Pós-covid: entenda as sequelas da infecção
Menu & Busca
Pós-covid: entenda as sequelas da infecção

Pós-covid: entenda as sequelas da infecção

Home > Lifestyle > Saúde > Pós-covid: entenda as sequelas da infecção

Você sabe o que é pós-covid? A pandemia de síndrome respiratória aguda grave coronavírus 2 (SARSCoV2), que causa a doença de coronavírus 2019 (COVID19), surgiu no final de 2019 em Wuhan, província de Hubei, China, e se espalhou rapidamente, infectando pessoas e causando milhares de mortes em todo o mundo.

O vírus pode ser transmitido pela saliva, aerossóis, fezes, urina e mucosas pela mão, e o período de incubação varia de 5 a 1 dias, variando de perda de paladar, fadiga persistente, comprometimento da memória, até arritmia cardíaca. Saiba mais sobre o pós-covid.

Pós-covid
Pós-covid: a infecção por Covid-19 pode gerar sequelas que afetam a qualidade de vida. | Foto: Reprodução

O impacto da pandemia do Covid-19

No contexto social atual, a população mundial, especialmente a população do Brasil, vive um momento crucial em sua trajetória histórica, após a pandemia causada pelo COVID 19. Pessoas de todas as origens sociais: política, educacional, cultural e religiosa, cada sociedade, econômica, família e outras categorias foram admiradas e injustamente afetadas por esta pandemia que tem causado muitos danos socioeconômicos.

A qualidade de vida é determinada não apenas pela avaliação de parâmetros relacionados aos sintomas, mas também por fatores individuais e sociais, bem como por medidas de incapacidade e saúde mental. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a qualidade de vida pode ser definida como a percepção do indivíduo de seu lugar na vida no contexto da cultura e sistema de valores em que vive e se relaciona com objetivos, expectativas, padrões e preocupações.

Pós-covid: as sequelas da infecção 

O adoecimento e o agravo por Covid-19 podem produzir sequelas que afetam a qualidade de vida do paciente após a recuperação.

Embora as sequelas após a Covid-19 sejam mais comuns em pacientes que desenvolveram a forma grave, aqueles que tiveram a forma moderada da doença e não necessitam de internação também podem apresentar algum grau de comprometimento funcional. Aspectos como saúde mental, falta de atividade física (ou menos incentivado a fazê-lo, dado o sedentarismo), qualidade do sono (afetada por estresse, insegurança econômica e doenças) e alimentação (muitas pessoas adotam alimentos fornecidos por aplicativos) estão entre os mais afetados.

Em 2019, o vírus SARSCoV2 recebeu considerável atenção devido à sua capacidade de causar doenças graves em uma proporção significativa de pacientes infectados. Cerca de 20% dos pacientes hospitalizados com covid-19 apresentam complicações graves, choque, disfunção de múltiplos órgãos, insuficiência respiratória, delírio, síndrome do desconforto respiratório agudo.

Pacientes com vírus SARSCoV2 são mais dependentes de terapias de suporte de órgãos com ventilação mecânica prolongada e unidade de terapia intensiva (UTI) de longo prazo e tempo de internação hospitalar.

Com base na análise, observou-se um declínio na qualidade de vida relacionada à saúde (QVRS) devido a deficiências físicas, cognitivas e mentais associadas a doenças críticas.

Pacientes pós-reabilitação relatam maior frequência de incapacidade, como dependência de atividades da vida diária, disfunção cognitiva, ansiedade, depressão e transtorno de estresse pós-traumático.

Pacientes queixaram-se de perda de mobilidade, dificuldades cognitivas, sangramento agudo, trombose, arritmias, anemia, dores de cabeça, perda de memória, entre muitas condições médicas e mentais, durante e após a infecção foram relatados em todo o mundo.

A preocupação de diversos grupos e especialistas em todo o mundo está enraizada na ausência de padrão de apresentação, na imprevisibilidade da progressão da doença, na ausência de esquemas específicos, e o principal é a incerteza do momento dessas lesões e sequelas, que pode ou não ser permanente.

Covid-19 tem uma ampla gama de manifestações clínicas e pode afetar, além dos sistemas pulmonar, nervoso, cardiovascular, gastrointestinal, hematológico e urológico. Além disso, é comum a presença de comorbidades, incluindo doenças cardiovasculares e metabólicas.

No cenário atual, embora os esforços para reduzir a mortalidade permaneçam urgentes, os serviços de saúde devem se realinhar com estratégias para garantir a recuperação física e funcional e a reinserção social dessas pessoas por meio da reabilitação pulmonar.

A reabilitação pulmonar é recomendada principalmente para auxiliar na recuperação funcional e física de pacientes após Covid-19 durante a internação e após a alta. Para fazer isso, você deve considerar cuidadosamente as necessidades de cada pessoa.

A reabilitação pulmonar refere-se ao tratamento de reabilitação individualizado de pacientes com doença pulmonar crônica após avaliação detalhada. Como treinamento físico básico, a reabilitação pulmonar inclui intervenções abrangentes, incluindo, mas não se limitando a, suporte psicológico e nutricional, bem como mudanças educacionais e comportamentais. O objetivo da reabilitação pulmonar não é apenas melhorar o bem-estar físico e mental do paciente, mas também ajudar o paciente a se reintegrar mais rapidamente na família e na sociedade.

A lesão pulmonar causada por COVID19 é caracterizada por destruição do parênquima pulmonar, incluindo extensa consolidação e inflamação intersticial, embora alguns pacientes com a doença não apresentem um quadro uniforme de hipoxemia ou insuficiência respiratória durante o curso da doença.

__________________________________________
Por Marya Bernardes – Fala! Centro Universitário da Serra Gaúcha 

Tags mais acessadas