3 contos de fadas que todos devem ouvir ao menos uma vez na vida
Menu & Busca
3 contos de fadas que todos devem ouvir ao menos uma vez na vida

3 contos de fadas que todos devem ouvir ao menos uma vez na vida

Home > Entretenimento > Cultura > 3 contos de fadas que todos devem ouvir ao menos uma vez na vida

Bom, todos nós já tivemos experiências acerca dos contos de fadas, certo? Rapunzel, Branca de Neve, A Pequena Sereia e muitos outros que fizeram parte da infância de muitas gerações.

Mas para quem, por algum motivo, não está familiarizado com o conceito de um conto de fada, aqui vão algumas características importantes:

  • A trama gira em torno de personagens fantásticos;
  •  São ambientados em cenários mágicos, como palácios, florestas encantadas ou bosques, mas não é uma regra;
  • Os personagens buscam realizações pessoais; 
  • A grande maioria dos contos de fadas possuem histórias bem diferenciadas da versão final, então não se assuste caso procurar por uma e ver um enredo um tanto diferente;
  • E um ponto engraçado é que, apesar do nome, um conto de fadas nem sempre tem uma fada.

A gente sabe que todo conto de fada tem uma história e nos conta uma moral no final de tudo, mas existe sempre um ou outro que deixa a gente um pouco triste e até um pouco mais alerta.

Na lista abaixo, você vai conhecer um pouco sobre os três contos de fadas mais interessantes de se contar, ouvir ou ver e ainda vai saber o motivo das escolhas feitas nessa matéria. 

3 contos de fadas mais interessantes

1. A Bela e a Fera

Um dos contos mais inspiradores que já foram escritos é A Bela e a Fera, publicado originalmente em 1740, por Gabrielle-Suzanne Barbot, na França. A história original conta sobre a filha de um mercador rico que, ao todo tinha três filhas, mas a diferença era que as duas mais velhas gostavam de esbanjar, enquanto Bela, muito mais simples que as irmãs, adorava ler e aproveitar as pequenas coisas que a cercavam.

Em uma das viagens do mercador, as irmãs de Bela fizeram inúmeros pedidos ao pai, enquanto Bela, apenas preocupada com a viagem de ida e volta do pai, pediu que ele lhe trouxesse apenas uma rosa para a garota e que aquilo iria satisfazê-la.

Na volta, em meio a uma tempestade, o mercador se abriga em um castelo mágico que lhe servia comida e onde poderia passar a noite confortavelmente. No dia seguinte, enquanto saía do castelo, o mercador avistou uma rosa e lembrou-se do pedido de sua filha. Ao tentar levá-la para casa, foi surpreendido por uma fera pavorosa, que lhe deu uma opção para que pudesse viver: o mercador teria que abrir mão de uma de suas filhas e ela passaria a viver com a Fera.

Ao voltar para a casa e contar-lhes a história, Bela se voluntariou para ir no lugar do pai, apreensiva pelo o que poderia acontecer com o pai ou com suas irmãs. Achando que o seu destino era ser devorada pela Fera, a jovem se surpreende quando a Fera tenta lhe mostrar um lado cuidadoso em relação a ela. Ele chega a pedir Bela em casamento várias e várias vezes, mas Bela recusa todas as vezes, por não ter esse tipo de sentimento pela Fera.

Após passar algum tempo morando no castelo, Bela pede insistentemente para que possa visitar seu pai durante algum tempo e, após muito insistir, a Fera deixa que Bela volte para casa por alguns dias, dando-lhe um anel mágico que lhe permitiria voltar para o castelo assim que o usasse.

Após voltar para casa, as irmãs de Bela, com inveja e na tentativa de sabotar a irmã, enganam-a para que sua volta para o castelo seja adiada o máximo de dias possíveis. Em uma das noites, Bela tem um sonho terrível onde vê Fera morrendo e, com medo de que seja verdade, ela usa o anel mágico que lhe permite voltar ao castelo instantaneamente. Ao chegar, ela o encontra totalmente sem forças e à beira da morte, pois em um ato de desespero, ele se recusa a comer enquanto sua amada não voltava para casa.

Diante tal situação, Bela entende os sentimentos da Fera e acaba por confessar os dela, que aprendeu a respeitar e gostar dele mesmo que sua aparência não fosse tão agradável assim. E com isso, o encanto que havia transformado a Fera é quebrado e ele volta ao seu verdadeiro “eu”, o de príncipe.

