Cadastre-se e tenha acesso a conteúdos exclusivos!
Quero me cadastrar!
Menu & Busca
Vermelho e branco x verde e amarelo

Vermelho e branco x verde e amarelo

Uma reflexão por Nicoly Bastos e Isabella Gomes – Fala!Cásper

No dia 07 de abril, a bateria da Faculdade Cásper Líbero, composta quase inteiramente por alunos da mesma, passou por uma situação delicada em um de seus ensaios que ocorrem todo domingo. Uma manifestação a favor do atual presidente Jair Bolsonaro, do ministro Sérgio Moro, ex-juiz da Operação Lava Jato e em comemoração a um ano de prisão do ex-presidente Lula tomou conta da Avenida Paulista, local onde também ocorrem os ensaios.

No domingo do dia 7, havia na Avenida um carro de som e vários manifestantes protestando em frente ao local de ensaio da bateria. Em um dado momento, uma das manifestantes invadiu o ensaio com empurrões, proferindo palavras de ódio.

Logo em seguida, foi acompanhada de outros manifestantes que proferiam coisas como “vai pra Venezuela”, “vocês não têm vergonha na cara?” aos integrantes da bateria.

Houve até mesmo gente com pedras nas mãos ameaçando jogar em quem estava ali tocando. O ensaio teve de ser interrompido, e o mestres tiveram de acalmar os manifestantes.

Em sua página do Facebook, a Bateria da Cásper postou uma declaração sobre o ocorrido:

Nós não vamos pra Paulista para demonstrar ódio. Vamos para ensaiar. Pra tocar Samba. E para fazer o que muitos jovens fazem: curtir uma tarde com os amigos. E fomos violentamente interrompidos. Tentaram nos calar, mas o Samba continua. E vai continuar por muito tempo.

Nesse último domingo, 26 de maio, os ensaios da Bateria foram cancelados em decorrência da manifestação a favor da reforma da Previdência e do pacote anticrime apresentado pelo ministro da Justiça, Sérgio Moro, para não causarem maiores transtornos como os da última manifestação.

A manifestação ocorreu até as 17 da tarde no domingo. Centenas de pessoas vestidas não só de verde e amarelo, mas também com roupas militares. Cartazes como “STF corrupto”, “Intervenção militar JÁ” e “meu partido é o Brasil” eram amplamente visíveis. Por todos os lados viam-se adultos e até mesmo crianças fazendo lives e selfies com seus celulares, como representação da maioria das reuniões atuais dos deputados.

A Cásper Líbero e as Manifestações

O mestre e ritmista Rui Infante Smaira afirmou que situações assim ocorrem desde quando ele entrou na bateria, em 2014. O último transtorno havia sido em 2018, na greve dos caminhoneiros em que não só a bateria, como também a faculdade foi referida a “local cheio de comunistas”.

Não só Rui, como a maior parte da bateria, acreditam que o motivo seja as cores do uniforme, vermelho e branco, e o fato de associarem a faculdade a um partido político. O motivo de tentarem ser calados por vestirem vermelho e branco só enfatiza o quanto os valores do país andam preocupantes, em que uma simples cor de vestimenta já pode gerar o caos e a discórdia entre as pessoas.

Em que é preciso se cancelar o ensaio para que os ritmistas não sofram com manifestações contra seu samba. Em um país onde se, teoricamente, a democracia é um fator presente; o ensaio teve de ser cancelado, demonstrando a falta de liberdade que o país ainda enfrenta.

O samba teve de parar e isso deve ser levado em conta. Em tempos sombrios como esse, a arte não pode ser silenciada.

0 Comentários