Clean Beauty: entenda o conceito que virou tendência
Menu & Busca
Clean Beauty: entenda o conceito que virou tendência

Clean Beauty: entenda o conceito que virou tendência

Home > Lifestyle > Clean Beauty: entenda o conceito que virou tendência

O mundo da beleza vive se reinventando de acordo com as necessidades dos consumidores. Nos últimos tempos, fala-se mais sobre o cuidado com os ingredientes que colocamos no nosso corpo. Com isso, movimentos de beleza alternativos estão surgindo, como o Clean Beauty. O conceito, cuja tradução literal significa “beleza limpa”, propõe uma mudança nos tipos de cosméticos que se usam. A ideia é aderir a marcas que tenham fórmulas mais leves e sem ingredientes considerados nocivos à saúde.

No entanto, o universo da beleza alternativa conta com diversos conceitos e é importante não confundi-los para não investir no cosmético errado.

Clean Beauty
O Clean Beauty já é tendência no universo da beleza. | Foto: Montagem/Reprodução.

Clean Beauty x Veganismo x Slow Beauty

Os movimentos possuem algumas semelhanças e, muitas vezes, estão unidos. A maioria das marcas que propõem uma responsabilidade ambiental e um estilo de vida mais saudável oferecem produtos que contemplam todos esses movimentos. Mas, ainda assim, é importante entender bem do assunto para não ser enganado (a).

O Clean Beauty é o conceito que faz referência à adesão de produtos mais “limpos” na rotina, ou seja, livres de ingredientes considerados prejudiciais à saúde. Sendo assim, é um movimento que tem como principal objetivo a preocupação com os ingredientes que entram em contato com nosso organismo.

Já o veganismo é um movimento muito mais amplo, que faz referência a vários setores da sociedade e da vida pessoal do indivíduo que escolhe seguir este estilo de vida. No veganismo, deixa-se de consumir qualquer tipo de coisa que seja testada ou tenha algum ingrediente de origem animal. Isso também vale para cosméticos. Assim, os adeptos ao movimento buscam cosméticos veganos para substituir os tradicionais. No entanto, a discussão sobre a vaidade e a crueldade animal tem se popularizado e muitas pessoas que não aderem ao veganismo optam por cosméticos veganos na busca por reduzir, ainda que pouco, os impactos ambientais.

O Slow Beauty (“beleza lenta” na tradução literal) é o conceito que faz referência às mudanças de hábitos de consumo. Ou seja, propõe-se que os adeptos abandonem os cosméticos industrializados e invistam em alternativas mais naturais e em produtos artesanais e de pequenos empreendedores.

Você deve ter notado que o Clean Beauty e o Slow Beauty têm algumas semelhanças, já que ambos evitam o uso de cosméticos que contenham ingredientes considerados tóxicos ou suspeitos. No entanto, a principal diferença é em relação ao fato do Slow Beauty abolir ingredientes sintéticos, enquanto no Clean Beauty, alguns sintéticos são permitidos, desde que sejam considerados seguros.

Vantagens de aderir ao Clean Beauty

  • Evita ingredientes nocivos ao corpo – ao aderir ao Clean Beauty, você consegue evitar o uso de produtos que contenham ingredientes considerados tóxicos ou suspeitos. Assim, a mudança não é apenas na forma de consumo, mas na saúde interior.
  • Melhora os fios do cabelo – como o movimento busca evitar ingredientes como o Lauril Sulfato de Sódio, que é um detergente agressivo encontrado na maioria dos shampoos, a troca dos produtos tradicionais pelos limpos promove uma melhor condição dos fios, diminuindo o ressecamento. Além disso, pode ser benéfico para quem tem problemas no couro cabelo, como sensibilidade, já que os detergentes usados no Clean Beauty são mais suaves.
  • Promove a diminuição de alergias – para quem tem a pele sensível e sofre com alergias que podem ser causadas por essências sintéticas, corantes, conservantes e outro ingredientes agressivos, optar pelo conceito do Clean Beauty pode ser uma alternativa para diminuir o problema causado pelos cosméticos tradicionais.
  • Evita problemas de pele – para pessoas que apresentam predisposição o uso de cosméticos convencionais pode causar problemas de pele como a acne, principalmente pelo uso de ingredientes sintéticos como os silicones e parafinas.  Essas substâncias são conhecidas como comedogênicas, ou seja, aquelas que possuem grandes chances de causar entupimento dos poros. Esse quadro causado pelos produtos tradicionais como cremes, sabonetes e maquiagens é chamado de acne cosmética e é mais comum do que se imagina.
  • Diminui o impacto ambiental – já que a maioria das marcas que seguem o conceito Clean Beauty optam por ingredientes vegetais, a maioria delas também é vegana. Assim, aderir ao movimento pode ser uma forma de evitar a crueldade animal. Mas nunca se esqueça de conferir se a marca é realmente vegana.

Ingredientes proibidos no Clean Beauty

Como o conceito Clean Beauty não é oficialmente regulamentado por um órgão legal, não existe uma lista exata de produtos que não possam ser adicionados nos cosméticos para que ele seja considerado limpo. As marcas podem ter diferentes interpretações do que é um produto limpo.

Ainda assim, existem alguns ingredientes que geralmente não são usados pela maioria das marcas. São eles o Lauril Sulfato de Sódio, um dos detergentes mais baratos e mais utilizados nos shampoos convencionais, parabenos, um conservante altamente alergênico, liberadores de formaldeídos, estabilizantes, conservantes de maneira geral, fragrâncias sintéticas, derivados de petróleo e filtros químicos.

Mesmo que cada marca possua sua visão de cosmético limpo, é importante estar atento(a) na hora de investir em um produto que se diz Clean Beauty, já que muitas empresas se aproveitam de tendências de beleza sustentável para fazer o greenwashing.

O que é o greenwashing?

O greenwashing (“lavagem de dinheiro” em português) é uma estratégia de marketing adotada, principalmente, pelas grandes empresas do mercado, que vendem um produto afirmando ser sustentável. Mas, na verdade, a empresa não tem ética ambiental e divulga esse tipo de informação para conquistar o público que se preocupa com esse tipo de causa. Assim, as marcas criam uma falsa aparência de sustentável para o público que não é aplicada na produção dos produtos.

Segundo informações do blog VGR, para realizar um greenwashing, a empresa precisa fazer as seguintes coisas:

  • utilizar informações falsas para criar a imagem de que praticam uma produção sustentável;
  • ocultar características que prejudicam o meio ambiente causadas pela produção de seus produtos ou serviços;
  • expor referências de quantidades que não são verdadeiras;
  • utilizar dados incorretos ambíguos e que não possuam provas de sua veracidade;
  • usar selos ou certificados ambientais.

Assim, é necessário estar atento à marca que procura investir para descartar essas características.

Marcas que seguem o conceito Clean Beauty

Para facilitar a busca, nós fizemos uma seleção de marcas confiáveis que se encaixam no conceito Clean Beauty. Todas as marcas que indicarmos são encontradas na Slow Beauty, loja que reúne apenas produtos de empresa que tenham responsabilidade e ética ambiental.

Cativa Natureza

A marca Cativa Natureza foi criada em 2008 pela aromaterapeuta Rose Bezecry, que deixou Manaus para ir para Curitiba investir no sonho de fundar uma empresa de cosméticos livres de substâncias nocivas à saúde e ao meio ambiente.

Segundo o site da Cativa, “todo o processo de extração, produção e processamento de matérias-primas, para dar vida aos nossos cosméticos, são rastreados e certificados por renomados institutos nacionais e internacionais como o Instituto de Biodinâmica – IBD. Assegurando o respeito ao meio ambiente, boas condições de trabalho e produtos altamente confiáveis. Além disso, somos contrários a todo e qualquer material de origem animal e a realização de testes”.

A Cativa Natureza oferece cosméticos naturais e veganos de diferentes tipos, como produtos para skincare, cabelo, corpo e maquiagem. Para cada categoria, podemos destacar produtos da marca, como o Creme Facial Noturno Flor da Noite,  Shampoo Sólido de Pitanga, Spray Corporal Andiroba e Máscara de Cílios Orgânica.

Care Natural Beauty

A Care Natural Beauty é uma marca fundada por Paty Camargo e Lu Navarro que acredita na beleza e autocuidado como um caminho para cura do corpo e da alma. Segundo o site da empresa, “Pessoas, animais, natureza em todas as suas formas são importantes e escolhemos cuidar de todos de forma gentil, colorida e divertida. Acreditamos que com informações verdadeiras, aliadas à ciência e tecnologia, podemos fazer melhores escolhas e assim promover um grande movimento de mudança nas opções de consumo”.

A Care Natural Beauty oferece produtos naturais e veganos de maquiagem e para cuidados com a pele. Entre eles podemos destacar o Batom Natural Vegano, o Blush Natural Vegano, o Anti Acne Mask, o Ritual Revitalizante Skincare e o Serum Skindrops Filler.

Terral

A Terral é uma marca que surgiu, em 2015,  a partir do desejo de mudança. Os fundadores esperavam um bebê e decidiram que queriam cuidar dele de forma mais natural e, ao mesmo tempo, cuidar do mundo que ele também viveria.

O objetivo é criar produtos a partir do resgate de ingredientes naturais, extraídos de maneira ética e sustentável, além de promover bem-estar físico e emocional. De acordo com o site da marca, “viver a experiência Terral é fazer parte de um ciclo vivo, que se inicia na origem verde de cada produto, passa pelo carinho e responsabilidade das pessoas envolvidas em sua produção e se completa no momento em que você desliga o mundo lá fora e abre espaço para viver o prazer de ser quem é, do jeito que é!”.

A Terral oferece cosméticos veganos e naturais para o autocuidado, como sabonetes, cremes faciais, corporais e para as mãos. Dentre eles, podemos destacar alguns como o Sabonete de Limão Siciliano, Creme Facial de May Chang, Creme Corporal Patchouli Dark, Creme para as Mãos Mont Blanc e Saboneteira Bambu.

Agora que você já sabe tudo sobre o Clean Beauty, que tal adotá-lo na sua rotina? E para fugir do greenwashing, você encontra, lá na Slow Beauty, uma seleção de produtos de muitas outras marcas comprometidas com o autocuidado e com a preservação ambiental!

__________________
Por Giovana Rodrigues – Redação Fala!

Tags mais acessadas