Com isso, podemos enxergar a moral por trás do conto, onde a personagem nos mostra que a bondade e a simplicidade sempre será o melhor caminho para resolver os problemas em que nos encontramos.

Mesmo com a problemática de impor que a Bela divida uma moradia com a Fera, é preciso levar em consideração o ano da publicação do livro e como, mesmo assim, ele já nos mostra uma visão diferente da figura da mulher no contexto de uma França do século XVIII.

2. A Princesa e o Sapo

A adaptação de um outro conto de fada, A Princesa e o Sapo narra a história de Tiana, uma jovem moradora de Nova Orleães que sonha em abrir um restaurante para atender filas e mais filas de pessoas dispostas a provar da sua comida. Por ter uma origem pobre, Tiana precisa trabalhar muito para juntar o dinheiro necessário para realizar o seu sonho e, em consequência disso, acaba por deixá-lo um pouco de lado.

Quando um príncipe de um país africano chega de visita em Nova Orleães, a amiga de Tiana, Charlotte, prepara uma festa para receber o príncipe na intenção de fazê-lo se apaixonar por ela para que ela tenha o título de princesa. O que ela não espera é que o príncipe Naveen foi deserdado pelo pai por ser extremamente fanfarrão e desagradar a ele e que só está na cidade para poder casar-se com alguém que possa arcar com os luxos da sua vida irresponsável. Ao saber disso, o bruxo Dr. Facillier oferece um trato ao príncipe para que ele possa continuar vivendo sua vida de luxos, mas o acordo acaba por transformar Naveen em um sapo e a maldição só poderá ser quebrada se ele for beijado por uma princesa de verdade.

Charlotte pede que Tiana cozinhe para os convidados dela e é nessa parte que o seu caminho cruza o do príncipe Naveen. Já transformado, Naveen se desespera para quebrar o encantamento e acredita que Tiana seja uma princesa, persuadindo a garota a beijá-lo para quebrar a maldição. O beijo não tem o resultado esperado e Tiana acaba sendo transformada em sapo também, sendo assim, os dois precisam se ajudar para conseguir quebrar o encantamento do Dr.Facillier e voltar às suas vidas normais.

Durante a história, Tiana acaba por ensinar algumas lições valiosas para Naveen, como a importância das amizades, da confiança e que nem sempre dinheiro é a solução para tudo. Dado certo momento da trama, os dois preferem arriscar ficar no corpo de um sapo para sempre a deixar o Dr. Facillier continuar a enganar pessoas e, assim, os dois usam os encantamentos do vilão contra ele, fazendo com que os espíritos dos quais Facillier se aproveitava para fazer encantamentos levem o vilão para pagar pelos seus erros.

Achando que tudo está perdido, os dois acreditam que nada mais poderá salvá-los, mas durante toda sua aventura, Tiana e Naveen se tornaram próximos o bastante para desenvolverem sentimentos um pelo outro e esse sentimento acaba por quebrar o encantamento: com um beijo de amor verdadeiro, os dois acabam com o feitiço por se mostrarem verdadeiros e por aprenderem lições valiosas no caminho até ali.

Você deve estar pensando que não tem muito o que se aproveitar na história da Princesa e o Sapo, mas se pararmos para analisar, existem lições importantes no enredo do conto de fadas. Naveen representa uma figura egoísta que ao colocar seus desejos superficiais acima de tudo, acaba sendo enganado e prejudicado por isso. Durante a história, Tiana ajuda o príncipe a perceber que enganar e se aproveitar dos outros é uma atitude errada, mostrando que o melhor caminho a se fazer para sair de situações difíceis é confiar na ajuda dos seus amigos, que vão fazer de tudo para que você fique bem e possa sair bem no final das contas.

É importante lembrar sobre a força de Tiana no filme, que mesmo sendo enganada pelo príncipe, não o deixa sozinho para sofrer as consequências sozinho. Tiana age como uma pessoa de bom caráter, disposta a ajudar o príncipe sem esperar nada em troca, apenas para que os dois possam voltar às suas vidas normais. A história também nos mostra a importância do amor, com a metáfora de que mesmo que não seja o caminho esperado, o amor ainda pode consertar todas as coisas que estão erradas.

3. Shrek

A animação baseada no conto Shrek!, de William Steig, conta a história do ogro Shrek, que vive em paz no seu pântano até o dado momento em que o Lord Farquaad decide por banir todas as criaturas mágicas do reino para onde a criatura mora. Na tentativa de se livrar de todos os visitantes dos contos de fadas, Shrek e Burro — que acaba no pântano após fugir da sua antiga dona que tenta vendê-lo aos soldados do Lord Farquaad — partem em direção ao castelo do Lord, para conversarem e chegarem a um acordo para as criaturas.

Ao chegarem ao castelo do Lord, Shrek e Burro acabam envolvidos em uma disputa criada pelo Lord para que o vencedor pudesse resgatar a princesa Fiona, que estava presa em uma torre e quem o Lord desejava casar. Shrek decide aceitar a proposta, mas com a condição de que todas as criaturas seriam retiradas do seu pântano.

Os dois partem em direção ao castelo em que a princesa está presa, mas algumas coisas separam Shrek do seu acordo ser cumprido: o castelo é cercado por lava e a  princesa é guardada por um dragão. Na aventura para salvar a princesa, Burro acaba sendo encurralado pelo Dragão, o qual ele descobre ser um dragão-fêmea e Shrek aproveita da distração para salvar a princesa da sua torre.

A princesa Fiona fica extremamente feliz ao ser salva da sua prisão, mas essa felicidade dura pouco. A princesa não gosto do modo nada romântico do seu salvador e a situação piora quando ela descobre que ele é um ogro. O começo da aventura de volta para o castelo do Lord Farquaad é marcada por um momento de discussões, mas aos poucos, Fiona e Shrek passam a se entender a partir do momento que descobrem ter muito em comum, já que a princesa não é uma donzela em perigo coisa alguma. Durante uma emboscada do Monsieur Hood — a adaptação francesa do Robin Hood —, a princesa salva Shrek e Burro utilizando do seu conhecimento em artes marciais para combater o bando do Monsieur Hood.

Na última parada antes de chegarem ao castelo do Lord Farquaad, a princesa se esconde num moinho de vento abandonado para poder passar à noite. Ao notar uma movimentação estranha no moinho, Burro entra no local e encontra a princesa Fiona em forma de ogra, sua maldição e motivo pelo qual estava presa na torre.

Durante a conversa entre os dois, Fiona conta que não gosta da sua aparência e deseja quebrar a maldição, mas Shrek interpreta a conversa de forma errada e acredita que Fiona não gosta da aparência dele. Com isso, ele sai no meio da noite e volta ao amanhecer junto aos guardas do castelo, que levam Fiona sem que ela saiba dos sentimentos de Shrek.

Mais tarde, Burro procura Shrek e conversa com o ogro, explicando sobre a conversa que ele ouviu entre ele e Fiona, contando sobre como a princesa se sentia em relação a ela mesma. Após tudo esclarecido, Shrek e Burro se juntam à Dragão e voam até o palácio, para impedir o casamento da princesa Fiona e Lord Farquaad. Dado o pôr-do-sol, a maldição de Fiona vem à tona e ela se transforma em frente aos convidados, o que causa ira e nojo do Lord, fazendo com que ele mande matar Shrek e prender Fiona para sempre.

Para salvar ambos, Burro e Dragão invadem a cerimônia e a dragão engole o Lord Farquaad, salvando Fiona e Shrek da ordem do mesmo. Os dois ogros confessam seu amor um pelo outro e acabam por se beijar, quebrando a maldição de Fiona e deixando-a na sua aparência verdadeira: a de ogra.

A crítica do conto fica bem explícita no decorrer da trama quando nos deparamos com a solidão de Shrek por conta do julgamento de terceiros, a quebra do padrão de donzela em perigo quando Fiona se mostra uma princesa capaz de defender-se sozinha, o Burro e as suas peculiaridades que fazem com que as pessoas o maltratem por ter determinados traços de personalidade. Podemos ver também a não-linearidade desse conto de fada paras os outros, já que o príncipe encantado é substituído pela figura de um ogro e a princesa tem sua verdadeira face revelada a partir do beijo de amor verdadeiro que a transforma em ogra para sempre.

Uma característica interessante é que os três contos escolhidos falam sobre ser altruísta, sobre não julgar as pessoas a partir da primeira impressão, a importância do amor romântico ou do amor entre amigos.

O interessante sobre os contos de fadas é a presença de um ser mágico e extraordinário que nos traz ensinamentos que podem até não parecer grande coisa, mas que escondem lições básicas e valiosas que podem nos ajudar nos piores momentos de nossas vidas.

Agora reúna seus amigos, sua família ou até pode ficar sozinho, mas tire um tempo para ficar por dentro desses e outros — conhecimento nunca é demais — contos de fadas que são maravilhosos e vão te fazer repensar algumas coisas.

_____________________________________
Por Vinícius Mendes – Fala! UFPE

Tags mais acessadas