Menu & Busca
Vingadores Ultimato: Sony pode ter complicado a Marvel

Vingadores Ultimato: Sony pode ter complicado a Marvel


Foto: Reprodução
Todo mundo que lê os quadrinhos sabe que os personagens, com exceção de alguns poucos, não ficam mortos por muito tempo. Ainda assim, o impacto causado pelo estalar de dedos gerou comoção e até dúvidas se realmente teríamos os heróis de volta em “Vingadores: Ultimato”. Eis que aí houve um anticlímax não planejado, que foi o início da campanha de marketing da próxima aventura do Homem-Aranha nos cinemas.
A Sony, que mantém um acordo com o Marvel Studios, deixou o calendário apertado para o lançamento obrigatório em 2019, assim como a divulgação do filme quando a galera ainda estava de luto. Isso gerou um grande spoiler, que não somente revelou o renascimento de Peter Parker como os de Nick Fury e Maria Hill — e ainda posicionou a aventura “logo depois de Vingadores 4”, segundo a produtora Amy Pascal, chefe do braço de entretenimento da gigante japonesa.
O Homem-Aranha, que é a “cara” da Marvel , foi vendido pela “bagatela” de US$ 7 milhões e os outros devem ter saído por menos, com uma cláusula absurda que permite aos estúdios usá-los de forma vitalícia, contanto que sejam lançados filmes relacionadas a essas propriedades em determinado tempo — alguns heróis já voltaram para o Marvel Studios por conta disso, a exemplo de Blade, Demolidor, Motoqueiro Fantasma e Justiceiro.
X-Men e Quarteto Fantástico agora estão com o Marvel Studios com a compra da Fox pela Disney e tanto o Hulk quanto o Aracnídeo têm parcerias um tanto quanto complicadas. A do Gigante Esmeralda segue em sigilo, mas ainda atrelada à Universal. Já o acordo com a Sony gira em torno de uma simbiose, com o perdão do trocadilho com o Aranhaverso.
Quer se tornar um colaborar e escrever para o fala?
Saiba como

1 Comentário

Tags mais acessadas