Home / Colunas / Terapia holística: devemos tratar o doente, e não a doença

Terapia holística: devemos tratar o doente, e não a doença

Por: Izadora Del Bianco Reis – Fala! Cásper

 

Muitas pessoas buscam qualidade de vida, mas não sabem muito bem como encontrá-la. Seria somente uma alimentação adequada aos seus objetivos físicos, atrelada a uma rotina regular de exercícios? Pode-se afirmar que um estilo de vida saudável é muito mais do que isso.

Para responder essa pergunta, conversamos com o terapeuta Júlio Paiva, que possui seu consultório residente em Uberlândia-MG, para que nos esclareça como a Terapia Holística pode ser um apoio nesta busca da atual sociedade moderna. Confira:

Fala: A Terapia Holística propõe um novo modelo de saúde, utiliza métodos naturais e na maioria das vezes pouco invasivos. Entre as técnicas mais conhecidas de abordagem holística, nós temos a acupuntura, o reiki, a fitoterapia e a radiestesia. Como essas técnicas agem no ser humano propondo uma melhora mental e física significativa?

J.P:
A Terapia Holística, ou seja, que segue os princípios do Holismo, propõe o tratamento sobre a integralidade do ser humano. Possui suas bases na medicina oriental, mas também é composta por referências em Aristóteles e Hipócrates. Para o Holismo, o corpo é uma resultante de estruturas de diferentes níveis de vida: emocional, mental, espiritual e física. Diferentemente das vertentes analíticas, que tomam fatores isolados para um possível tratamento, ela observa sempre o todo. Daí se origina o nome “Holismo”, oriundo do termo grego “holo”, que significa inteiro. 


foto 1

Fala!: Visto que o tipo de terapia que você realiza procura as causas do problema ao invés de concentrar-se nos sintomas, você pode nos explicar a frase: “tratar o doente e não a doença”? E também poderia citar alguma doença, e sua real causa, para exemplificar o método?

J.P: Hipócrates dizia que devemos tratar o doente, e não a doença. Nesse sentido, a Terapia Holística não substitui tratamentos alopáticos ou psiquiátricos, mas age na causa do problema, muitos deles de ordem psíquica, oriundos de fatores que aconteceram em outros níveis antes de atingirem o físico. É possível unir todos os tratamentos mencionados ao holístico, inclusive, alguns psiquiatras indicam o método.
Muitas pessoas me procuram para tratar a ansiedade, um caso bem comum atualmente. Sua explicação é bem superficial, não adianta a pessoa saber do problema, ela já sabe que é ansiosa e insegura em relação ao futuro. Tomar consciência é perceber que ela nunca está presente, sempre está em um momento futuro, preocupada com o que pode vir, o que pode ter bases muito profundas, ligadas até a vida intra-uterina. Existem situações em que a mãe levou um choque na gestação, o que alterou o funcionamento de seu filho, registrado na memória inconsciente e reproduzido ao longo de sua vida; ou também traumas vividos na infância e até esquecidos, mas que geram consequências até a vida adulta.
Outro tratamento é a meditação, guiada ou em movimento, ou simplesmente se conectar com a força silenciosa, com um espaço de paz e tranquilidade dentro de si, o que a maioria das pessoas têm dificuldade. Por isso costumo utilizar muito a meditação guiada, ao som de tambores, instrumentos como um sino tibetano, que ajuda a mente a se manter ocupada com algo que não seja a preocupação futura.
Além de ambos, tem-se o reiki, em que há uma canalização energética em pontos específicos do corpo, feita por pedras.

 

 

Fala!: A medicina atual muitas vezes não leva em consideração a individualidade do paciente, ou seja, seus hábitos alimentares, relações familiares, com amigos e no trabalho, muito menos seus sentimentos ao longo da vida. Como a terapia holística se difere deste padrão? É certo que além de reparadora, ela também é preventiva?

J.P:
Em alguns casos, é possível fazer um tratamento preventivo na estrutura psicobioenergética, que é do próprio ser humano, estimulando um estado de saúde mais saudável do que o já existente. Ressaltando que saúde sob o olhar holístico significa um bom funcionamento integrado com toda a estrutura do ser humano: social, psíquica, mental, emocional e energética (até espiritual, termo que evito usar para tirar a impressão de religiosidade e crença). Melhor falar que é energética porque atua nos sistemas dos trilhões de átomos existentes em nosso corpo, e suas composições (núcleo e cargas, são elas prótons e nêutrons), que não estão juntos, mas unidos em uma estrutura coesa, pela energia, aquela que não vemos, mas sentimos seus efeitos e consequências.

Júlio Paiva
Júlio Paiva

 

Aborda-se um conhecimento milenar, que antes de ser negado, dia a dia é confirmado por pesquisas ao redor do mundo, e por pacientes que podem confirmar suas significáveis melhoras.

Confira também:

– Por que as dietas vegetarianas estão ficando mais populares?

– A dificuldade em aceitarmos a depressão

Confira também

Os piores lutadores da história do UFC

Muitos lutadores buscam a vida inteira disputar o UFC, por ser o maior campeonato de ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *