Golpe militar: Entenda o que está acontecendo em Mianmar
Menu & Busca
Golpe militar: Entenda o que está acontecendo em Mianmar

Golpe militar: Entenda o que está acontecendo em Mianmar

Home > Notícias > Urbano > Golpe militar: Entenda o que está acontecendo em Mianmar

Dezenas de milhares de pessoas estão indo às ruas de Mianmar para protestar contra um golpe militarAs informações mais recentes expõem a repressão por parte da polícia, que está usando balas de borracha, gás lacrimogêneo e jatos d’água contra manifestantes. Até o fim desta apuração, quatro pessoas foram feridas. 

O país do Sudeste Asiático chegou a essa situação tensa depois que militares anunciaram, em 1º de fevereiro, que haviam tomado o poder. Antes disso, eles prenderam a líder política Aung San Suu Kyi e outros membros importantes do seu partido.

Os militares declararam estado de emergência de um ano no país e passaram toda a autoridade ao comandante do Exército Min Aung Hlaing. Eles disseram que haverá eleições “livres e justas” após o fim do estado de emergência.

mianmar
Manifestantes seguram cartazes que dizem “Queremos nossa líder” e “Libertem Aung San Suu Kyi”. | Foto: Yuichi Nitta.

Contextualizando o golpe de Mianmar

A última eleição geral de Mianmar, realizada em novembro,  teve como resultado uma vitória esmagadora da Liga Nacional para a Democracia, partido de Suu Kyi.

Os militares apoiaram a oposição, que foi derrotada nas urnas e alegou fraude. A comissão eleitoral disse que não havia evidências que sustentassem essas acusações. O golpe ocorreu justamente quando foi marcada a sessão no Parlamento que aprovaria o resultado da eleição e o novo governo.

Suu Kyi e colegas de partido estão em prisão domiciliar. Em carta escrita antes de ser detida, ela pediu a seus partidários “que não aceitem isso” e “protestem contra o golpe”.

Repressão aos protestos em Mianmar

Os atuais protestos são os maiores desde a chamada “Revolução Açafrão” de 2007, quando milhares de monges budistas participaram do movimento contra o regime militar daquela época.

As manifestações contam com a adesão de várias parcelas da sociedade. Apesar disso, estão sendo fortemente reprimidas. Os militares impuseram várias restrições à população, incluindo toque de recolher e limite de reuniões. Soldados estão nas ruas da capital, Nay Pyi Taw, e de outra cidade importante, Yangon.

Além disso, houve problemas na comunicação do país. Serviços de telefonia e de conexão com a Internet foram interrompidos várias vezes depois do golpe.

Reação internacional

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, disse que o que ocorreu em Mianmar foi um “golpe sério nas reformas democráticas”. Sobre a violência contra manifestantes, a ONU pediu às forças de segurança de Mianmar que respeitem o direito das pessoas de protestar pacificamente.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, ameaçou restabelecer sanções ao país. Reino Unido, União Europeia e Austrália condenaram o golpe militar.

A China bloqueou uma declaração do Conselho de Segurança da ONU que condenaria o golpe. O país pediu a todos os lados que “resolvam as diferenças”. Países vizinhos, incluindo Camboja, Tailândia e Filipinas, disseram que se trata de um “assunto interno”.

História recente

Mianmar, antiga Birmânia, foi colônia do Império Britânico entre os séculos XIX e XX. Foi ocupada também pelos japoneses durante a Segunda Guerra Mundial. O país conquistou a independência em 1948. 

Desde então, foi governado pelas forças armadas por um longo período, entre 1962 e 2011. O regime dos militares teve suporte da China enquanto era condenado por países do Ocidente.

Aung San Suu Kyi teve papel central na luta para restabelecer a democracia no país. Ficou mundialmente conhecida ao receber o Prêmio Nobel da Paz em 1991, enquanto estava presa por combater a ditadura da época.

A eleição vencida por seu grupo político no ano passado foi apenas a segunda desde o fim do regime militar.

_________________________________
Por Igor Magalhães – Fala! Universidades Federal do Ceará

Tags mais acessadas