As 5 maiores curiosidades sobre o futebol feminino brasileiro
Menu & Busca
As 5 maiores curiosidades sobre o futebol feminino brasileiro

As 5 maiores curiosidades sobre o futebol feminino brasileiro

Home > Notícias > Esporte > As 5 maiores curiosidades sobre o futebol feminino brasileiro

O futebol feminino brasileiro tem ganhado maior visibilidade com o passar dos anos, devido a novos investimentos e maior divulgação do esporte. A prática, no entanto, ainda não é conhecida e familiarizada por todos, por isso, confira 5 curiosidades sobre a modalidade.

O futebol feminino cresce a cada dia mais no País, mas ainda existem muitas curiosidades que não sabemos sobre ele.
O futebol feminino cresce a cada dia mais no País, mas ainda existem muitas curiosidades que não sabemos sobre ele. | Foto: Reprodução.

5 curiosidades sobre o futebol feminin

1. Mulheres proibidas de jogar

Manchete de jornal impresso da época em que mulheres eram proibidas de jogar futebol, pode ser encontrado no Museu do Futebol
Manchete de jornal impresso da época em que mulheres eram proibidas de jogar futebol, pode ser encontrado no Museu do Futebol. | Foto: Reprodução.

O artigo 54 do Decreto-lei 3199, de 1941, continha a seguinte frase, “às mulheres não se permitirá a prática de desportos incompatíveis com as condições de sua natureza”. A lei durou até 1979, mas foi só em 1983 quando o regulamento, que permanece o mesmo até hoje, foi elaborado.

2. Maior campeão brasileiro de futebol feminino

Elenco de futebol feminino do Corinthians, que conquistou no último dia 26 o terceiro Campeonato Brasileiro para o clube. 
Elenco de futebol feminino do Corinthians, que conquistou no último dia 26 o terceiro Campeonato Brasileiro para o clube. | Foto: Livia Villas Boas/CBF.

Na última semana, o Corinthians, agora tricampeão, se tornou o maior campeão brasileiro do futebol feminino. A equipe do Parque São Jorge foi uma das primeiras a investir em um time feminino, essa tradição faz com que hoje o Timão seja uma potência do futebol feminino. 

3. Time de Modelos

Elenco corintiano que deu inicio à modalidade no clube, Milene está agachada à esquerda e usa uma faixa na cabeça.
Elenco corintiano que deu inicio à modalidade no clube, Milene está agachada à esquerda e usa uma faixa na cabeça. | Foto: Reprodução.

Em 1994, o então presidente do Corinthians, Alberto Dualib, contratou dez modelos para formar o time de futebol feminino do clube. Uma dessas modelos era Milene Domingues, que fazia embaixadinhas nos intervalos dos jogos masculinos. A questão da aparência era tão importante para a modalidade na época, que em 2001, a Federação Paulista de Futebol publicou um decreto dizendo que mulheres não poderiam ter cabelo curto ou raspado para jogar, a justificativa era que o embelezamento das mulheres era um dos responsáveis pelo sucesso do campeonato.

4. Maior goleadora das Olimpíadas

Cristiane ficou de fora da convocação do time de futebol feminino para os Jogos Olímpicos de Tóquio por opção da técnica Pia Sundhage.
Cristiane ficou de fora da convocação do time de futebol feminino para os Jogos Olímpicos de Tóquio por opção da técnica Pia Sundhage. | Foto: Reprodução.

Cristiane Rozeira, atacante da seleção brasileira nas Olimpíadas de 2004 a 2016 e dona de duas medalhas de prata, é a maior artilheira da história dos jogos, com 14 gols. Marta, atualmente, ocupa o segundo lugar, com 13.

5. Veterana quebradora de recordes do futebol feminino

A estreia do Brasil contra a China nos jogos de Tóquio deram à Formiga o recorde.
A estreia do Brasil contra a China nos jogos de Tóquio deram à Formiga o recorde. | Foto: Reprodução.

Miraildes Maciel Mota, mais conhecida como Formiga, quebrou diversos recordes ao disputar os Jogos de Tóquio 2020. A volante se tornou a única jogadora que participou de todas as edições de futebol feminino, desde que foi inserida nas Olimpíadas. Formiga também é a futebolista (entre homens e mulheres) mais velha a disputar os jogos, com 43 anos de idade. Meg, também brasileira, era a detentora anterior do recorde.​

_________________________________________________________

Por Eduardo Fabrício Ferreira – Fala! ESPM-SP

Tags mais acessadas