JazzNosFundos e JazzB: Pós carnaval, com shows da Banda Mantiqueira e André Mehmari
Menu & Busca
JazzNosFundos e JazzB: Pós carnaval, com shows da Banda Mantiqueira e André Mehmari

JazzNosFundos e JazzB: Pós carnaval, com shows da Banda Mantiqueira e André Mehmari

Home > Entretenimento > Música > JazzNosFundos e JazzB: Pós carnaval, com shows da Banda Mantiqueira e André Mehmari

Casas de jazz e música instrumental de Pinheiros e da República prepararam programação intensa de shows com nomes como: Silibrina, Banda Mantiqueira, Eletric Hendrix Ensemble, André Mehmari, Daniel D’Alcantara, dentre outros, além da festa 12 polegadas com DJ KL Jay e DJ Hum

Jazz Nos Fundos. | Foto: Reprodução.
Jazz Nos Fundos. | Foto: Reprodução.

O final de semana pós-Carnaval em São Paulo contará com programação especial promovida pelas casas-irmãs de jazz e música instrumental JazzNosFundos e JazzB.

Juntas, as duas casas reúnem 11 shows e festas entre a sexta-feira (28) e a quinta (5/3). Tem edição especial da festa 12 polegadas para abrir o final de semana em Pinheiros, carnavalzinho JazzBB no sábado para toda a família na República, domingo o projeto B Sundays também na casa do Centro e mais uma série de tributos e shows para os amantes da boa música.

Confira abaixo a programação Pós Carnaval das maiores casa de Jazz de SP:

Silibrina (28/2 às 22h)

Com dois discos lançados – “O Raio” (2017) e “Estandarte” (2019) -, a banda Silibrina finalizou a quarta e mais importante turnê internacional em seus pouco mais de dois anos de carreira e retomou os shows de divulgação do álbum mais recente no Brasil.

JazzNosFundos e JazzB: Pós carnaval, com shows da Banda Mantiqueira e André Mehmari. | Foto: Reprodução.
JazzNosFundos e JazzB: Pós carnaval, com shows da Banda Mantiqueira e André Mehmari. | Foto: Reprodução.

CARNAVAL E JAZZ? VEJA ENSAIOS DE BLOCOS PAULISTANOS NO JAZZNOSFUNDOS

Os shows de lançamento do trabalho do ano passado começaram há um ano e o grupo teve ingressos esgotados em sua passagem pelo Uruguai e pela Argentina. Em junho e julho de 2019, apresentou-se no Baku Latin Festival, no Azerbaijão; nos renomado Montreal Jazz Festival, Toronto Jazz Festival e Sunfest, no Canadá; na Casa da Música, no Porto; Casa Clamores em Madrid; Babel Sound Festival, na Hungria, além de outros shows, incluindo Eslovênia, Áustria e Romênia.

O álbum dá continuidade ao disco de estreia, mostrando o grupo de sete instrumentistas ainda mais entrosado. As músicas e arranjos foram compostos por Gabriel Nóbrega pensando nas características de cada integrante e na relação deles com a música popular brasileira, deixando evidente a linguagem de Silibrina.

Piano, baixo, guitarra e metais se juntam a instrumentos de percussão muito presentes na música popular do Brasil, como o caracaxá, ganzá, timbal, alfaia, gonguê e o pandeiro. O resultado leva o público a uma nova leitura das possibilidades musicais, que chega aos ouvidos de uma forma elegante e ao mesmo tempo eletrizante.

O jeito que elegemos de colocar os ritmos brasileiros no disco é não-literal: nossa música é majoritária, mas não exclusivamente brasileira. Uma faixa não se restringe a um ritmo, manifestação ou movimento. O grande objetivo de ‘Estandarte’ é mesclar tudo isso e contar uma história, em que as músicas se desenvolvem construindo um arco narrativo no processo.

Explica Nóbrega.

Misturando frevo, baião, maracatu, coco e ciranda – alguns diriam, ainda, que com pitadas de jazz -, o disco é uma ode ao carnaval. Os músicos da banda têm referências diversas, vindos de diferentes regiões do Brasil e extremamente atuantes no cenário musical em São Paulo.

Com Gabriel Nobrega (teclados, composição e arranjos), Ricardinho Paraíso (baixo), Jabes Felipe (bateria), Gileno Foinquinos (guitarra), Wagner Barbosa (saxofone), Reynaldo Izeppi (trompete) e Matheus Prado (percussão).

SERVIÇO

Rua Cardeal Arcoverde, 742 – Pinheiros, São Paulo/SP
Ingressos: R﹩25 A R﹩50
Horário: 22h

Festa 12 Polegadas com DJ KL Jay e DJ Hum (28/2 às 23h55)

Repetindo a dose de sucesso da edição anterior, KL Jay retorna ao JazzNosFundos com a Festa 12 Polegadas e convida seu irmão de som e grande nome das pistas brasileiras, o DJ Hum, para uma noite de discotecagem apenas em vinil. Pode esperar Jazz, grooves, hip hop, nu jazz, brasilidades e muito mais!

JazzNosFundos e JazzB: Pós carnaval, com shows da Banda Mantiqueira e André Mehmari. | Foto: Reprodução.
JazzNosFundos e JazzB: Pós carnaval, com shows da Banda Mantiqueira e André Mehmari. | Foto: Reprodução.

FESTIVAL DE JAZZ ITALIANO A PARTIR DE QUINTA-FEIRA NO JAZZNOSFUNDOS

KL JAY, DJ do grupo Racionais MC’s, faz uma viagem especial pelo mundo do jazz, soul, funk, hip hop e R&B. Kleber Simões começou sua carreira em 1987, realizando bailes em residências. Ao lado de Edi Rock, Mano Brown e Ice Blue fundou o Racionais MC’s em 1989 e, com o rapper Xis, criou a gravadora 4P. KL JAY também é sócio da gravadora COSA NOSTRA, foi apresentador do YO! MTV RAPS e, atualmente, tem parceria com o grupo Coisa Fina.

DJ Hum é um dos ícones brasileiros dos toca-discos, com décadas de pistas, além de ser um dos precursores do hip-hop no Brasil ao lado de Thaíde, na clássica dupla Thaíde & DJ Hum, que estavam lá desde antes dos Racionais MC’s. Hum é também produtor de mãos cheias, presente na linha do tempo da história da música rap no país e comunicador e radialista com seu programa “Festa do DJ Hum”, na Rádio 105 FM, desde 1999.

SERVIÇO

Rua Cardeal Arcoverde, 742 – Pinheiros, São Paulo/SP
Ingressos: R﹩30
Horário: 23h55

Banda Mantiqueira (29/2 às 21h30 e 23h30)

A Banda Mantiqueira foi concebida há mais de 30 anos pelo músico Proveta e é uma das maiores referências da música instrumental brasileira. Para escolher os músicos que compõem o grupo ele iniciou uma busca pelos que também ansiavam por liberdade de expressão com aplicação de uma linguagem com swing brasileiro – referendado por nomes como Formiga, Papudinho, Felpudo, Casé e Moacir Santos – apesar da fortíssima influência dos grandes nomes do Jazz internacional – Louis Armstrong, Miles Davis, Charlie Parker e Dizzy Gillespie, entre outros.

JazzNosFundos e JazzB: Pós carnaval, com shows da Banda Mantiqueira e André Mehmari. | Foto: Reprodução.

O grupo tem em seu currículo quatro CDs lançados e duas indicações ao Grammy Latino. O time all-stars começou apresentando-se em bares de São Paulo, acompanhando outros artistas, até passar a integrar festivais do segmento e a fazer suas próprias apresentações, dentro e fora do país, sempre muito bem-aclamadas.

Com Nailor Azevedo [Proveta] (sax alto e clarinete); Ubaldo Versolato (sax barítono, flauta e píccolo); Josué dos Santos (sax tenor e flauta); Cássio Ferreira (sax tenor, soprano e flauta); François de Lima (trombone de válvulas); Valdir Ferreira (trombone de vara); Nahor Gomes, Walmir Gil e Odésio Jericó (trompete e flugelhorn); Jarbas Barbosa (guitarra elétrica); Edson José Alves (contrabaixo elétrico); Celso de Almeida (bateria); Fred Prince e Cléber Almeida (percussão).

SERVIÇO

Rua Cardeal Arcoverde, 742 – Pinheiros, São Paulo/SP
Ingressos: R﹩25 a R﹩55
Horário: 21h30 e 23H30

Electric Hendrix Ensemble + Tributo a Janis Joplin | Part. Lucy Brand (4/3 às 21h)

Em noite dedicada ao jazz fusion, o JazzNosFundos recebe a Electric Hendrix Ensemble e seus “Ships passing Thru the night”, com participação especial de Lucy Brand, em tributo a Janis Joplin e ao artista cuja alcunha inspira o nome do grupo.

Desde 2009, o guitarrista e cantor Eder Martins, nascido em São Miguel Arcanjo-SP, pesquisa e faz releituras da obra de um dos maiores guitarristas da história: Jimi Hendrix. Inicialmente como power trio, ele tocou com diversos músicos de São Paulo. Em 2018 amadureceu a ideia de ampliar o projeto para septeto, com o intuito de explorar a fusão entre Hendrix e Jazz. A nova formação agregou metais e percussão para executar os arranjos originais que remetem à atmosfera dos anos 60.

Lucy Brand é nascida em Nova York e vive no Brasil há 10 anos, é compositora e multi-instrumentista e em seu trabalho mistura linguagens de jazz, rock, R&B, música clássica e música brasileira. Formada em canto pelo Conservatório de Tatuí (2017), foi aluna bolsista da Jazz Combo e do coro sinfônico da CDMCC. Já dividiu o palco com grandes músicos, como Hector Costita, Lito Robledo, Diego Garbin, Cuca Teixeira, Cleber Almeida, Sidiel Vieira, Fábio Leal e Fi Maróstica.

Com Eder “Hendrix” Martins (guitarra e voz), Lucy Brand (voz), Rob Ashtoffen (baixo e backing vocals), Rodrigo Digão Braz (bateria), Danilo Moura (percussão), Lua Bernardo (flauta transversal e backing vocals), Estefane Souza (trompete), Sintia Piccin (sax barítono) e Richard Firmino (trompete e saxofones).

SERVIÇO

Rua Cardeal Arcoverde, 742 – Pinheiros, São Paulo/SP
Ingressos: R﹩20 a R﹩45
Horário: 21h

A Love Supreme – John Coltrane por AC Jazz ( 5/3 às 21h)

Convidamos o saxofonista AC Jazz para apresentar um dos discos mais interessantes da obra de John Coltrane: A Love Supreme. O show contará com o repertório do álbum na íntegra e ainda alguns outros sucessos do mestre.

Como um dos músicos de jazz mais influentes de todos os tempos, John Coltrane percorreu um trajeto de extremos tanto em sua música como em sua vida em proporções difíceis de se imaginar nos dias de hoje. Não importa qual a situação, Coltrane foi sempre uma referência, tentando encontrar novos caminhos para o jazz e para a expansão do seu universo musical. Foi o primeiro improvisador do jazz a se libertar das formas curtas de solo – explorando longas passagens improvisadas que extrapolavam um lado dos antigos LPs – e a explorar novos formatos de solo e sendo o primeiro artista de jazz a realizar um álbum inteiro (Interstellar Space) em um dueto com um baterista.

“A Love Supreme” foi gravado numa única sessão em dezembro de 1965, num estúdio em Nova Jersey, pelo quarteto de John Coltrane: Coltrane (tenor), Jimmy Garrison (contrabaixo), Elvin Jones (bateria, gongos e tímpano) e McCoy Tyner (piano). Nesse álbum vem à tona a enorme habilidade de compositor de Coltrane. “A Love Supreme” trata-se de uma suíte dedicada a sua busca espiritual e conduzida pela musicalidade e virtuosismo dele mesmo e de sua banda espetacular. Sua espiritualidade transcende a ética de uma religião específica e transparece como a busca do homem tentando chegar a algo maior do que a si mesmo.

