Como a saga de Harry Potter ajudou muitos a lidar com a depressão
Menu & Busca
Como a saga de Harry Potter ajudou muitos a lidar com a depressão

Como a saga de Harry Potter ajudou muitos a lidar com a depressão

Home > Entretenimento > Cinema e Séries > Como a saga de Harry Potter ajudou muitos a lidar com a depressão

O universo de Harry Potter, além de se tratar de uma ficção criada pela autora Joanne Rowling, também aborda questões sociais urgentes e importantes que existem fora dessa série de fantasia tão popular que compõe 7 livros e 8 filmes, os quais já bateram recordes de bilheteria. 

Como a saga de Harry Potter ajudou muitos a lidar com a depressão
Como a saga de Harry Potter ajudou muitos a lidar com a depressão. | Foto: Reprodução.

É possível criar inúmeros paralelos e analogias sobre diversos assuntos do universo da autora com o da sociedade contemporânea na qual vivemos, entre eles está a desigualdade de classes, a manipulação da mídia, o racismo, o abuso de poder e a depressão.

Focando mais especificamente no contexto da depressão, é necessário analisar vivências pessoais da própria autora que já sofreu com a doença e sempre aconselha os fãs da saga sobre o assunto.

De acordo com J.K Rowling, uma das criaturas mais assustadoras e profundas de Harry Potter foi a personificação que ela conseguiu encontrar para a patologia. Esse ser místico é o dementador, que é descrito no livro da seguinte forma:

Os dementadores estão entre as criaturas mais malignas que vagam pela Terra. Infestam os lugares mais escuros e imundos, se comprazem com a decomposição e o desespero, esgotam a paz, a esperança e a felicidade do ar à sua volta. (…) Chegue muito perto de um dementador e todo bom sentimento, toda lembrança feliz serão sugados de você. 

Harry Potter.
Harry Potter e o dementador. | Foto: Reprodução.

 Já o feitiço que serve para combater o dementador (Expecto Patronum), é a materialização de um animal que representa a personalidade do bruxo. Nos livros é apresentado desta maneira:

O Patrono é um tipo de energia positiva, uma projeção da própria coisa de que o dementador se alimenta: esperança, felicidade, desejo de sobrevivência.

assistir harry potter
Patrono no filme da saga Harry Potter. | Foto: Reprodução.

Esse feitiço, ao formar um paralelo com os meios de melhorias para a depressão, pode ser considerado o apoio psicológico após sessões de terapia e cuidados com a saúde mental do indivíduo.

Uma fã do universo de Rowling, Luana Souza, contou em seu blog o quanto entender a relação de Harry Potter com a depressão a ajudou no combate a esse transtorno:

Estar num estado de depressão desses é desesperador porque você vai parando de sentir (…). Essa história chegou à minha vida no momento que eu mais precisava (…). Ler esses livros me fez rir novamente. Quando tudo ia ficando ruim de novo, eu murmurava ‘expecto patronum’ bem baixinho, na esperança que as coisas melhorassem.

Relata a fã

Outro exemplo de auxilio que a saga deu aos seus fãs é descrito por Sally Burns ao publicar em seu Twitter:

Arrastando-me através de outro grave ataque de depressão e relendo a série Harry Potter para fortalecer o meu patrono. Um milhão de agradecimentos a J.K. Rowling pela fuga mágica que está sempre lá quando é necessário.

Em poucos minutos a escritora respondeu a fã na própria plataforma: “Essas histórias salvaram a autora também. Nada me faz mais feliz do que pensar que elas vão ao mundo para fazer o mesmo por outras pessoas. Mantenha esse patrono poderoso.”

Infelizmente, a sociedade atual pressiona os jovens de tal forma que favorece o crescimento da doença em pessoas cada vez mais novas, visto que a depressão está gradativamente mais severa entre os adolescentes. Saber que o entretenimento e a cultura da leitura podem ajudar os jovens a melhorar de uma tristeza profunda, além de proporcionar lazer e a disseminação do conhecimento, é muito gratificante e importante.

Dessa forma, podemos perceber que certas pautas são muito mais profundas e que o contexto de um universo mágico pode encantar e influenciar o leitor e/ou espectador de formas inimagináveis.

____________________________________
Por Meliah Cristina – Fala! UFPE

Tags mais acessadas