações e em sua família.

A seguir, saiba mais sobre o relato de Fiuk a respeito do TDAH no BBB21.

Fiuk admite sofrer de TDAH durante conversa com Projota no BBB21

Durante conversa com Projota, na terça-feira (26), o cantor e ator Fiuk revelou sofrer de Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade. O artista relatou que sua infância foi bem conturbada por causa do transtorno, com dificuldade de interação e na escola.

Fiuk disse que, após receber o diagnóstico de TDAH, sua vida ficou mais fácil e ele começou a entender o que acontecia com sua mente. Ele acreditava que possuía alguma limitação e tinha medo do que seria.

Em sua conversa sobre TDAH no BBB21, Fiuk disse que era um péssimo aluno e que tinha notas horríveis.

Eu estudava, chegava em casa e minha mãe ficava passando coisas. Tinha as piores notas, era bizarro. (…) Fui crescendo e quis saber o que era isso que eu tenho, fui ficando inquieto. Será que minha cabeça é limitada?

Comentou Fiuk sobre sua relação com os estudos.

A pior parte, porém, foi na escola, local em que sofreu muito bullying. Fiuk disse a Projota que não tinha amigos e que, até a adolescência, não conseguia se relacionar com as pessoas direito.

Não era uma coisa positiva na escola, os moleques acabavam comigo. Eu não conseguia ser amigo de ninguém. As meninas sempre ficavam com dó, mas até a minha pré-adolescência foi brabo. (…) Eu sempre tinha que me isolar, sentar no canto da sala. Moleque me dava tapa na cabeça, eu sempre sofria muito bullying.

Fiuk a respeito do TDAH.

O que é o TDAH?

TDAH, sigla para Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade, é um transtorno neurobiológico de causa genética. A doença se apresenta, na maioria das vezes, na infância e acompanha a pessoa até sua fase adulta.

Os principais sintomas do TDAH, transtorno sofrido por Fiuk, é desatenção, inquietude e impulsividade. Na infância, a doença é associada a dificuldades na escola e no relacionamento com demais crianças, pais e professores.

Crianças com o transtorno são desatentas e desastradas, além de serem hiperativas. Na adolescência, o TDAH pode afetar o comportamento do jovem, de maneira que ele tenha problemas com prazos, regras e limites.

O TDAH na fase adulta afeta sua relação no cotidiano. Os sintomas são memória fraca, problemas com prazos e organização, impulsividade e inquietação. Segundo a Associação Brasileira do Déficit de Atenção (ABDA), adultos com a doença podem apresentar, frequentemente, outros problemas como ansiedade, depressão e vício em drogas e álcool.

O diagnóstico tardio da doença é comum, porém, ainda é possível tratar o TDAH depois de adulto. O tratamento é realizado com medicamentos próprios para o transtorno e com psicoterapia. Na infância, os pais e responsáveis da criança também passam por acompanhamento.

De acordo com a ABDA, o TDAH é uma doença genética, ou seja, hereditária. Eles também afirmam que o uso de nicotina e a ingestão de álcool na gravidez também pode afetar o desenvolvimento cognitivo da criança.

Para saber mais sobre o TDAH, acesse o site da Associação Brasileira do Déficit de Atenção e, caso possua algum dos sintomas, consulte um especialista.

___________________________________________
Por Luiza Nascimento – Redação Fala!

Tags mais acessadas