“Ter uma chance de realizar a minha versão de ‘A Love Supreme’ é um sonho que eu tenho há muito tempo. Algo como se eu estivesse indo pela primeira vez a um lugar que eu conheço muito bem, como se isto fosse possível. Nós não vamos tocar todas as notas da versão original, na verdade, não vamos tocar todas as notas certas nem acertar todas as passagens. O que vamos fazer é um verdadeiro esforço para alcançar o pico mais alto da nossa musicalidade e mostrar a nossa versão da obra de Coltrane. Espero que tenhamos sucesso, mas, não importa o quão bem sucedido formos desde que não sejamos vulgares” diz AC.

Com AC (sax tenor), Marcelo Elias (teclado), Marcos Paiva (contrabaixo) e Giba Favery (bateria).

SERVIÇO

Rua Cardeal Arcoverde, 742 – Pinheiros, São Paulo/SP
Ingressos: R﹩25 a R﹩50
Horário: 21h

Edu Ribeiro Trio com Fabio Leal e Bruno Migotto (28/2 às 22h)

Com dois prêmios no Grammy Awards, Edu Ribeiro é um dos mais renomados e requisitados bateristas brasileiros. Esta noite usará o formato de trio, com Bruno Migotto no contrabaixo e Fabio Leal na guitarra. Eles apresentam uma seleção de composições de Edu Ribeiro e outros compositores, registradas em vários dos seus álbuns autorais, ao longo dos mais de 20 anos de carreira.

Músico, baterista, compositor e professor, Edu Ribeiro ganhou como Melhor Álbum de Jazz Latino no Grammy e Latin Grammy (2013 e 2014, respectivamente), pelo álbum “Song for Maura”, do Trio Corrente e Paquito D’Rivera. Neste, foi produtor, compositor e intérprete.

Também participou como músico de outros três álbuns agraciados na mesma premiação: “Dance of Time”, de Eliane Elias (Melhor Álbum de Jazz Latino, Latin Grammy 2017); “Made in Brazil”, de Eliane Elias (Melhor Álbum de Jazz Latino, Grammy Awards 2016) e “Randy in Brazil”, de Randy Brecker (Melhor Álbum de Jazz Contemporâneo, Grammy Awards 2008).

Seu mais recente trabalho autoral, o álbum “Folia de Reis”, no qual convida Toninho Ferragutti e Fábio Peron, foi nominado ao 20º Latin Grammy, em 2019, na categoria “Melhor Álbum Instrumental”. Em 2017 lançou “Na Calada do Dia”, gravado por seu quinteto, formado por Rubinho Antunes, Guilherme Ribeiro, Bruno Migotto e Gian Correa. Além de liderar estas formações, atua como músico no Trio Corrente, com Fábio Torres e Paulo Paulelli; no Hamilton de Holanda Quarteto, com Hamilton de Holanda, Daniel Santiago e Thiago Espírito Santo; e no Amilton Godoy Trio, com Amilton Godoy e Sidiel Vieira.

Com Edu Ribeiro (bateria), Bruno Migotto (contrabaixo) e Fabio Leal (guitarra).

SERVIÇO

Rua General Jardim, 43 – República, São Paulo/SP
Ingressos: R﹩35 a R﹩40
Horário: 22h

JazzBB Carnavalzinho Brasileirinho com Paulo Bira (29/2 às 13h)

Um delicioso almoço para famílias com bebês e crianças pequenas ao som de primeira com jazz, música para criança ou música instrumental brasileira. Na casa, toda a infraestrutura para receber os pequenos ouvintes: shows com volume reduzido, banheiro com trocador, tapetes de EVA no chão e grupos musicais trazendo a boa música em clima lúdico para toda a família. No almoço, buffet de feijoada ou opções à la carte de pratos para adultos e crianças. Traga seu filhote para degustar boa música desde cedo!

