segunda-feira, 26 fevereiro, 24
HomeSaúdeA importância da terapia psicanalítica para crianças e adolescentes

A importância da terapia psicanalítica para crianças e adolescentes

A terapia psicanalítica dirigida para crianças e adolescentes é baseada nos mesmos princípios que para adultos. No entanto, é adaptado ao nível de desenvolvimento da criança. Como tal, a psicanálise infantil é uma versão intensiva da terapia lúdica. Nesse sentido, procura abordar os conflitos e os obstáculos para o desenvolvimento para orientar o progresso.

A terapia de adolescentes aborda a psicanálise de adultos. Mas os adolescentes não são obrigados a deitar no sofá se acharem estranho ou desconfortável. Muitos problemas da infância são negligenciados porque é do conhecimento geral que as crianças ainda não têm muitas responsabilidades além de ir à escola. Nesse contexto, a psicanálise infantil rompe com essa crença tão prejudicial ao desenvolvimento infantil.

A origem da psicanálise infantil

No início de sua carreira como estudante de psicologia, Freud encontrou situações nas quais começou a perceber estados mentais “inconscientes”. De acordo com Garcia-Roza, “Quando usado antes de Freud, o termo ‘inconsciente‘ era usado puramente como um adjetivo para denotar o inconsciente. No entanto, ao contrário de outros, nunca designamos os sistemas psíquicos com suas próprias atividades.

Então Freud, o chamado “pai da psicanálise”, não criou esse conceito. Ele (o inconsciente) sempre esteve lá. Seria mais correto dizer que ele o descobriu, assim como os astrônomos descobrem planetas, a influência deste planeta nas órbitas de outros planetas muitas vezes leva a descobertas, mas demora muito mais para provar sua existência.

“Inconsciente” neste contexto é como um lugar de inconsciência. É disso que ele é comumente acusado, e isso é apenas metade da verdade. O grande mérito de Freud foi identificá-lo como um sistema de interfaces e efeitos dinâmicos que se prolongavam por todo o aparelho mental.

A regressão como mecanismo de defesa inconsciente significa assumir a posição de uma criança em situações problemáticas, em vez de agir mais como um adulto. Isso geralmente é uma resposta a situações estressantes, e níveis mais altos de estresse podem levar a comportamentos regressivos mais pronunciados.

O comportamento regressivo pode ser simples e inofensivo, como um sugador de caneta (como a regressão fixa verbal freudiana), ou pode ser disfuncional, como choro ou discussões teimosas. A regressão é uma forma de retraimento que remonta a quando a pessoa se sentia mais segura e as tensões em questão eram desconhecidas ou quando um pai todo-poderoso as removeu.

De uma perspectiva freudiana, o estresse do olhar causado pela frustração passada no desenvolvimento psicossexual pode ser usado para explicar uma variedade de comportamentos regressivos. Freud usa a palavra alemã “Wunsch” para descrever desejos inconscientes. Sabemos que os desejos não são articulados e que tudo o que é enigmático e obscuro requer interpretação.

No momento em que formulou a “hipótese do inconsciente”, Freud formulou uma pergunta que poderia ser repetida como contra-argumento: “Como chegamos a conhecer o inconsciente? Transposição ou tradução para a consciência (inconsciente)”.

Não nos resta então outra escolha senão pensar o inconsciente em termos da segunda consciência, ou ser condenados a não dizer nada que possa ser designado como a segunda consciência?

A terapia psicanalítica para crianças e adolescentes
A terapia psicanalítica para crianças e adolescentes. | Foto: Freepik.

Lacan e o inconsciente

O conceito de sujeito, introduzido na psicanálise por Lacan, deve nos permitir manipular hipóteses do inconsciente sem destruir as dimensões fundamentais do desconhecido (inconsciente, inconsciente). “Então, o que me excita está no cerne da minha identidade comigo mesmo, então o que é esse outro ao qual estou mais conectado do que a mim mesmo? ”, pergunta Lacan.

Um certo grau de alteridade já o coloca em posição mediadora em relação ao meu próprio distanciamento de minha própria semelhança. Esse outro é um sujeito inconsciente em excentricidade de si para si.

O sujeito inconsciente eleva esse segundo grau de alteridade a um estado absoluto (irrelevância). Não é um objeto do inconsciente, concebido como um reservatório de impulsos, mas um pulso, algo desconhecido, uma fenda que o inconsciente abre e fecha assim que o consciente o apreende. O sujeito não é o essencial, mas o momento do eclipse que aparece na incompreensão. Até o final de seu ensino, Lacan se apegou a uma definição axiomática de significantes.

Em 1961, foi chamado de “Fórmula do Ovo” e “A Única Certeza Analítica” na época. É possível fazer algumas perguntas de uma só vez. Essa fórmula permite que o sujeito caminhe de mão em mão, aliviando-se de significante em significante. Onde estão os limites dessa metonímia? O que unifica o tópico de toda a discussão? Qual é a diferença entre um assunto assim definido e um que você deveria conhecer? A topologia transforma esse axioma do sujeito?

A resposta dada por Lacan é em função da descrição oficial. O primeiro passo na descrição é indexar os dois termos “identificadores” envolvidos na expressão em S1 e S2 (S2 foi chamado de “binário” em 1964). O segundo passo é chamar deliberadamente S2. Lacan constata que o sujeito se estabelece na certeza de seu desconhecimento, e esse pólo de saber retorna de forma particularmente pungente a partir do momento em que Lacan informa ao sujeito o motivo da transferência.

____________________________________

Por Maryá Bernardes – Fala! Centro Universitário da Serra Gaúcha

ARTIGOS RECOMENDADOS