'A Ordem do Progresso' - Confira a resenha do livro
Menu & Busca
‘A Ordem do Progresso’ – Confira a resenha do livro

‘A Ordem do Progresso’ – Confira a resenha do livro

Home > Entretenimento > Cultura > ‘A Ordem do Progresso’ – Confira a resenha do livro

Para entender a história de qualquer país e os acontecimentos da atualidade, se faz necessário aprender diversos campos do conhecimento, mas um dentre eles tem grande destaque: a economia.

Escrito por diversos nomes e organizado por Marcelo de Paiva Abreu, o livro A Ordem do Progresso traz uma análise minuciosa e indispensável do desenvolvimento de nosso país e as políticas econômicas empregadas em sua história. Os autores do livro possuem grande mérito pela enorme quantidade de detalhes em sua obra, sendo difícil encontrar um aspecto da política econômica que não seja discutido em seus capítulos.

livro de economia
Livro A Ordem do Progresso. | Foto: Reprodução.

Estrutura do livro

A versão atual do livro tem 441 páginas e 17 capítulos, percorrendo os anos de 1822 a 2010. Cada capítulo foi escrito por um ou mais autores e se divide em diversas seções, além de contar com tabelas, gráficos e ordem cronológica dos presidentes da república e ministros da fazenda.

Em suas linhas, são discutidas cada política monetária, fiscal e cambial vindas desde o tempo do Brasil Imperial até o período do último governo de Luiz Inácio Lula da Silva, além de suas origens e consequências. Aspectos demográficos, sociais e políticos ligados ao campo econômico também não são deixados de fora, exemplos disso são a chegada de imigrantes europeus, a abolição da escravidão e a política do café com leite na república.

Grande, detalhada e complexa são características marcantes da obra, no entanto, se, por um lado, estas são vistas como qualidades pela comunidade acadêmica, por outro, são um obstáculo para aqueles que não possuem formação na área econômica e até mesmo para aqueles que ainda estão na graduação. É possível argumentar que existem outras obras para o público comum e que seria um erro “reduzir” um trabalho para que se torne mais acessível, mas tal argumento supõe que é impossível escrever algo complexo em linguagem acessível e que as pessoas de diferentes áreas não podem compartilhar conhecimentos.

A discussão sobre o acesso ao conhecimento e o contato entre a comunidade acadêmica e externa são antigos e extensos, portanto, por mais que seja um ponto importante a se considerar no livro, isto não é algo que o retire do cargo chave para entendermos a economia brasileira.

Em suma, há textos que podem ser mais produtivos que o livro A Ordem do Progresso no aprendizado, mas, se há necessidade de um detalhamento das políticas econômicas, não faz mal se debruçar sobre ele.

______________________________
Por Allan Ruivo Wildner – Fala! UFPR

Tags mais acessadas