Nesta edição do JazzBB Carnavalzinho, Paulo Bira com o projeto Brasileirinhos – Música para os bichos do Brasil.

A apresentação musical é um passeio pela fauna brasileira, com canções, histórias e curiosidades sobre animais brasileiros, sempre com leveza e bom humor. Busca cativar as crianças com a graça das canções e despertar sua curiosidade sobre a rica porém tão ameaçada, fauna brasileira.

O projeto surgiu a partir da série de livros “Brasileirinhos” (Ed. Cosac & Naify), do poeta Lalau e de sua parceira ilustradora Laurabeatriz, que mostra às crianças mamíferos, aves, répteis e insetos que, a cada ano, infelizmente, integram as listas de animais em extinção em nosso país. O músico Paulo Bira, então, musicou vários desses poemas/bichos no CD homônimo lançado em 2010, que foi um dos indicados ao Grammy Latino 2010, na categoria “melhor álbum de música para crianças”.

Em 2013, veio a continuação do projeto, Brasileirinhos vol. 2. As canções falam sobre alguns desses representantes da nossa fauna, ressaltando a personalidade ou alguma curiosidade sobre eles, e convidando o ouvinte a conhecer e se interessar mais pela natureza, pela fauna e, consequentemente, pela ecologia do nosso país.

Com Paulo Bira (voz e violão), Kennya Macedo (voz), Ana Eliza Colomar (voz e sopros), Edu Diegues (baixo) e Guegué Medeiros (bateria).

SERVIÇO

Rua General Jardim, 43 – República, São Paulo/SP
Ingressos: R﹩25
Horário: 13h

29/2 às 22h – André Mehmari convida Sérgio Santos

Celebrando quase duas décadas completas de parcerias bem sucedidas em projetos variados, começando no álbum ‘Áfrico’ de Santos em 2001, a dupla apresenta parcerias como ‘Vento Bom’ e ‘Última Valsa’, entre outras pérolas. Além das canções autorais, os músicos irão apresentar versões intimistas para clássicos da música brasileira de autores como Chico Buarque e Tom Jobim.

Mehmari aproveita também a ocasião para apresentar algumas de suas leituras em piano solo para a obra de Noel Rosa, em função do lançamento de seu mais recente álbum: Noël, Estrela da Manhã (2020).

André Mehmari é pianista, arranjador, compositor e multiinstrumentista e tem se apresentado como solista em importantes festivais de jazz como Chivas Jazz, Heineken Concerts, TIM Festival, Spoleto Festival USA, Blue Note Tokyo e Savassi New York. Premiado tanto na área erudita quanto na popular, tem suas obras tocadas por grupos como OSESP, Sujeito a Guincho e outros. Tocou com Milton Nascimento, Sérgio Santos, Guinga, Mônica Salmaso, Toninho Horta, Flávio Venturini Alaíde Costa, Hamilton de Holanda, Gabriel Mirabassi e Ná Ozzetti, entre outros. Recebeu o prêmio Visa (1998), Revelação Carlos Gomes (2007), Nascente-USP/Camargo Guarnieri e foi compositor residente da Banda Sinfônica do Estado de São Paulo. Em 2008 foi indicado para o Grammy Latino com o álbum ‘Nonada’.

Com André Mehmari e Sérgio Santos

SERVIÇO

Rua General Jardim, 43 – República, São Paulo/SP
Ingressos: R﹩45 a R﹩50
Horário: 22h

1/3 às 13h30 – B Sunday com Family 3 – Bruno Migotto, Edu Nali e Caio Slonzon

B Sunday: domingos no JazzB com almoço, drinks gostosos, parklet e muita música boa. Nesta edição, Family 3.

Migotto e Nali celebram mais de 15 anos de parceria e amizade do melhor jeito possível: tocando! Eles exploram músicas autorais e standards do Jazz na formação de trio – Bruno no piano, Edu na bateria e Caio Slonzon no baixo, como convidado, grande baixista e amigo que conheceram logo que chegaram em São Paulo.

