Os pitbulls são mesmo animais “feitos para matar”?
Menu & Busca
Os pitbulls são mesmo animais “feitos para matar”?

Os pitbulls são mesmo animais “feitos para matar”?

Home > Lifestyle > Os pitbulls são mesmo animais “feitos para matar”?

Quem acompanha as redes sociais e notícias sobre famosos globais provavelmente se deparou, nesta semana, com a notícia de que Felipe Titto, ator de “A dona do pedaço”, foi atacado pelo seu cão da raça American Bully, uma raça proveniente do cruzamento entre o American Pit Bull Terrier e o American Staffordshire Terrier. Titto teria sido mordido ao pular na piscina de sua casa, em São Paulo, neste final de semana, e levado 15 pontos na região da mordida.

De acordo com o ator, a intenção de seu cão não seria a de “ataque” propriamente dito, mas de o proteger, uma vez que seu American Bully teria medo de água.

Ele foi adotado e eu não sei qual foi o histórico de traumas que teve, mas acredito que seja uma particularidade dele.

Comentou Felipe Titto.

A notícia gerou uma série de questionamentos, sendo um deles bem comum na sociedade: o pitbull (considerando suas raças variantes) é mesmo um “assassino” nato ou tudo depende da forma como o cão é adestrado?

Histórico da raça Pitbull

Para começar, devemos ter em mente a trajetória histórica dos pitbulls, que teve início na Inglaterra, mais precisamente no século XVIII. Espetáculos parecidos com as touradas eram muito populares entre as pessoas. Com isso, os pitbulls se destacavam, já que possuíam focinhos curtos e músculos desenvolvidos e podiam lutar com os touros. Embora tendo sucesso entre os ingleses, as atrações foram proibidas e substituídas pelas lutas de cães.

No entanto, para essas lutas, os bull dogs menos fortes não serviam e então começou a ocorrer os cruzamentos com os terriers, gerando os bull terriers, ancestrais ligados diretamente aos pit bulls.

A agressividade dos Pitbulls

Para muitos cientistas e estudiosos de cinologia (ciência que estuda os cães), algumas suposições podem ser admitidas para refletir sobre a reputação do pitbull.

Em entrevista à SUPER Interessante, Randall Lockwood, pesquisador de comportamento animal da Sociedade Humanitária dos Estados Unidos comenta que “os pitbulls são cães que passaram por uma seleção artificial.” Esta seleção levaria em conta diversos fatores, entre eles a conduta de predador, como afirmado pela veterinária Sharon Crowell, da Universidade da Geórgia, nos Estados Unidos, e um baixo nível de serotonina, o neurotransmissor responsável pela estabilidade emocional, o que explicaria os ataques repentinos desses animais, como destaca a veterinária Ilana Reisner ao mesmo veículo.

É preciso agora descobrir se isso é válido para todos os pitbulls ou somente para os agressivos.

Comenta Ilana Reisner em entrevista à SUPER Interessante.

Para o veterinário Mauro Lantzman, outro fator importante que deve ser considerado é a insistência, ou seja, os pitbulls não interrompem o ataque ainda que sejam repreendidos ou que a vítima se renda, e atribui este comportamento ao cruzamento genético. O que seria um comportamento natural entre cães e lobos não ocorre nesta raça. As misturas entre raças, portanto, são eficazes para quem busca este tipo de conduta em um animal, influenciando tanto a anatomia como o temperamento do cachorro.

Criação vs instinto

É importante ressaltar que, independente da seleção feita, seu comportamento não é fruto apenas deste procedimento. A forma como o cão é tratado pode sim reduzir ou reforçar uma herança genética. Os primeiros indícios de pitbulls agressivos, assim como qualquer outra raça, podem ser identificados logo cedo, e corrigidos de maneira gradual e sem violência.

Um ambiente cujo cão é condicionado pacientemente e cuidadosamente pode reverter o quadro de instinto agressivo, e acabar com a fama de uma raça assassina. Além disso, qualquer linhagem de cães está sujeita à seleção para agressividade, por isso o problema deve ser tratado, como abolir a cultura e a prática cruel de rinhas de cães, e não patrocinar o extermínio de animais.

Afinal, os pitbulls são mesmo perigosos?

Devido à pluralidade de opiniões sobre a raça Pitbull e suas particularidades, sente-se a necessidade de destacar algumas características:

Devido à sua agilidade, força e autoconfiança, muitos criadores da raça pitbull tendem a incentivar e instigar a agressividade no animal. Esta atitude é irresponsável e estimula a propagação do mito de que a raça é naturalmente violenta. Isto não é verdade!

Pelo fato de a maioria dos American Pit Bull Terriers apresentar certo nível de agressividade contra outros cães, bem como pelo fato de seu físico ser poderoso, a raça necessita de proprietários que os sociabilizem cuidadosamente e que treinem obediência aos seus cães

Confederação Brasileira de Cinofilia.

João Carlos Nóbrega, criador e estudioso da raça pitbull, comenta que a agressividade é fruto de desvios comportamentais, que muitas vezes são provocadas por seus donos quando os cães ainda são jovens.

Existe um padrão da raça de acordo com a seleção e desenvolvimento ocorridos em séculos no animal. Toda raça está sujeita à desvios comportamentais, sendo pitbulls ou não, e essas seleções não mudam a característica da raça.

Para João Carlos, portanto, o pitbull não é uma raça potencialmente perigosa e julgá-la por seus atributos físicos, como musculatura desenvolvida e aptidão atlética é o que costuma gerar o preconceito e a fama equivocada de um animal “brutal”.

Neste sentido, pode-se pensar, por exemplo, na raça pinscher, que embora sejam conhecidos como cães bravos, não são considerados violentos pela sociedade, reforçando a ideia de que as características físicas são muitas vezes os únicos fatores que levam as pessoas a definir, erroneamente, se uma raça é ou não perigosa para o ser humano.

E você, concorda com as afirmações abordadas nesta matéria? Deixe seu comentário!

1 Comentário

  1. Adalberto Gravina
    1 ano ago

    Quanta idiotice eu li nessa matéria. Como pode dizer que a raça teve origem no século XVII e ao mesmo tempo foi criada em laboratório? Claro, manipulação genética era super comum no sec. XVII.
    O Pit Bull, como toda raça de cães moderna, é fruto sim de seleção humana entre cruzamentos naturais. Nenhuma raça tem instinto assassino, o que pode desenvolver um comportamento agressivo é a educação, ou falta dela, que o animal recebe. E existem muitas coisas que podem influenciar nesse sentido.

Tags mais acessadas