Home / Colunas / O Advogado que Faz Sucesso Falando de Livros no Instagram

O Advogado que Faz Sucesso Falando de Livros no Instagram

Por Gabriel Ferreira – Fala!MACK

Livros e redes sociais estão mais juntos do que muitos de vocês imaginam. Se em 2013, quando estourou os booktubers, isso já era uma realidade, o fortalecimento do Instagram lançou um novo nicho: os perfis de instagram literário.

Para o Pedro, 25 anos, o sucesso foi enorme com o @book.ster (Em inglês, o sufixo “ster” traz a ideia de pertencer a algum grupo), que possui mais de 57 mil seguidores.  E tudo isso mesmo ele considerando ser leigo na área de literatura e afirmando não ter estudado letras e nem tem a pretensão de fazer críticas literárias.

“Até cerca de 3 anos atrás, eu era um leitor “desinformado”. Sempre gostei de ler, mas nunca sabia qual livro escolher, me sentia perdido. Pegava a lista de best-sellers e escolhia os que estavam no topo da lista, achando que estava escolhendo os “melhores”, afirma o advogado. “Quando comecei a seguir perfis literários no instagram, me senti mais próximo da literatura e passei a entender um pouco mais. Aprendi que existem muitas opções excelentes de leituras além dos que estão na lista de mais vendidos, e que os clássicos não são livros antigos ou difíceis, como estava acostumado a achar”. 

 

        Entrevistamos o Pedro, para conhecer melhor o seu trabalho no Book.ster:

*O perfil cresceu bastante nos últimos meses e possui mais de 57 mil seguidores (um número muito expressivo para um instagram literário). Como você concilia com a sua carreira de advogado? 

A minha rotina é bastante corrida e eu gosto de mostrar isso para os meus seguidores. Isso porque ter o hábito da leitura não significa que eu preciso de muito tempo. Na verdade, leio cerca de 30 a 60 minutos antes de dormir. No resto, consigo conciliar com trabalho. A leitura é uma parte do meu dia a dia!

*Com esse número de seguidores, você já foi abordado na rua ou no trabalho por causa do book.ster? 

Já fui! E uma das partes mais legais do perfil foi é a interação com os seguidores. Quando isso acontece pessoalmente, a interação é ainda mais real. Também é muito legal perceber como as pessoas ao meu redor passaram a ler mais pelo fato de a literatura passar a ser um assunto do dia a dia. 

*Primeiramente surgiu os blogs e canais de youtube literário e de um tempo pra cá apareceu perfis de instagram sobre livros. Você acompanha algum? 

Acompanho sim! Esses perfis foram justamente uma das maiores inspirações para a criação do Book.ster. Aprendi muito com eles e quis dividir isso com meus seguidores.  

Pedro acompanha no instagram: @objetolivro, @isavichi, @blogliteraturese e @bloglivrada

*Alguns booktubers abandonaram seus trabalhos tradicionais e se dedicam integralmente nos projetos na internet. Você pensa nessa hipótese futuramente? 

Acho bem improvável! Como disse, a leitura é um hobby e, por meio do Book.ster, quero mostrar que a leitura pode fazer parte do dia a dia de alguém que não trabalha no ramo e que tem uma rotina atribulada como a minha. 

*Como você recebe as críticas  e divergências entre o público em relação a sua opinião sobre determinadas obras? 

A leitura de um livro é uma experiência única e que será diferente para cada leitor. Por isso, a divergência de opiniões é algo totalmente esperado. Seria estranho se todos concordassem comigo. Gosto muito de ver a opinião dos outros leitores! O que não pode é querer criticar a opinião do outro… 

 

*Você já pensou em fazer vídeo resenha para o Youtube ou IGTV?

Já pensei bastante e recebo cada vez mais mensagens pedindo vídeos… Quem sabe um pouco mais para frente! O difícil é conseguir conciliar a manutenção de um canal com minha rotina corrida.

*Ao o que você indica o sucesso do seu perfil, mesmo não falando de livros populares/ best-sellers? 

Acho que é justamente por mostrar que qualquer um pode ler clássicos e livros que fogem dos best-sellers / comerciais, sem precisar ter um conhecimento técnico profundo sobre o tema. Além disso, tento sempre dar a minha opinião da forma mais natural e verdadeira possível, sem fazer análises técnicas das obras

*Recentemente você lançou o site do book.ster, pretende publicar conteúdo exclusivo? 

O site foi criado como mais uma plataforma para disponibilização do conteúdo que posto no instagram do @Book.ster. Além disso, como várias pessoas não estão no instagram e também desejam ter acesso ao conteúdo, achei que o site poderia atingir um número maior de leitores ou futuros leitores. Sobre conteúdo exclusivo, a ideia é poder me aprofundar um pouco mais nas resenhas, trazendo trechos que mais gostei do livro, mas sem deixar de fazer as postagens no instagram.