Com Bruno Migotto (piano), Edu Nali (bateria) e Caio Slonzon (baixo)

SERVIÇO

Rua General Jardim, 43 – República, São Paulo/SP
Ingressos: R﹩15 a R﹩20
Horário: 13h30

3/3 às 21h – Daniel D’Alcantara Quinteto – Ready for Freddie

Daniel D’Alcântara é bacharel em Trompete pela Universidade de São Paulo (ECA-USP) e iniciou seus estudos musicais com seu pai, o trompetista Magno D’Alcântara. Leciona na Escola de Música do Estado de São Paulo – Tom Jobim (EMESP) e na Faculdade Souza Lima/Berklee. É integrante da “Soundscape Big Band Jazz”, grupo com o qual gravou três CDs (“Maybe September”, “Uncle Charles” e “Cores Vol.1”). De 2009 a 2014 foi trompetista solista da Orquestra Jazz Sinfônica do Estado de São Paulo, com a qual participou de duas estreias mundiais, sendo uma em 2004, com a obra “Thaddeus”, de Alexandre Mihanovich, e em 2005, no Festival de Inverno de Campos do Jordão, com a obra “Brasilianas No.4”, de Cyro Pereira. Acompanhou grandes artistas nacionais como João Donato, Roberto Menescal, Ivan Lins, Leny Andrade, Joyce, Claudete Soares, Filó Machado, Rosa Passos, Milton Nascimento, Max de Castro, Pedro Mariano, Eugênia Melo e Castro. Em 2001 gravou seu primeiro CD, “Horizonte”, em parceria com o baterista Edu Ribeiro.

Com Daniel D’Alcântara (trompete), Vitor Alcântara (sax), Cuca Teixeira (bateria), Edson Sant’anna (piano) e Bruno Migotto (baixo acústico).

SERVIÇO

Rua General Jardim, 43 – República, São Paulo/SP
Ingressos: R﹩25 a R﹩35
Horário: 21h

5/3 ás 21h – Teco Cardoso Quarteto

Há exatos 40 anos um jovem segundo-anista de medicina subia a serra de Santos para gravar juntamente com o recém-criado octeto “PéAntePé” seu primeiro LP. “Apesar de ter assumido a carreira musical só em 1985, depois de formado, sinto que naquele estúdio, em abril de 1980, comecei a fincar raízes naquele que seria o terreno no qual construiria minha história. É justamente parte desta história que pretendo contar com este show e este quarteto de grandes músicos/amigos que reuni para comemorar essa trajetória”, diz Teco Cardoso.

Ele divide palco com Tiago Costa ao piano (colega de grupo Vento em Madeira e com o qual desenvolveu e lançou o CD em “Erudito Popular e vice-versa”), Ricardo Mosca (baterista e produtor musical, colega de “Grupo Pau Brasil” ) e com o lendário Zeca Assunção (baixista que deixou marca nos CDs mais importantes da história da música brasileira). O músico junta suas flautas, saxes e flautas indígenas para, num repertório também repleto de amigos e afetos, dar um panorama desta trajetória que o levou a rodar algumas vezes este planeta, sempre fazendo música brasileira.

As canções não são só releituras de projetos já lançados, como também há algumas inéditas a serem gravadas em 2020 com este Quarteto. O público ouve os mestres Dori Caymmi, Egberto Gismonti e Moacir Santos, passando pelos parceiros Léa Freire, Guilherme Vergueiro e Tiago Costa, além de composições inéditas do próprio Teco, especialmente arranjadas para esta formação.

Com Teco Cardoso (sax Alto, Soprano, Flautas e flautas indígenas), Tiago Costa (piano acústico), Ricardo Mosca (bateria e percussão) e Zeca Assumpção (contrabaixo acústico).

SERVIÇO

Rua General Jardim, 43 – República, São Paulo/SP
Ingressos: R﹩35
Horário: 21h

Tags mais acessadas