Homens imprudentemente poéticos, Valter Hugo Mãe – Nota: 10/10 – Mais uma obra prima de um dos meus autores contemporâneos j (se não, o favorito de todos). Em "Homens imprudentemente poéticos", o autor constrói sua narrativa a partir de um cenário do Japão antigo, campesino e artesão.A narrativa gira em orno de dois homens extremamente simples, Itaro e Saburo, um artesão e um oleiro. Enquanto Itaro não acredita e não se deixa enganar pelo amor, vivendo apenas de seu ofício de artesão, Saburo se recusa a deixar de amar a sua falecida esposa. O enredo pode aparentar ser simples, mas é extremamente profundo e desperta reflexões no leitor. A morte também rodeia a história. O vilarejo em que vivem Itaro e Saburo fica ao pé da Floresta dos Suicidas, local em que as pessoas buscam um refúgio para acabar com o próprio sofrimento. O que torna "Homens imprudentemente poéticos" uma obra ainda mais sensacional é a forma que Valter Hugo Mãe escreve. É realmente IMPRESSIONANTE…. Cada palavra é pensada e traz consigo um forte tom poético! Mas se você nunca leu nada do autor, não recomendaria começar por esse título. Isso porque a história é mais parada e muito reflexiva, o que pode deixar o leitor que não está acostumado com o estilo de Valter Hugo Mãe um pouco cansado, com dificuldades de avançar na leitura. Para começar, sugiro "O filho de mil homens" ou "A máquina de fazer espanhóis". Apesar de nessas duas obras a escrita ser diferente, já que o autor não utiliza letras maiúsculas, nem interrogações ou travessão, você se acostuma depois das primeiras páginas e o enredo flui bem mais! . . . "A menina, habitante sobretudo dos sonhos, disse: havíamos de ter um jardim seco. Um de pedras que fizesse o ondulado do mar. Tão bem alinhado que fosse um desenho perfeito por onde poderíamos percorrer os dedos. A criada perguntou: seco. A cega respondeu: teríamos sempre lágrimas para o molhar. E sorriu." #bookster #livrada #leituradodia #leituradavez #literatura #ler #book #books #lido #livro #livros #literatura #amoler #valterhugomae #bibliotecaazul #bibliotecaazuleditora #homensimprudentementepoeticos

A post shared by Book.ster por Pedro Pacifico (@book.ster) on

E para finalizar pedimos para o Pedro recomendar alguns livros resenhados no Book.ster – e ele ainda revelou, que prefere ler os livros originais, mas também valoriza uma tradução bem feita.

– Homens imprudentemente poéticos (Biblioteca Azul), Valter Hugo Mãe;

– O amor nos tempos do cólera ( Galera Record), Gabriel Garcia Marquez;

– Pais e filhos( Cosac e Naify), Ivan Turguêniev;

– Tirza( Rádio Londres), Arnon Grunberg;

– Vida e destino( Alfaguara), Vassili Grossman. 

A humilhação, Philip Roth – 9/10 – Na obra, o leitor se depara com Simon Axler, um ator renomado que, aos 65 anos, sofre uma crise “existencial”: o protagonista passa a se ver impossibilitado de atuar, não acredita mais em sua capacidade. O público não reconhece mais o seu sucesso e, extremamente inseguro, o personagem começa a recusar as propostas de retorno aos palcos. Para piorar, sua mulher resolve deixá-lo. Nesse ponto, Axler chega no seu limite e acredita que o próximo passo seria o suicídio. Decide, portanto, se internar em uma clínica psiquiátrica, para evitar uma tragédia fatal. A partir daí, a sua vida muda completamente. Se apaixona por uma jovem homossexual, filha de um casal de amigos. Se vê obcecado pelo desejo sexual insaciável. Suas condutas o tornam irreconhecível. Talvez não passem de uma reação automática ao vazio existencial por ele sentido, como se buscasse algo que pudesse preenchê-lo. Mas será isso o suficiente? Fiquei impressionado como em um livro tão curto um personagem consegue sofrer tantas mudanças, de forma natural e gradativa. Roth demonstra uma incrível capacidade de construir o seu personagem. Apesar de não ser um livro marcante, a leitura foi muito (mesmo!) interessante e prazerosa! Se esse é um dos mais fracos de Roth, fico ansioso pelo que vou encontrar em suas obras mais faladas. . . “Quando você representa o papel de uma pessoa que está entrando em parafuso, a coisa tem organização e ordem; quando você observa a si próprio entrando em parafuso, desempenhando o papel de sua própria queda, aí a história é outra, uma história de terror e medo.” #bookster

A post shared by Book.ster por Pedro Pacifico (@book.ster) on

 

Confira também

Crítica: Aquaman – a DC respira (embaixo d’água)

Por Layon Lazaro – Fala!USP A DC respira – embaixo d’água Toda vez que um ...

2 Coment.

  1. Pena que ele ele compra seguidores. Basta fazer uma pesquisa rápida nos seguidores dele pra ver uma grande quantidade de árabes e perfis fakes. Assim é facil fazer sucesso rápido.

  2. Que história legal, sem dúvida que é um grande entusiasmo para nós blogueiros literários que busca o público leitor, havendo que não se deve dispensar nenhuma das medias sociais, a exemplo do protagonista deste artigo que se desenvolveu no instagram.

    As: Samuel Tenório

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *